Advertisements
Anúncios

Barcelona impõe ao Santos o maior vexame de sua história

O Santos foi impiedosamente massacrado pelo Barcelona, no Camp Nou, por oito a zero, numa partida digna de pena para os brasileiros.

E poderia ter sido muito mais.

Demonstração clara da triste situação do futebol brasileiro perante os grandes centros do mundo, avacalhado, há anos, por esquemas de empresários, treinadores inescrupulosos e dirigentes bandidos.

O que se viu na primeira etapa foi um dos maiores vexames de uma equipe grande brasileira em todos os tempos.

Não pelo resultado de quatro a zero, que poderia ter sido oito, nove, dez, mas pela extrema submissão de uma equipe lamentável, covarde, contra outra brilhante, que fazia o que queria no gramado.

Muitas foram as oportunidades criadas pelo Barça, em meio a trocas de passes belíssimas e domínio total das ações.

Messi parecia um maestro regendo a orquestra, perante um atônito público de onze jogadores que pareciam ter vontade de aplaudir o espetáculo.

Os gols aconteceram naturalmente, sem o menor esforço.

Aos 7 minutos, Pedro encontrou Messi entrando na área, que driblou Aranha e abriu o marcador.

Quatro minutos depois, Daniel Alves cruzou pela direita, Leo tentou cortar e encobriu o goleiro do Peixe, marcando contra.

O terceiro veio aos 21 minutos, quando Messi serviu para a Alexis Sanches, sozinho, rolar a bola com categoria na saída de Aranha.

Numa das “brincadeiras” ofensivas do Barça, após triangulação pela esquerda, Jordi Alba cruzou rasteiro para Pedro marcar o quarto

E o Barcelona teve dó em ainda em início de temporada, ficou tocando bola, vez por outra, mesmo sem esforço, criando jogadas ofensivas.

Vale lembrar que Neymar nem em campo esteve, aguardando a oportunidade de entrar na equipe, com paciência, no banco de reservas.

No segundo tempo, a duas equipes voltaram com formações absolutamente diferentes, com o Barça mudando sete jogadores, com a saída inclusive dos craques Xavi e Iniesta, mas, enfim, mantendo Neymar e Messi no gramado, na estreia mundial da dupla.

O Santos também mudou bastante, sabedor de que pior do que estava, aparentemente, não poderia ficar.

Mas ficou.

O panorama do jogo se manteve, e Fabregas, logo aos 7 minutos, fez cinco a zero.

Neymar entrou bem e, esperto, utilizava sua habilidade adaptada ao estilo de jogo do Barça, tocando mais a bola do que de costume.

E o Barça, em ritmo de treino, passou a brincar de perder gols.

Aos 16 minutos, o treinador argentino dos espanhóis acabou com a alegria do torcedor retirando Messi de campo, deixando a brincadeira com Neymar para outra oportunidade.

O Santos, quase de joelhos, agradecia.

Porém, aos 22 minutos, Neymar fez boa jogada pela esquerda e rolou para Fabregas, de primeira, fazer o sexto.

Fabregas que quase fez outro, três minutos depois, em belíssima batida de falta na trave esquerda do Peixe.

Adriano, impiedoso, fez o sétimo gol numa batida magnífica de fora da área.

Dava pena.

E ainda faltavam quinze minutos.

33 miuntos do segundo tempo e o Santos, finalmente, criou uma jogada, quando Leo Citadini bateu falta na cabeça de Cicero, mas o goleiro espanhol defendeu bem.

Quatro minutos depois, o Barça castigou a ousadia, com Fabregas roalndo pela esquerda para Dongou fazer o oitavo.

Pecado, aos 43 minutos, quando Neymar recebeu livre na esquerda e bateu no travessão.

Ao final da partida, além da evidente diferença entre as equipes, ficou o maior vexame da história de um clube que, no passado, com a geração de Pelé, parava guerras e deixava rainhas de joelho quando se apresentava no exterior.

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

×
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: