Anúncios

BRF FOODS, em ação tratada como “mafiosa”, “roubou” clientes e impôs falência a distribuidores de leite em São Paulo

No último dia 25 de março de 2013, a BRF FOODS, em decisão unilateral, enviou carta a todos os estabelecimentos compradores de produtos lácteos das marcas “Elegê”, “Batavo”, “Qualy”, “Perdigão”, entre outros, comunicando o descredenciamento de seus distribuidores, dizendo ainda que será responsável agora pela comercialização direta com as empresas.

Um golpe que ocasionou, de cara, a revolta dos prestadores de serviço, alguns, há mais de cinquenta anos no mercado.

br3

Muitos perderão a única fonte de renda, outros terão que se desfazer de patrimônio adquirido ao longo de décadas.

Calcula-se que aproximadamente 70 empresas de transporte, que prestavam serviço de distribuição serão comprometidas, ocasionando prejuízo direto aos mais de 900 funcionários a elas ligados.

O fechamento da maioria, além das demissões, serão invitáveis.

Com esse quadro, os contratos serão rescindidos, porém, sem que os distribuidores recebam a devida compensação financeira, num “esquema” tratado como “mafioso”, que relataremos, com documentos, nas linhas abaixo.

COMO FUNCIONAVA A DISTRIBUIÇÃO

A grande maioria dos distribuidores lesados estão há décadas no mercado, e mantinham contrato anterior com a famosa “Leite Paulista”.

Com a derrocada da empresa, que passou a ser assumida pela CCL, os contratos migraram quase que automaticamente, mantendo-se o sistema anterior de distribuição.

Anos depois, a AVIPAL tornou-se responsável pelos contratos da CCL, entre eles os de distribuição.

Na sequência, nova negociação passou o controle de todos os negócios para a Perdigão, que depois foi absorvida pela BRF FOODS.

À princípio, até para ter a real noção de mercado, a relação com os distribuidores não sofreu alteração substancial, com a BRF FOODS até incentivando a venda, razão pela qual o faturamento dos prestadores de serviço, em 2008, cresceu, em média, 20%.

O PLANEJAMENTO DO GOLPE

Após um primeiro ano em que a BRF FOODS agiu em boa parceria com os distribuidores, a empresa sentiu que poderia lucrar ainda mais se fizesse diretamente a distribuição de seus produtos no mercado.

Mas, para isso, precisaria romper dezenas de contratos com distribuidores, ação absolutamente inviável financeiramente.

Partiu-se, então, para o “golpe”.

Todos foram obrigados a assinar um contrato que, a princípio, mostrava-se igual aos outros, porém, numa das cláusulas, a 9.1, estava a “pegadinha”.

Dizia que para romper o compromisso, a BRF FOODS teria que pagar multa que tinha como referência os três últimos meses de faturamento comprovado dos distribuidores.

À princípio, com o faturamento, que já era bom, em crescimento, os proprietários das empresas julgaram estar garantidos.

Ledo engano.

A BRF FOODS, por intermédio da PERDIGÃO, passou a enforcar financeiramente os “parceiros”, numa ação tratada como criminosa por boa parte dos distribuidores, que ocasionou impressionante redução de 80% do faturamento, entre 2009 e 2012.

Portanto, a multa a ser paga pela PERDIGÃO, que antes era inviável, tornara-se agora irrisória.

“A BRF FOODS retirou produtos do mercado nos últimos anos, num prejuízo calculado, como forma de estrangular financeiramente os distribuidores, em desacordo com clausula 6.5 contrato”, afirma Luis Da Mata, da DISLEITE SANTA MARIA.

“Em alguns casos, a BRF FOODS vendia o mesmo produto que nossas empresas, paralelamente, a preço menor, para os mesmos clientes.”, finalizou.

“O que ela não cortou de produtos, reduziu, aumentando ainda o preço final, muito acima do praticado pela concorrência, inviabilizando a comercialização.”, reclamou Getúlio R. Prado, da TRANSLEITE PRADO.

“Hoje eles querem pagar uma indenização baseada num faturamento irreal, ocasionado pelo estrangulamento financeiros que ocasionaram a nossas empresa, quando o correto seria observar a média geral de todos os anos de trabalho, quando tínhamos todos os produtos a disposição e condições mínimas de comercialização”, ressaltou João Cardoso, da TRANSLEITE RIO BRANCO.

“Tivemos, recentemente, uma reunião para inglês ver com Luiz Henrique Lissoni (foto), vice-presidente de Supply Chain da BRF FOODS, que, de maneira dissimulada disse que nossas vendas não estavam satisfatórias para a empresa. Um disparate !”, complementou.

“Não tivera nem a decência de nos comunicar a rescisão unilateral do nosso acordo. Soubemos quando tivemos acesso à carta que eles sorrateiramente enviaram aos nossos clientes. Sim. Porque os clientes que eles querem se apoderar agora foram conquistados por décadas de nosso trabalho. Tem empresa com mais de 50 anos servindo a mesma clientela.”, desabafou Rogério Marques do Reis, da FRS LELLOS.

“Foi um golpe, coisa de “máfia”… já estava planejado… olha aqui esse e-mail em que o advogado da Perdigão já orientava-os a nos prejudicar.”, disse um dos empreiteiros.

br2

br1

Mas a sacanagem não parava por ai.

“Eles nos obrigavam ainda a carregar nossos caminhões com produtos não pedidos pelos clientes, para que pudessem bater suas metas. A carga era devolvida, eles tinham a cara de pau de lançar Notas de Débito e o prejuízo era todo nosso.”, afirmou Ronaldo Farias, da RDL TRANSPORTES.

BRF FOODS JÁ RESPONDE PROCESSO POR PRÁTICA ABUSIVA

Tramita na 5ª Vara Cívil de São Paulo alguns processos contra a BRF FOODS por prática abusiva e estrangulamento financeiro, movido já por distribuidores que, no último ano, não resistiram ao “esquema” de redução de fornecimento compulsório da empresa.

Documentos comprovam todas as acusações descritas na matéria, entre elas pratica de quebra de fornecimento, recusa de receber devoluções de mercadorias, concorrência desleal, além de abuso dos contratos de transporte para reduzir o valor das indenizações.

Certamente outros mais devem ser impetrados nos próximos dias, ocasionando ainda mais transtornos aos distribuidores lesados, sabedores de que com a morosidade judicial, muitos sequer viverão para serem indenizados.

“É uma vergonha. Se tivessem o mínimo de civilidade, de licitude comercial, nos procurariam para pagar, ao menos, a média de nossas vendas quando podíamos concorrer em igualdade de condições.”, disse um dos distribuidores.

“Uma empresa tão grande, tão poderosa, agindo como nos tempos da “Cosa Nostra”, contando com a morosidade do judiciário e com o silêncio de boa parte da mídia, que precisam de seus anúncios. O Governo precisa abrir os olhos para essa pratica criminosa que atenta contra brasileiros que por anos serviram ao país, pagando impostos e gerando empregos”, finalizou.

Anúncios

45 Respostas to “BRF FOODS, em ação tratada como “mafiosa”, “roubou” clientes e impôs falência a distribuidores de leite em São Paulo”

  1. Divanio Says:

    Este é o sonho do PT: o País de todos os grandes empresários e banqueiros.

  2. Helvio Says:

    Vamos chorar com a turma do congresso.
    Será que os órgãos que aprovam esse tipo de fusão, e o governo que usa o nosso dinheiro pra pagar por isso fazem um minimo estudo e impõe alguma regra de conduta a essas empresas ???
    Claro que impõe regras, as regras são o cafézinho…
    País de políticos que representam seu povo burro e comprado com bolsas tudo…

  3. A VERDADE Says:

    O Lampião não vai sentir falta, pois o namorado dele, da leitinho quente para ele, todo os dias!!

  4. marco Says:

    Só para lembrar que quem criou as condições para esse gigante chamado BRFOODS exisitr, com o quase monopolio que lhe permite fazer coisas como as acima, foram o CADE, que aprovou a absurda fusao de Perdigao e Sadia, e o BNDES, que deu financiamentos na estrategia de criar os chamados “campeoes nacionais”, ambos no governo Lula

  5. Lampião Says:

    Filhadaputice!

  6. Adauto Says:

    Paulinho, isto trata-se de ladrão roubando de ladrão, o produtor de leite é massacrado por este sistema, tanto as cooperativas como os distribuidores, recebemos R$ 0,91/litro no período seco e nas águas R$ 0,78/litro por um sistema de cotas absurdo.
    Desconta-se o frete da fazenda até a usina, mais os preços absurdos de ração e medicamentos e acabamos por subsidiar este sistema podre que funciona há décadas como verdadeira máfia.
    Só tomamos prejuízo, eu parei, prefiro plantar maracujá.

  7. Luís Felipe Barbosa Says:

    Paulinho, vou dizer em caixa alta, proporcional ao meu respeito pela sua pessoa “ADMIRO VOCÊ COMO PROFISSIONAL DE JORNALISMO, TRAZENDO À TONA TANTOS ESCÂNDALOS QUE FAZEM COM QUE A GENTE SE DESAPEGUE CADA VEZ MAIS AO FUTEBOL. FUTEBOL HOJE É ISSO. CORRUPÇÃO (CBF, GLOBO, MAUS PROFISSIONAIS E PSEUDO JORNALISTAS PRINCIPALMENTE NA BANDEIRANTES E GAZETA, EMPREITEIRAS DOS ESTÁDIOS). Meu sentimento é de nojo com tudo que se vê e nada se faz. Nosso país não é sério. Tenho uma denúncia no MP assim como você tem várias, só que objetos distintos, e temos de confiar no órgão que hoje é o que mais pode fazer em relação a esses problemas. O futuro do Futebol Brasileiro com o Andrés Sanchez é obscuro e mesmo com o Del Nero, mas ainda sim, prefiro a continuidade do último. Mas não é algo que acontecerá pelo apoio que o MOBRAL INCONCLUSO está construindo nos bastidores. Não sei se de fato é corintiano, mas se for ainda mais meus parabéns, pois sua paixão clubística é superada pela racionalidade e bom senso de delatar ao público tudo de sujo que venha do Corinthians ou mesmo de outros clubes. Um jornalismo de credibilidade. Antigamente, era fã do Kajuru, mas quando você vai conhecendo mais a fundo, percebe ele ser um bobalhão e de fato tudo que diz, grande parte é mentira. Apesar do fanatismo demonstrado no último ano de 2012, que foi o melhor esportivo deste time, o Juca Kfouri é ainda um dos poucos com credibilidade. A lavagem cerebral é muito grande hoje. Veja bem, você vê o Neto que é um bobalhão, mau caráter, parcial, boçal num portal como o UOL (outro reduto de corintiano na imprensa) e ele dá audiência. Mas uma audiência que as pessoas entram no blog não para elogiar e sim xingá-lo, ofendê-lo etc. E quem é a besta dessa história? Nós. O Uol assim como outros portais vivem de cliques nas notícias e é isso que mantém o “profissional” no veículo mesmo falando asneiras. Infelizmente as pessoas não percebem que simplesmente entrando e lendo o que esse imbecil escreve e ficando pasmo, contribuem 100% para que ele permaneça lá. Fenômeno similar ao que o Diogo Mainardi é na Veja. Confesso a ti que sou petista, já fui muito mais, e acredito que a Dilma, Fernando Hadad e outros sejam bem intencionados, mas o Lula e demais pessoas que você já citou são a escória da escória. Tenho uma amiga na câmara e ela já afirmou que o “Tatto” é um dos mais corruptos fora o Vicente Cândido já conhecermos estórias. Enfim, Paulinho, força e meus parabéns por ser esse jornalista em caixa alta que é. Mas você sendo assim, sabe que não terá espaço na grande mídia. A grande mídia é para o insosso Caio Ribeiro, o filho de diretor Tiago Leifert, o “média” André Risek (corintiano fanático), o cretino do Neto, Dr Osmar, Ullysses Costa, Leandro Quesada, o “vendido” Flávio Prado pois se vendeu à pauta conhecida da Gazeta, Chico Lang, Osmar Garrafa (esse ainda rs é tão mas tão profissioal que fez uma vez uma programa de entrevistas pela TV Corinthians como pásmem ENTREVISTADOR e não entrevistado, como pode?). Hoje esporte na minha vida você, a ESPN, a Fox e somente. O resto virou resto. Abraços. Seu fã Felipe.

  8. Marcos Says:

    brazil!!

  9. Só Perguntando?? Says:

    Lampião, por citar a sua mãe???
    Deixa a mulher trabalhar em paz!!

  10. Marcos Says:

    A empresa Amanco Brasil S/A, que antigamente era Fortilit comprou a AKros que posteriormente ficou como Akros Fortilit, e agora com o nome Amanco, utilizou se mais ou menos desse mesmo estratagema, começou a vender para parceiros (Atacadistas), esses começou a pulverizar as vendas colocando os representantes em condições desfavoráveis, enquanto o atacadista vendia R$ 7,00 o Representante ficava maluco para ter que vender por R$ 11,00 e com a desvantagem, pois a venda direto da industria teria que pagar o IPI. Como o carro chefe da carteira de muitos eram a Amanco, muitos nunca mais se levantaram com o mesmo faturamento, consequentemente a mudança de ramo foi o ponto final da conversa.

  11. EU - ABSOLUTIS VERITAS Says:

    Desde que os Fundos de Pensão, entraram com tudo na Perdigão, começaram as “fusões”, a coisa ficou feia para o consumidor brasileiro, pequenos e médios produtores além dos distribuidores.

    O JOGO é pesado e os acordos firmados entre as várias empresas deste setor são estranhos demais.

    Paulinho, você que tem muitos contatos, verifica um tal de Marfrig!!

  12. Marcelo Ancona Says:

    Mesma história acontecida com a fusão Brahma/Antarctica. Agora eles estão na fase de eliminar antigos parceiros distribuidores para absorver o lucro que eram destes últimos. Depois vão ditar o preço que quiserem uma vez que a concorrência exixtente não fará frente ao poderio da empresa. Alguém se lembra de quanto custava 1 cerveja em 1999 ano da fundação da Ambev? Compare com 1 litro de gasolina e veja o aumento que produziu essa concentração de produtos na mão de apenas uma empresa.

  13. Alberto - O Original Says:

    Paulinho, a BR Foods é praticamente uma empresa estatal já que os fundos de pensão de estatais são seus principais acionistas. Basta uma pesquisa rápida na Internet para constatar isso. A Perdigão era uma empresa falida no passado e recebeu ajuda do governo via BNDES e fundos de pensão para não falir. Dizem, na época, que um dos reis do mensalão estava por trás da viabilização dessa ajuda. Salva a Perdigão, a Sadia, única forte concorrente, fez o favor de passar a especular no mercado financeiro com operações de dólar futuro, aos invés de vender frangos e salsichas, e praticamente quebrou/faliu em 2008 com crise mundial. A salvação, novamente, veio das tetas do governo, via BNDES e aprovação de uma fusão da Sadia com a Perdigão criando a gigante Brazil Foods, ou BR Foods. Dizem que para o país é muito bom uma gigante nessa área. Uma grande mentira de um governo que se diz popular, pois a gigante não só está por trás desse caso de leite, que é do nosso conhecimento por está próximo de nós, mas que causa muito estrago nos pequenos produtores no campo, impondo uma política de preços altamente lesiva e restritiva, isso quando não instalam mega centros de produção no campo acabando com o lucro das pequenas fazendas de produção rural.

  14. Aleksandro Says:

    Capetalismo selvagem! Todos podem concorrer? Quem pode mais, chora menos…

  15. Lampião Says:

    Só perguntando e A VERDADE

    Pelo tipo de conversa, logo vejo que são curicanos de ficha criminal extensa…..coisa comum nessa torcida bandida, assassina e cafajeste.

  16. Rafael Says:

    Divanio Disse:
    abril 23, 2013 às 10:58 am

    Que bom que o país tem grandes empresários e banqueiros!!!

    O negócio é que o sonho do PT é se eternizar no poder, mesmo que para isso tenha de transformar todos os poderosos em criminosos, destruir o país e seu povo e transformá-lo numa Cuba ou Coréia do Norte da vida…

  17. Divanio Says:

    Rafael,

    Você não entendeu a ironia da minha postagem.Detesto o PT .

  18. Marcos Says:

    É, meu caro, o velho Brasil brasileiro… Um momento de reflexão… Os políticos que estão no poder parecem acreditar que vivem alheios à sociedade. Brincadeira o que eles fazem, acreditam que a corrupção que causa a violência, o nível intelectual baixo, qualidade ruim da saúde dos brasileiros não atingem a eles também. Ledo engano. Tudo isso os atingirá também, mas quando estamos torpes pelo poder/dinheiro, estamos torpes e ponto final. Ponto novamente. É difícil de entender, mas os torpes não conseguem sair daquilo que os move.
    Já não há muito o que discutir, chegamos numa situação em que a revolta é perda de tempo; pois os torpes assim ficarão até serem retirados do poder… Imaginem comigo: quando tínhamos bom senso era fácil nos importarmos com outras pessoas; hoje, que o pior já é o comum, em poucos casos nos importamos com os outros. Brigas de trânsito, estupro em massa, roubar velhinhas, roubar escolas, desviar dinheiro de merenda/hospitais/vacinas/programas sociais (E são muitos!)… O que podemos fazer? O que nos resta, lamentar? Revoltar-se?
    Por mim também digo, a humanidade cada vez mais se aproxima do seu fim não apenas por causa das pessoas ruins; mas, principalmente, porque as pessoas que se dizem de bem apenas olham para eles e não fazem nada. O que arruinará a todos é o ócio. Planejo fazer algo, adentrar na política e ser xingado por todo mundo; mas pelo menos um a menos para roubar eu serei.

    Parabéns pelo blog. Não acho ninguém o suprasumo de nada, mas friso que você me parece ser uma pessoa de bem que se coloca à frente para levar as primeiras xibatadas. E apenas assim as pessoas vencerão os torpes.

  19. Carlitus Says:

    Uma empresa com esse nome, Brasil Foods, não deixa a menor dúvida: a especialidade dela é fooder.

  20. John Smith Says:

    BR Foods é a maior empresa do grupo PT.
    Além do CADE aprovar esta imoralidade, o BNDES sustentou de maneira fraudulenta.
    Pobre povo brasileiro!!!

  21. Terezinha Reis Says:

    Paulinho,parabens por seu blog. PT é pouco para BR Foods agora,aguardem que em mais algum tempo eles estrangularão o PT,o Cade,o BNDS e quem mais aparecer na frente. Sou capaz de apostar que inclusive a economia Brasileira. Cuba é paraiso perto do que está sendo feito no Brasil. Quem queria uma bolsa auxilio para qualquer coisa é que deve estar feliz.
    Como disse alguem,vou plantar maracujá..

  22. luiza Says:

    uma empresa desta porte deveria honrar e respeitar as empresas que vestiram a camisa da empresa por décadas e décadas, vergonha…..

  23. Ribeiro Says:

    Paulinho trabalho com vendas a mais de quinze anos e infelizmente em toda fuzão , a bomba sempre acaba estourando no colo do distribuidor , que fez a sua carteira de clientes e depois é obrigado a repassa la de mão beijada. Este não é o primeiro e também não será o último caso. Em 2011 a Pepsico adquiriu a marca MABEL , que tem quase 90% da sua venda atrelada nos distribuidores e o restante 10% com a venda direta da indústria , com essa aquisição a Pepsico , manteve esses percentuais de venda , entre ind_stria e distribuidor, aí é que vem o problema , como sua linha de produtos é grande começou a distituir seus distribuidores de Mabel , alguns com mais de 20 anos , e alocou a venda em distribuidores que já trabalhavam com alguma de suas marca.
    Digo pq conheço distribuidores com muitos anos de trabalho com a Marca Mabel , que tinham mais de 60% de seu faturamento atrelado ao produto , ou seja , aonde do dia pra noite compor essa diferença.
    Resultado , nesse período , queda significativa de share de mercado.

  24. Clamando por justiça Says:

    Socorro MINISTÉRIO PÚBLICO, O que a BRF dentre outras estão fazendo é estupro a legalidade, investigação ao CADE, porque ele é o maior culpado.Me respondam. Quem tem mais culpa é o filho que é bandido? não é a mãe que o pôs no mundo!!!!!

    Parabéns Paulinho por sua coragem, coragem não, isso se chama de não ter o rabo preso com ninguém.

  25. Marcio Kis Says:

    Esse é o capitalismo liberal que muita gente adora e defende, inclusive o blogueiro. Não entendo a reclamação e a falácia. É o sistema meus caros.

  26. BRF FOODS é notificada por “ato ilícito” pelos distribuidores, mas mantém silêncio sobre denúncias | Blog do Paulinho Says:

    […] https://blogdopaulinho.wordpress.com/2013/04/23/br-foods-em-acao-tratada-como-mafiosa-roubou-clientes… […]

  27. BRF Foods é acusada oficialmente de apresentar contratos falsificados fornecedores na Justiça | Blog do Paulinho Says:

    […] https://blogdopaulinho.wordpress.com/2013/04/23/br-foods-em-acao-tratada-como-mafiosa-roubou-clientes… […]

  28. Anderson Viana (@vianablog) Says:

    Paulinho, infelizmente minha esposa trabalhou por anos para um dos distribuidores Batavo. Conseguiu recuperar e fidelizar muitos clientes na região da Grande SP e depois de 5 anos, acabou. Saiu e não recebeu nada. Pois os distribuidores não receberam nem um tostão…

  29. Porcelanto Porcelanatos E Revestimentos Says:

    Empresa safada essa aí! tem mais: adquirem serviços de pequenos e não pagam…você manda pra cartório, eles tem corpo jurídico competente para refutar o protesto e depositam em juízo uma calção. se você entrar com ação, pode ser que receba depois de alguns anos… se não entrar, nunca vai receber e o dinheiro volta pra mão deles!
    Isso deveria ser crime!

  30. Valter Says:

    Tem gente que vem aqui dizer que a empresa é do PT, do lula, é cada viagem. Os mesmos que falavam que a empresa MRV significa “Marcos Valério Rodrigues” e não tem nada a ver!
    É caso de justiça, tem que mandar prender os diretores, mas isso não tem nada a ver com política, vamos parar de falar asneiras.

  31. Marcelo Says:

    Vocês não sabem nada!

  32. Marcelo Says:

    Tomam leite e massacram com comentários infundados a indústria. Se você apóia tanto assim os produtores, por que não compra leite direto deles?
    Quem disse que uma indústria é obrigada a sustentar distribuidores? Não entendo!

  33. WALTER Says:

    quando foi feito uma reuniao antes da ccl ser vendida muitos empreiteiros acharao que ficaria ainda mais lucrativo , pois com a perdigao tinha uma grande linha de produtosna qual ja tinhao tomado na cabeça com a venda damarca PAULISTA para a danone , pois bem e foi o que aconteceu . antes da CCL ser vendida para a PERDIGAO juntando todos os empreiteiros eramos forte , agora os que sobrarao favor apagar a luz e fechar a porta!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! NAO ADIANTA CHORAR AGORA E TARDE !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  34. Paulo Renato Ramos Says:

    Sou, ou melhor por enquanto estou RDA da Batavo, Elegê e Cotochés. Lendo estas noticias observo que o mesmo está acontecendo comigo. Elevaram os preços a patamares bem acima do mercado, suprimindo nosso faturamento á míseros 40 a 50 % do que eram, logo em seguida começaram a retirar os principais clientes que compunham nossa carteira, alegando que seriam atendidos diretamente pela empresa. Não fica difícil imaginar o que estão querendo fazer nos. Gostaria do contato de algum transportador de São Paulo.

  35. roberto cezar Says:

    em beltrao esta acontecendo esse robo tiram da raçao pra pagar mais pro peru transporte de peru esta rico raçao pobre

  36. Evilasio de Carvalho Junior Says:

    Eu tenho um cliente na mesma situação com a BR Foods. Mais de 30 anos de mercado da Batavo, ELege e a BRFood quer pagar uma ninharia de indenização.

  37. Júnior Says:

    Eu também tenho ação indenizatória contra a BRF (10 anos de Representação Comercial na Região sudoeste de São Paulo), desde 2009 por execução de títulos extrajudiciais, e também indenizatória desde 2012, a primeira eu ganhei e espero que a justiça faça que eles paguem, já a indenizatória por quebra de contrato comercial, eles estão tentando fracionar o pagamento da minha indenização, devido uma clausula fraudulenta que fraciona a comissão, portanto estamos na mesma situação e, minha audiência já é dia 10 de abril de 2014, se eu puder ajudar ou ser ajudado contra essa malandragem, “golpe”, me enviem informações.

  38. Ademir Says:

    Me reporto a alguns comentários acima: é ladrão roubando ladrão; é capitalismo.
    É ISSO AÍ.
    No capitalismo quem puder levar mais, leva. A única diferença é: onde estou?
    1-sou consumidor?
    2-sou o intermediário (alguns dizem: atravessadores)?
    3-sou o produtor (o do campo)?
    4-sou o dono da BR FOODS?
    5-sou o jornalista?
    TALVEZ basta trocarmos de lugar que veríamos a coisa de modo diferente.

  39. jaqueline Says:

    Ouvi um comentário que a BRF estava chamando os seus antigos representantes (leiteiros) para realizarem acordo extrajudicial evitando assim ações judiciais. Alguém confirma tal informação:

  40. Júnior Says:

    Tenho duas causas ajuizadas, uma em 2009 por execução de títulos e outra em 2012 porque não tive a rescisão efetuada, a primeira ganhei e está no bacen jud, a outra está na fase da ultima testemunha, mais tenho certeza que ganho também, o difícil está receber. E tem idióta como esse Ademir fazendo comentários ridiculos, demonstrando sua falta de profissionalismo e decencia !

  41. parana Says:

    Também ajuizei uma ação agora no ramo de representação comercial de alimentos em virtude de uma injusta rescisão,

  42. Júnior Says:

    Oi, parana sua comissão também era fracionada ? como a minha, me passa mais detalhes, pois podemos compartilhar isso no processo e ter mais força perante a justiça. ex: minha comissão era de 11%, eles pagavam 8.8 como frete e 2.2 como comissão, manobra pra pagar menos na rescisão.

  43. parana Says:

    Oi Júnior. Sim, a comissão do meu cliente era fracionada também e aleguei a nulidade e pedi como se fosse única para fins do 1/12 avos.

    Meus pedidos foram:

    a) seja declarada a existência de um único contrato de representação comercial entre as partes desde xxxx até xxxx, quando a Ré notificou as Autoras e rescindiu injustificadamente o contrato, com o pagamento da indenização devida e prevista no artigo 27, J, da Lei 4.886/65, ou seja, 1/12 (um doze avos) do total da retribuição auferida durante o tempo em que exerceu a representação (19xx a 20xx), apurando-se ainda para fins de base, o pagamento das comissões do pedido de letra “b, “c” e “d” abaixo”, assim como as diferenças de comissões do pedido de letra “e” – item II.a;

    b) o pagamento/repasse das comissões referentes a renovação da frota, durante o tempo em que exerceram a representação (19xx a 20xx), conforme já fundamentado – Item II.b;

    c) o pagamento de comissões no % (percentual) estipulado nos contratos de 19xx, a todos os negócios comerciais feitos na área de exclusividade sem a participação da representante a partir de setembro de 20xx – Item II.c.
    d) Não sendo este entendimento, alternativamente, requer seja condenada a Ré aos lucros cessantes, prejuízos/baixa da média de comissões devido a retirada dessas grandes redes – Item II.c.

    e) sejam apuradas as diferenças de comissões durante todo o período de relação de trabalho entre as partes, apurando-se como base:

    c) e.1 – Valores integrais das comissões do valor bruto do produto (art. 32, § 4º da Lei 4.866/65) – assim como ICMS, COFINS, PIS, frete, ou outro qualquer tipo de desconto., considerando a tabela inicial firmada em 22.04.19xx até o último contrato com a Ré, somados a comissão do Transporte + Agenciamento, uma vez que apenas 20% do valor era pago como comissão do agenciamento e os outros 80% a título de frete, com incidência de correção monetária pelo índice do TJPR, acrescidos de juros de mora de 1% ao mês (artigo 398 do CC);
    ;
    e.2 – O pagamento pelo atraso dessas comissões (cláusula 7° do contrato), com incidência de correção monetária pelo índice do TJPR, acrescidos de juros de mora de 1% ao mês (artigo 398 do CC) – Item II.d;

    f) condenação da Ré à restituir às Autoras pelos valores a título de Notas de Devolução ou recompra de mercadorias em virtude de devoluções de produtos vendidos durante todo o lapso temporal – Item II.e.
    g) Não sendo este o entendimento, requer “ad cautelam” que a Ré seja solidariamente responsável valores a título de Notas de Devolução ou recompra de mercadorias, nos termos do artigo 698 do Código Civil – Item II.e

    h) O pagamento das multas contratuais informadas no item II.f

    i) Apuração dos valores pleiteados em liquidação de sentença, após laudo pericial dos valores devidos, devidamente atualizados com incidência de correção monetária pelo índice do TJPR, acrescidos de juros de mora de 1% ao mês (artigo 398 do CC);

    j) A citação da Ré, no endereço nesta inicial mencionado via AR (correio), para, em querendo, apresente defesa a presente ação, sob pena de revelia e confissão

    k) Seja oportunizada a produção de prova, especialmente o depoimento pessoal do representante da Ré, oitiva de testemunhas, e juntada de novos documentos e outras em direito admitidas, acostando, desde já, os documentos nesta inicial noticiados;

    l) Seja oficiada a Receita Federal, para que confronte as informações das notas fiscais emitidas pela Autora em nome da Ré, para que seja comprovado a contabilidade/operação dessas devoluções dos produtos, onde se demonstrará que não havia estoque desse material com a Autora ou com terceiros que as vezes sequer sabiam dessas notas.

  44. junior Says:

    Boa tarde paraná, vou ver com meu advogado o que podemos fazer de bom juntos, entro em contato em breve. Essa causa corre pela comarca de Itararé – SP e outra por Castro – PR, pode me dizer por qual o Sr. está entrando.

  45. parana Says:

    Boa noite Junior, ajuizei na Comarca de Cascavel-Pr.
    Meu email é evilasiocjr@gmail.com

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: