Advertisements
Anúncios

Octávio “Tatá” Muniz responde acusação de ser “Pirata da TV”

Octávio Muniz, o “Tatá”, ex-jornalista da BAND, teve sua triste trajetória profissional relembrada com a publicação, em duas partes, de uma matéria intitulada “Os Piratas da TV”, da revista PLACAR, de 1996, que tratava os repórteres da emissora como agentes de jogadores.

Indignado com o que esperava, certamente, fosse um assunto esquecido, o jornalista enviou resposta, um tanto quanto arrogante, ao blog.

Vale lembrar que “Tatá”, apesar do histórico conhecido na profissão, foi agraciado com um cargo de Conselheiro Fiscal na ACEESP, órgão que deveria zelar pelo bons costumes da profissão.

Entidade que tem ainda o ilibado Leandro Quesada, da BAND, como Diretor Social e a covarde presidência de Luis Ademar, da SPORTV.

O leitor poderá tirar suas conclusões sobre o assunto ao conferir, nos links abaixo, a reprodução da referida matéria, e, na sequência, a resposta de Octávio Muniz.

http://blogdopaulinho.wordpress.com/2013/04/11/memorias-que-a-imprensa-quer-esquecer-piratas-da-tv-saiba-como-jornalistas-da-band-vendiam-reportagens-parte-1/

http://blogdopaulinho.wordpress.com/2013/04/12/memorias-que-a-imprensa-quer-esquecer-piratas-da-tv-saiba-como-jornalistas-da-band-vendiam-reportagens-parte-2/

DIREITO DE RESPOSTA DE OCTÁVIO MUNIZ

Paulinho, eis minha resposta às afirmações que citam meu nome, só e exclusivamente o MEU NOME, que lhe envio esperando ver publicada na íntegra na sua coluna respeitando o DIREITO DE RESPOSTA.

Obrigado, Octávio Muniz.

– Jamais fui sócio da SGB ou de Ely Coimbra em qualquer empresa, fui apenas um colaborador.

– Jamais fui denunciado por qualquer coisa a qualquer órgão classista.

– Jamais abordei o dirigente do time catarinense em questão, não o conheço, jamais o vi, se o encontrasse pela rua demoraria meses a reconhecê-lo. Não sei quem é!

– o jogador citado foi objeto de minhas entrevistas como repórter de campo que era à época e mais nada. Nunca me entregou qualquer documento seu, procuração, etc.

– Quanto ao constrangimento do colega em questão, reputo como um ato involuntário da época, pois voltamos a ocupar o mesmo espaço de trabalho por três anos, entre 2009 e 2012, quando éramos narradores de uma rede de televisão.

– Quanto à comissionamento, jamais auferi algo desta origem/a esse respeito. Meus únicos rendimentos sempre vieram, ÚNICA e EXCLUSIVAMENTE, do meu salário.

– Quanto à expressão “rápido no gatilho”, desculpe, não compreendi, mas se ela quer dizer algo sobre rapidez de raciocínio e inteligência, verdade, me sinto privilegiado neste aspecto.

– Quanto a estar/conversar com o dirigente da equipe paulistana à época, se o fiz, foi única e exclusivamente em busca de entrevistas para a emissora no qual trabalhava e no âmbito das reportagens, nada mais.

– Quanto à nunca “ter confundido as coisas”, é o extrato real da verdade, nunca confundi mesmo.

– Nunca assinei contrato algum e recebi qualquer comissão. Repito meus únicos rendimentos são e sempre foram fruto de salário.

Verdade é que colaborei com o principal citado e outros, desenvolvendo para eles, projetos que concebiam novos torneios de futebol.

Em tempo e para terminar, permaneço a disposição para qualquer outro questionamento necessário e AUTORIZO SIM o uso de minha imagem pessoal, retirada de meus arquivos pessoais em rede social para reprodução no seu blog, mesmo sem antes ter sido consultado.

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

12 comentários sobre “Octávio “Tatá” Muniz responde acusação de ser “Pirata da TV”

  1. Acho que seu erro até agora foi colocar a foto do Ely Coimbra na matéria, o cara morreu e ficou apelativo.
    Se tem provas toque o barco, o Datena era repórter nesta época, não teve envolvimento com isto?

    Paulinho: Contar e mostrar a verdade não é apelativo.

  2. “Contrassenso”

    ‘Jamais abordei o dirigente do time catarinense em questão, não o conheço, jamais o vi, se o encontrasse pela rua demoraria meses a reconhecê-lo. Não sei quem é!’

    ‘Quanto à expressão “rápido no gatilho”, desculpe, não compreendi, mas se ela quer dizer algo sobre rapidez de raciocínio e inteligência, verdade, me sinto privilegiado neste aspecto’.

  3. bom dia paulinho ! por essas atitudes que sou teu fã, você só fala a verdade, essas raposas do jornalismo nunca irão te enganar, ai paulo deita o beiço nestes crapulas. nunca queira o jornalista com tua competencia, estar acima do bem e do mal.

  4. Perdendo tempo com peixe pequeno :

    BRASÍLIA – A governadora do Maranhão, Roseana Sarney (PMDB), que já foi senadora, pediu a aposentadoria ao Senado. A medida foi publicada nesta quinta-feira no Boletim Administrativo da Casa e vai lhe render um benefício de R$ 20.900,13, valor que se somará aos R$ 15,4 mil que ela já recebe para comandar o Estado. Segundo sua assessoria, Roseana não pretende abrir mão do salário atual por conta do novo rendimento.

    Família Sarney é um câncer na sociedade brasileira.

  5. A maioria da imprensa seja esportiva ou não tem o rabo preso, ontem no Jornal nacional, falaram bem rápido do caso Lula, já no jornal da globo 00:30 se alongaram um pouco mais, mas que viu?

  6. ‘Quanto à expressão “rápido no gatilho”, desculpe, não compreendi, mas se ela quer dizer algo sobre rapidez de raciocínio e inteligência, verdade, me sinto privilegiado neste aspecto’.

    Paulinho, a matéria da Placar é de 1996, se Octávio Muniz diz ter o privilégio de possuir rapidez de raciocínio e inteligência, o que o ‘inteligentíssimo’ jornalista está esperando que ainda não processou a revista???!

  7. Quando o São Paulo FC sagrou-se campeão paulista de 1953, o clube através do seu presidente Cícero Pompeu de Toledo enviou uma carta de agradecimento para o então repórter Otávio Muniz, pai do Tatá Muniz.

    Leia o conteúdo da mesma, Paulinho.

    É um documento histórico.

    http://spfcpedia.blogspot.com.br/2008/02/carta-octvio-muniz.html

    “Octávio Muniz era repórter de campo da Rádio Panamericana em 1954. Esteve na transmissão do jogo final do Campeonato Paulista de 1953, realizada no começo do ano seguinte. Trabalhou ao lado do narrador, “speaker” na época, Pedro Luiz.

    Não sei o que tão especial Muniz fez nessa partida para merecer tamanha honra do presidente do São Paulo, Cícero Pompeu de Toledo, mas detalhe importante: Muniz era corinthiano.

    Outra pequena curiosidade reparada: O Clube teve sede na Av. Ipiranga, coisa que nunca vi documentarem por ai.”

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

×
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: