Advertisements

Ídolos sem coluna

Da “FOLHA”

Por JUCA KFOURI

“Contamos nos dedos das mãos os ídolos esportivos brasileiros com postura cidadã”

CRESCI OUVINDO dizer que de Pelé deveríamos exigir o que fazia nos gramados e que não se deveria esperar nada além disso. Não era uma crítica ao Rei, era uma atenuante, um gesto de compreensão.

Pelé chegou a ministro, deixou uma lei que foi um avanço e se perdeu em seguida num acordo espúrio com os cartolas que havia ajudado a deixar de joelhos e sem oxigênio.

Negócios, negócios, negócios.

Ronaldo Fenômeno fez o que fez dentro de campo, ameaçou uma postura crítica no fim da carreira e voltou aos braços da cartolagem predadora.

Neymar segue o bloco.

Talvez seja até cruel esperar algo diferente dele além de uma platitude qualquer sobre os que infelicitam nos bastidores o nosso futebol.

Por que quantos são os nossos ídolos do futebol que assumiram, enquanto jogavam ou depois, uma atitude de ruptura com os desmandos da superestrutura de nosso esporte?

Procure e constate que você conta nos dedos – e, se duvidar, de uma mão.

Millôr Fernandes já ensinou que quem se curva diante dos poderosos mostra o traseiro para os oprimidos, e a falta de coluna, a vertebral, é, de fato, o maior problema de nossos ídolos, além da ignorância.

E vamos nós de Afonsinho, o libertário que se insurgiu contra a Lei do Passe, ganhou a guerra na Justiça e foi marginalizado pelos cartolas.

E de Tostão -que, além da vertebral, tem a estupenda coluna que tem no jornal.

E de Sócrates.

Por coincidência, ou melhor, não por coincidência, todos médicos, bem formados, cidadãos brasileiros sem rabo preso com ninguém.

Claro, houve outros rebeldes e ainda os há, como Paulo César Caju, como Walter Casagrande Júnior, mas que pouco discutem o poder.

Como há um Raí, recentemente agraciado com o Laureus pelo que faz em sua ótima ONG Gol de Letra e, além do mais, um dos cabeças do movimento Atletas pela Cidadania.

Só que a ruptura com o que aí está passa ao largo das ações concretas dessas iniciativas, belas, sem dúvidas, mas que dão um boi para não entrar numa briga e uma boiada para não brigar. E os clubes?

O SILÊNCIO DOS CULPADOS

Os clubes nada têm de inocentes. A tudo veem calados, acovardados como vaquinhas de presépio indo para o corte. Ou para a corte.

Facebook Comments
Advertisements

28 comentários sobre “Ídolos sem coluna

  1. Mauricio

    Desculpa, mas escrever uma coluna dessas e nao falar do Romario e o que ele esta fazendo seria como pedir um cachorro quente com salsicha.

    Alias o Juca poderia escrever dos 2 penaltis em 3 dias contra o Palmeiras que o tiraram da lideranca e o derrubaram para a 3a colocacao. Esta mais atual que 1968, e ele ate que poderia fazer tal post…fosse outro o lider.

  2. wilson

    ROMARIO SO VAI PARAR DE FALAR QUANDO ESTIVER NO PODER. POR MAIS QUE O RONALDO TA FAZENDO ISSO , ACHO ELE MENOS PIOR QUE PELÉ, O PELÉ É UM INVEJOSO, ELE ACHA QUE NINGUEM DEVE CHEGAR AONIVEL DELE. SEMPRE CRITICA DE FORMA INVEJOSA, ALGUM CANDIDATO A IDOLO NO FUTEBOL. PELÉ JOGOU MUITA BOLA SIM, MAS SERÁ QUE ELE MARCARIA MIL GOLS COM UMA MARCAÇÃO IGUAL TA HOJE???

  3. Amanda

    Paulinho:
    O Paulo César Caju denunciou (em livro que lançou) que o Grêmio jogou dopado contra o Hamburgo pela Copa Intercontinental; depois Caju sofreu pressão e deu pra trás (retirou do livro o Capítulo sobre o assunto). Trocando em miúdos: “o Caju não teve aquilo roxo!”

    PAULINHO:
    O PAULO CÉSAR CAJU DENUNCIOU (EM LIVRO QUE LANÇOU) QUE O GRÊMIO JOGOU DOPADO CONTRA O HAMBURGO PELA COPA INTERCONTINENTAL; DEPOIS CAJU SOFREU PRESSÃO E DEU PRA TRÁS (RETIROU DO LIVRO O CAPÍTULO SOBRE O ASSUNTO). TROCANDO EM MIÚDOS: “O CAJU NÃO TEVE AQUILO ROXO!”

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: