Advertisements

Palavra do Magrão

 

Não interessa a ninguém

Por SÓCRATES

http://www.cartacapital.com.br/app/coluna.jsp?a=2&a2=5&i=3882

Ao acompanhar as reações de quase todos em relação ao episódio envolvendo o atacante Adriano, diante da notícia de seu afastamento por estar insatisfeito com os rumos de sua vida, lembrei-me de quando resolvi abandonar a minha aventura italiana.

Até hoje, acreditem, muitos consideram um absurdo minha decisão de voltar para a minha terra e o meu povo, deixando por lá um caminhão de dinheiro, algo em torno de 1 milhão e meio de dólares americanos. São os mesmos que jamais conseguirão entender que morar em Florença, o berço da Renascença, tomar na hora em que quiser um dos melhores vinhos do mundo, o Chianti, comer uma suculenta bisteca à Fiorentina, quando, como e onde preferir. Ou visitar cotidianamente, se conseguir, a galeria Degli Ufizzi e ver de perto o original da escultura Davi, de Michelangelo, e mil outras obras de arte. Jantar em um restaurante chiquérrimo na Piazzale, batizada com o nome do mestre, visitar as ruínas da civilização etrusca em Fiesole. Tudo isso ou ainda qualquer outro atrativo é NADA comparado ao que chamamos de felicidade.

Felicidade não é ter, e, sim, ser. É um estado de espírito e uma série de sentimentos concomitantes em que predominam a paz interior e a alegria de se sentir vivo e sabedor do que e de para que estamos aqui. Para tanto, temos de estar onde nos sentimos bem, com quem nos faz bem, envoltos em uma bruma que nos afague e acaricie e nos complete.

Felicidade está no sorriso de uma criança, bem ou malvestida, bem ou mal alimentada. Não em uma bolsa Louis Vuitton ou em um perfume igualmente francês. Felicidade está em sentir o frescor da brisa marinha ao lado da mulher ou do homem amado, caminhando despreocupadamente pela areia banhada pela água salgada. E não nas inúmeras horas passadas no cabeleireiro, falando mal dos outros e maquiando a si próprio. Ou apenas no prazer de se deleitar na leitura de um bom livro, ouvindo uma linda música. Ou em uma gostosa gargalhada escutada a dezenas de metros.

É certo que vivemos em uma sociedade viciada em consumo e que muitos dos que dela fazem parte pouco estão se lixando com a tal da felicidade.

Encontramos, justamente por esse motivo, tanta gente infeliz, mal-amada, mascarando o seu dia a dia, para, quem sabe, nele achar alguma coisa de útil ou prazeroso. Também é por isso que o amor pelos outros parece definitivamente em extinção, pois já não vemos um cavalheiro levantar para dar lugar a uma pessoa de idade, muito menos para uma dama jovial nos metrôs da vida.

Daí, contudo, a ficarem estarrecidos com a opção de um indivíduo em busca da felicidade é uma demonstração de acomodação completa com a própria escolha, o que os torna incapazes de enxergar a grandiosidade do gesto. Além do que, ele pode estimular pelo menos uma reflexão crítica das futuras gerações para, eventualmente, estas optarem por um comportamento mais realista e mais humano.

No entanto, para um fato como esse tornar-se uma ferramenta de educação social é preciso contemplar os dois lados da questão. Que se analisem com isenção os prós e contras de atitude tão radical. Respeitando-se, claro, as decisões pessoais, pois estas são indiscutíveis. Assim como Leandro decidiu não viajar para a Copa do Mundo realizada no México, jogando pela janela tudo o que conquistara e o futuro na profissão, em solidariedade ao colega Renato Gaúcho, que com ele havia ferido o dogma da “concentração-prisão” em determinada situação.

Solidariedade é uma ação comportamental que deveria ser eternamente valorizada, para o bem das relações sociais. E apenas energúmenos podem declinar de utilizar exemplos públicos como este para difundi-la no seio da sociedade. E foi o que infelizmente aconteceu.

A maior parte da mídia e, consequentemente, das pessoas que engolem qualquer “sapo” vindo da mesma sem ao menos usufruir de uma visão crítica – eternamente escondida no fundo de algum porão de suas personalidades – difundiu o episódio como se fosse um caso de homossexualismo barato, rebaixando-o ao menor nível possível, como é praxe dos preconceituosos e racistas, para não falar de coisa pior.

Deixemos, pois, Adriano seguir o caminho escolhido. Só a ele cabe essa decisão. Não divaguemos pelo desconhecido da especulação maldosa e vil, numa tentativa de arrasar um ser humano só porque este tomou uma estrada que causa aversão a tantos, já que não lhes foi dado o prazer de conhecê-la. Somos poucos, mas ainda acreditamos que viver bem passa necessariamente pela felicidade que podemos conquistar.

Facebook Comments
Advertisements

10 comentários sobre “Palavra do Magrão

  1. euclydes zamperetti fiori

    Belissimo texto, composto de verdades profundas, postado por pessoa inteligente que viveu e vive nos bastidores futebolistico e politico deste Brasil, brasileiro.
    zamperetti fiori
    cidadão e,
    ex-árbitro de futebol

  2. Carlos Almeida

    Concordo com o Magrão e cada um toma a decisão que melhor lhe aprouver. Mas as notícias desta semana, mostra bem o carater das coisas. Enviado a Milão, para resolver o problema do jogador com a Inter e em especial a sua rescisão contratual, o empresário Gilmar Rinaldi ofereceu as condições para que tal acontecesse; o pagamento da Inter ao jogador de 2 milhões de euros. O empresário foi tocado literalmente de lá sob a alegação (correta) de que a iniciativa partiu do jogador e que ele seria demitido por justa causa. É Magrão, mais um brasileiro querendo dar um golpe num time do exterior.

  3. Carlos Moraes

    Sócrates, um gênio dentro e fora dos gramados. Fã de carteirinha no. 1 do Dr.; já conversamos uma ocasião em Ribeirão e ele é mais que gênio; Sócrates é um diferencial, uma referência, com seus erros e acertos…..

  4. Luis Oliveira

    Magrão sabe das coisas

    Como craque que foi dentro de campo cada vez mais ele se mostra um fora de série no trato com as palavras.

    Tem uma história curiosa: essa história da Florentina ao qual o Magrão se refere é de um momento em que a carreira dele começava a dar sinais de crise.

    Apesar de ser capitão e titular da Seleção, o Magrão não se adaptou ao futebol italiano.

    No programa Provocações da Tv Cultura, o Abujamra falou isso pro Socrates e o Magrão demonstrou um certo desconforto com a idéia de que não tenha dado certo na Itália. Em seguida, ele contou uma história de provável suborno, onde o treinador chegou no vestiário e disse para os jogadores “o jogo hoje será 0x0.”

    Magrão fala: ” Nãooooooo. Se sobrar a bola prá mim eu vou fazer gol.”

    Dito e feito: ao final do primeiro tempo o Sócrates não recebeu um passe.

    Menos de um ano depois, Sócrates voltava ao Brasil para defender o Flamengo. O Magrão retornou ao país dentro do pacote do famoso projeto Zico, que buscava repatriar o galinho e, de quebra, levou o doutor prá Gávea.

    Essa já é uma outra história….

    Paulinho, lembro de ter lido na biografia do Juca Kfouri, o Militante da Notícia, que ele, Juca, estava preparando uma biografia do Sócrates. Será que esse projeto ainda está de pé?

    Pôxa, o Magrão mais do que merece uma biografia, como também um documentário da sua carreira.

    As novas gerações, ávidas por belos lances, agradeceriam muito.

  5. daniel rodrigues

    paulinho,
    uma beleza vc ter publlicado uma visão tao mais humana do que as tantas outras que vi nesse blog. isso mostra uma grandeza incrível de sua parte, muito embora esse outro lado só tenha sido mostrado após declaração de um homem do porte do magrão. assim mesmo, é essse o papel do jornalista, dar voz aos dois lados ou pelo menos ser honesto, já que não necessariamente são concomitantes.
    parabéns paulinho,
    abraço forte!

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: