Advertisements

Intermediação do patrocínio

O contrato entre Palmeiras e Samsung foi fechado recentemente por R$ 15 milhões anuais.

O negócio foi apresentado por Carla Dualib, conselheira do Corinthians.

A oposição palmeirense chiou e considerou uma afronta.

Dirigentes da atual direção não confirmam, mas nos bastidores já preparam discurso de que uma coisa nada tem a ver com a outra.

Que a relação foi apenas profissional.

Vale lembrar que foi Carla Dualib que levou a Samsung para o Corinthians.

O blog tem uma opinião formada.

E ela é a favor da atual diretoria palmeirense.

No Corinthians havia motivos para que se torcesse o nariz.

Ela era a neta do presidente.

Não há motivos para que ela deixe de intermediar negócios com outras equipes.

Desde que, é claro, os documentos sejam jogados à mesa.

Sempre às claras.

O que não pode é negar ou esconder a relação.

Isso sim, pode gerar dúvidas.

Facebook Comments
Advertisements

23 comentários sobre “Intermediação do patrocínio

  1. Kiko

    A informação dada pelo Paulinho procede é verdadeira.

    O negócio foi fechado da seguinte forma:
    – Peito da camisa, valor R$ 12 milhões – 10% de comissão , valor liquido= R$ 10.800
    – A partir de maio serão mais R$ 3 milhões – 10% de comissão referente a manga , valor liquido R$ 2.7 milhões.
    – Valor total do patrocionio (liquido) R$ 13.500 milhões ao mês.

    A Sansung e a Suvinil são contas que pertencem a Carla Dualib , ela administra as verbas de patrocinio dessas empresas , diga-se de passagem a Carla é muito competente em seu trabalho, haja visto que conseguiu colocar os ex patrocinadores do Corinthians em seu rival que por sua vez estava estava com dificuldades para conseguir um substituto para a FIAT.

  2. Flávio

    Não ficou muito claro, para mim, a posição do blog.

    O trabalho da Carla Dualib no Palmeiras está OK, e no Corinthians não estava, pelo fato de ela ser parente do presidente?

    O problema é, então, o nepotismo?

    O que falar então do recente relacionamento do São Paulo com a Habib’s, e o não tão recente relacionamento do mesmo clube com uma companhia aérea – em ambos os casos, fruto da intermediação de parentes próximas de membros da diretoria do clube do Jd. Leonor?

  3. Thiago Amorim

    Acredito que essa atual direção do Palmeiras joga limpo e o interesse de Carla foi profissional.

  4. Carlos Augusto

    É o Palmeirinthians em campo , tudo farinha do mesmo saco , mesmo nivel de diretorias, ações semelhantes , muitas mentiras , tôdos com os mesmos propósitos , darem a vida pelo clube. ehehhehehehhehe!!!!!
    Resta apenas uma pergunta: Será que a Carla tem algum sócio verde nesse negócio?

  5. Marcos

    É isso aí, Paulinho. Está tudo absolutamente com os excelentes negócios que o Palmeiras vêm celebrando nesta gestão. A oposição palmeirense é composta de gente mal intencionada e corrupta. Eles não têm a mínima moral pra falar nada. Se tivessem um pouquinho de vergonha na cara ficariam quietos.

    Esses incompetentes anti-palmeirenses ficaram chateados pelos excelentes contratos que o Belluzzo obteve, os 9 milhões-ano da Adidas, os 15 milhões-ano da Samsung, a parceria com a WTorre, a parceria com a Visa, a parceria com a Traffic e com a Turbo Sports.

    Como os corruptos vão perder a eleição, começaram a apelar. Não tem nada a ver essa conversa de Carla Dualib. Ela é publicitária, competente, e tem um escritório de marketing esportivo.

    Se esses corruptos vagabundos quiserem falar sobre alguma coisa, deve ser o escândalo daquele conselheiro que foi pego trabalhando como cambista, ou daquele outro conselheiro safado que furtou documentos do clube e que criou a lista negra. Ou ainda deveriam explicar porque o Palmeiras deu o Euller de graça para o Vasco em 2001. Ou porque abriu mão de disputar o Mundial da FIFA de 2000, abrindo mão da vaga em favor do Vasco. Ou a nebulosa Palmeiras SA, criada em 2000. Ou o suspeitíssimo Palmeiras do Nordeste. Poderiam explicar tb o rebaixamento de 2002 e porque o Palmeiras ficou sem ganhar títulos desde a saída da Parmalat até o início DESTA ATUAL GESTÃO.

  6. Marcos

    Pra terminar, AFRONTA mesmo foi abrir mão da vaga no Mundial de 2000.

    Se o Corinthians é campeão mundial de 2000, a culpa é toda de mustafá contursi e de seus pilantras amestrados.

  7. Raphael SCCP

    Quando Carla levou a conta da Sansung para o Timão , houve a maior briga com o Kia , motivo: O Kia queria a comissão pra ele , é mole?

  8. Palestrino

    Pra mim dirigente e time que contrata o Vanderlei Luxemburgo é no mínimo suspeito , o diretor demissionario de marketing do Palmeiras o competente Dr. Carlos Mira que o diga, aquilo que chamam de diretoria não passa de um balaio de gatos , inclusive o Beluzzo que trouxe a idônea e honesta WTORRE para o palestra.

  9. EÐUARÐO 6-3-3

    CAMPANHA PARMERA E CURINTIA UNIDOS, TA FICANDO SEM GRAÇA. NOSSOS RIVAIS SÃO RIDICULOS. EU TENHO UMA EMPRESA E OS FUNCIONÁRIOS MENOS QUALIFICADOS SÃO CURINTIANOS OU PERIQUETES E QUANDO O TIME DELES PERDE NÃO RENDEM NADA NO TRABALHO, FICAM SEM MOTIVAÇÃO NENHUMA, OU SEJA 99% DO ANO ELES ESTÃO TRABALHANDO PATETICAMENTE ASSIM COMO O CLUBE QUE TORCEM, ENTÃO RESOLVI FAZER UMA PROPOSTA QUE ELES GOSTARAM BASTANTE.

    Olá, tri-hexacampeões brasileiros.

    Em virtude da larga superioridade do São Paulo FC frente aos demais adversários e, principalmente, em relação aos seus dois co-irmãos invejosos, Palmeiras e Corinthians, gostaria de propor uma “fusão” entre estes dois times nos mesmos moldes daquilo que aconteceu entre o Colorado e o Pinheiros.

    Ali, nascia o atual Paraná Clube de Curitiba (PR).

    Sempre achei Palmeiras e Corinthians parecidíssimos.

    A única coisa que distinguia estes dois times era a cor da camisa, pois de resto sempre foram iguais. Uma espécie de alma gêmea…

    Seguem abaixo alguns exemplos desta cumplicidade, ou coincidência, se assim acharem melhor:

    – Dizem que o Palmeiras é dissidente do Corinthians.

    – Os dois “morrem” de inveja do sucesso do São Paulo.

    – Dizem que o clássico entre eles é o de maior rivalidade. O que concordo plenamente (afinal, a rivalidade do São Paulo é contra times como Boca, Milan, Real Madrid, Barcelona, Liverpool e etc).

    – Devido à falta de competência os dois times acima citados adoram uma parceria: Parmalat, Banco Excel, MSI, Traffic e etc.

    – Os dois clubes adoram “morrer abraçados”.

    – O Palmeiras frequentou a Segunda Divisão por duas vezes na década de 80 (Taça de Prata).

    – O Corinthians frequentou a Segunda Divisão uma vez na década de 80 (Taça de Prata).

    – O Palmeiras frequentou a Segunda Divisão uma vez na década de 2000 (Série B em 2004)

    – O Corinthians frequentou a Segunda Divisão uma vez na década de 2000 (Série B em 2008).

    – O Palmeiras conseguiu ficar “na fila” por 16 anos (de 1977 a 1992) e só saiu graças à ajuda de “terceiros”, como Parmalat.

    – O Corinthians conseguiu ficar “na fila” por 22 anos (de 1955 a 1976) e só saiu graças à ajuda de “terceiros”. Aqui, leia-se: Ruy Rey, em 1977, Márcio Rezende de Freitas, em 1999 e Márcio Rezende, de novo, em 2005 (naquele pênalti escandaloso não marcado no Tinga).

    – O Palmeiras só ganhou uma Libertadores graças a ajuda de “terceiros”, leia-se: Parmalat.

    – O Corinthians não ganhou nenhuma Libertadores. Nem com a ajuda de “terceiros”.

    – O Palmeiras não ganhou nenhum Mundial. Nem com a ajuda de “terceiros”, leia-se: Parmalat.

    – O Corinthians conseguiu ganhar um “1/2 Mundial” graças à ajuda de “terceiros”, leia-se: CBF, bastidores, falcatruas, parceiro, regulamento esdrúxulo, gol irregular, Vasco, Eurico Miranda e mais uns dez itens que me esqueci.

    – A maior goleada da história registrada no antes “clássico” entre São Paulo x Palmeiras foi 6×0 para o São Paulo.

    – A maior goleada da história registrada no antes “clássico” entre São Paulo x Corinthians foi 6×1 para o São Paulo.

    – O Palmeiras possui um pequeno estádio de nome Parque Antártica, que é menor do que o estádio Santa Cruz ,do Botafogo de Ribeirão Preto, só para citar um exemplo.

    – O Corinthians possuiu um pequeno estádio de nome Parque São Jorge, que é menor do que o estádio do Juventus, na Rua Javari.

    – Quando precisam contratar algum jogador, Palmeiras e Corinthians preferem aguardar o interesse do São Paulo, para depois tentar a contratação do atleta, economizando “olheiros” e gente capacitada para isso.

    – Os dois clubes já tentaram algumas vezes copiar o “modelo” São Paulo FC, sem sucesso algum.

    – Como os torcedores destes dois times não possuem qualquer argumento para discutir futebol com os são-paulinos, sempre saem pela tangente nos chamando de “bambis”, comportando-se como crianças na época do “Primário Escolar”.

    Pois é. Independentemente de ser coincidência ou não, a semelhança entre estes dois times chega a ser brutal! E por este motivo, gostaria de sugerir aos seus respectivos dirigentes e torcedores esta “fusão” para torná-los mais fortes e competitivos.

    Claro que mesmo assim a superioridade do São Paulo, principalmente em nível internacional, continuaria gigantesca, mas com certeza poderíamos ter um pouco mais de equilíbrio em nível estadual e nacional.

    Quanto ao nome deste novo clube, sem pretensão alguma, mas já aproveitando a “deixa”, acho que não seria difícil, pois bastaria juntar as três primeiras letras de um time com a do outro. “Palcor” ou “Corpal”, por exemplo.

    Talvez provocasse certa briga ou discussão por parte de seus dirigentes e torcedores, para escolherem de qual time viriam as três primeiras letras do novo nome. Mas, novamente sem pretensão alguma e aproveitando a “deixa”, acredito que este problema seria facilmente contornado através de um sorteio.

    O único problema é que este “sorteio” não poderia ser feito através de uma “moeda” no famoso “cara ou coroa”, pois, certamente, ela cairia em pé, como sempre tem caído ao longo dos anos (se alguém não souber o que significa o termo “a moeda caiu em pé”, perguntem aos são-paulinos, que eles responderão).

    Novamente sem pretensão alguma, gostaria de aproveitar mais esta “deixa”, para resolver mais esta questão. Bastaria um simples par ou ímpar, palitinhos, etc… Isso não seria um problema!

    Finalmente palmeirenses e corintianos poderiam vangloriar-se de também serem “tricolores”, pois com esta “junção”, a cor da camisa de seu novo clube, automaticamente seria: preta, verde e branca.

    Espero que tenha contribuído para a melhora de nossos co-irmãos e para que, finalmente, tenhamos um pouco mais de equilíbrio nos campeonatos estaduais e nacionais.

    Este é o desejo de nós, são-paulinos, para os nossos co-irmãos neste ano de 2009. Caso os outros clubes brasileiros queiram aderir a esta idéia, seguem abaixo, novas propostas de fusões:

    – Flamengo e Fluminense (Flaflu ou Flufla)
    – Vasco e Botafogo (Vasfogo ou Botasco)
    – Cruzeiro e Atlético (Crutlético ou Atlecru)
    – Grêmio e Internacional (Grenal ou Intermio)
    – Santos e Portuguesa Santista (Sampor ou Porsan)
    – Atlético PR e Coritiba (Atletiba ou Coxapatético)

    Feliz Ano Novo!
    Saudações hexa-tricolores!!!

  10. Leao

    A idéia do nepotismo é o que afetou a relação Carla-Corinthians. Parece-me que a forma como está sendo feita pelo Palmeiras está correta. No time da Vila Sônia ninguém fala nada do Habbib’s por uma questão de acerto com a imprensa. Por outro lado, não dá ibope. Você noticia, e como poucos leem, a imprensa não tem tanto interesse. Cai no ostracismo. No Corinthians a coisa rende. Vira manchete. Arrasta-se por meses. Fazer o que? Quem é grande tem de sofrer.

  11. Leao

    O Corinthians continua sem patrocínio. Continua dando um ibope danado para a Rede Globo. Foram 21 pontos no sábado na apresentação do Gordo e Cia. Desta vez o Marketing está de parábens. Deu uma aula aos demais. Lembram-se da apresentação do Adriano? Ou o SPFC não soube capitalizar ou não houve interesse suficiente das emissoras de TV. Ás apresentações do Gordo foram em estádio aberto. Uma na Fazendinha e outra no Pacaembu. A Rede Globo agradece. Vi em algum site que foram 2 Milhões de patrocínio no amistoso. É mais um campeão de audiência. Este ano o clássico Corinthians-Palmeiras promete. Vai render muito ibope para a TV. Afinal, este é o clássico que mais movimenta a cidade de SP.

  12. Bernardo

    Só vale se os documentos forem jogados à mesa? Então cadê o contrato da LG com o SPFC?

  13. Marcos

    Hoje, estreou o programa ” No Pique ” do excelente Avallone e lá o Cassiano Ricardo ( um dos integrantes, ao lado de Marília Ruiz e Alex Miller ) declarou que o contrato com a Samsung seria, na verdade, de 18 milhões de reais. 15 milhões em dinheiro e mais 3 em ações de marketing.

    Um dos convidados foi o excelente Belluzzo ( o outro foi o lamentável Frizzo, que, como já era de se esperar, não falou nada que prestasse ). O grande Belluzzo declarou: ” não adianta as pessoas ficarem torcendo contra, porque a Arena Palestra Itália vai mesmo sair “. E informou que no 2º semestre deste ano começam as obras no estádio.

  14. Marcos

    O PLACAR GERAL DAS DECISÕES INDICA UMA GRANDE GOLEADA ALVIVERDE CONTRA O TIME DE JARDIM LEONOR – PALMEIRAS 6×3 SPFC

    Amigos blogonautas, tendo-se em vista que ” torcedores ” do time sem data de aniversário, a saber, o time dos vira-casacas ( conforme o livro Veneno remédio – o futebol e o Brasil – página 36 ), andam publicando, indevidamente, equivocado histórico das decisões entre o Palmeiras e tal agremiação obscura, venho, por meio desta mensagem, resgatar a verdade e a realidade histórica dos fatos.

    Ao longo da história, o Palmeiras e o time dos vira-casacas sem aniversário se enfrentaram em 9 jogos decisivos, ou seja, que decidiram títulos. Em outras palavras, em 9 oportunidades, os dois times se enfrentaram numa situação em que, ao final destas partidas, um dos dois se tornaria campeão. Abaixo, está a relação de todos eles, sendo que o Palmeiras ganhou 6 e a agremiação menor ganhou apenas 3 títulos após tais confrontos.

    1) Palestra Itália 1×0 SPFC – Campeonato Paulista de 1933

    2) Palestra Itália 4×1 SPFC – Campeonato Paulista de 1940

    3) Palmeiras 3×1 SPFC – Campeonato Paulista de 1942

    4) SPFC 1×0 Palmeiras – Campeonato Paulista de 1946

    5) Palmeiras 1×1 SPFC – Campeonato Paulista de 1950

    6) SPFC 1×0 Palmeiras – Campeonato Paulista de 1971

    7) Palmeiras 0x0 SPFC – Campeonato Paulista de 1972

    8 ) SPFC 2×1 Palmeiras – Campeonato Paulista de 1992

    9) Palmeiras 0x0 SPFC – Campeonato Brasileiro de 1973

    Em suma, o Palmeiras ganhou sobre o SPFC o Campeonato Brasileiro de 1973 e os Campeonatos Paulistas de 33, 40, 42, 50 e 72. O inverso aconteceu em 46, 71 e 92. Então, o placar geral das decisões indica uma boa goleada alviverde: Palmeiras 6×3 SPFC.

    É importante destacar duas decisões: 1971 e 1942. Em 1971, o SPFC ganhou graças a um gol legítimo que foi roubado do Palmeiras, tantas vezes comentado e reprisado nos programas esportivos. O título paulista de 1971 faz jus às tradições são paulinas de ganhar sempre com roubo e ajuda da arbitragem; portanto, podemos dizer que este de 1971 é o típico título são paulino. Por outro lado, a decisão do Paulista de 1942 foi a primeira partida em que o ex-Palestra Itália fez com o seu novo nome, Palmeiras. Nesta, o Palmeiras ganhava por 3 a 1 e poderia ampliar o placar, pois iria cobrar um pênalti. Foi quando o SPFC FUGIU de campo, pra evitar a humilhação de uma goleada. À época, a fuga covarde do time sem aniversário foi amplamente satirizada e, de forma bem humorada, relacionada ironicamente com a sua sigla, a qual, devido ao fato inusitado, passaria a significar “ Somos Pernetas Fugimos de Campo ”.

    Notamos, ao menos, uma melhora, ainda que precária, na condição moral desta agremiação. É que, em 16 de março de 2008, este mesmo time apanhou de 4 a 1 ( inclusive, com direito a sofrer gol de pênalti nos momentos finais ) deste mesmo Palmeiras e, mesmo levando baile e tomando “ olé ”, permaneceu em campo até o apito final.

    PS: E se aparecer alguém pra contestar as verdades históricas que estão relacionadas acima, fica registrado que as informações referentes aos confrontos decisivos Palmeiras x SPFC foram extraídas do livro “ A História do Campeonato Paulista ”, da Publifolha, cujos autores são Valmir Storti e André Fontenelle. Ou seja, está tudo comprovado documentalmente, segundo a melhor obra acerca do tema.

    ABAIXO, ESTÃO AS FICHAS DE ALGUMAS DESTAS FINAIS HISTÓRICAS, INCLUSIVE O JOGO ROUBADO DE 1971

    08/12/1940 – PALESTRA ITÁLIA 4 x 1 SÃO PAULO – CAMPEONATO PAULISTA
    Estádio Municipal Paulo Machado de Carvalho – Pacaembú – São Paulo / SP – Brasil
    Árbitro: Elpídio Fiorda
    Palestra Itália (São Paulo/SP): Gijo, Carnera, Junqueira, Carlos, Oliveira, Del Nero, Luizinho, Canhoto, Etchevarrieta, Lima, Pipi – Técnico: Caetano de Domênico
    São Paulo (São Paulo/SP): Pedroza, Juarez, Squarza, Felipelli, Lola, Orozimbo, Mendes, Jofre, Hemédio, Remo, Paulo
    Gols: Pipi (Palestra Itália), 13 min, Etchevarieta (Palestra Itália), 44 min primeiro tempo, 8 min, Luizinho (Palestra Itália), 31 min, Hemédio (São Paulo), 44 min segundo tempo

    20/09/1942 – PALMEIRAS 3 x 1 SÃO PAULO – CAMPEONATO PAULISTA
    Estádio Municipal Paulo Machado de Carvalho – Pacaembú – São Paulo / SP – Brasil – Público: 55.913 pagantes – Renda: 231:239$000
    Árbitro: Jaime Janeiro Rodrigues
    Palmeiras (São Paulo/SP): Oberdan, Junqueira, Begliomini, Zezé Procópio, Og Moreira, Del Nero, Cláudio, Waldemar Fiúme, Villadoniga, Lima, Echevarrieta – Técnico: Armando Del Debbio
    São Paulo (São Paulo/SP): Doutor, Piolin, Virgílio, Lola, Noronha, Silva, Luizinho, Waldemar de Brito, Leônidas, Remo, Pardal – Técnico: Vicente Feola
    Expulsão: Virgílio (São Paulo)
    Gols: Cláudio (Palmeiras), 19 min, Valdemar de Brito (São Paulo), 23 min, Virgílio (São Paulo) (contra), 43 min primeiro tempo, Echevarrieta (Palmeiras), 14 min segundo tempo

    27/06/1971 – PALMEIRAS 0 x 1 SÃO PAULO – CAMPEONATO PAULISTA
    Estádio Cícero Pompeu de Toledo – Morumbi – São Paulo / SP – Brasil – Horário: 16h00 – Público: 103.887 pagantes – Renda: Cr$ 913.196,00
    Árbitro: Armando Marques (SP)
    Palmeiras (São Paulo/SP): Leão, Eurico, Luís Pereira, Minuca, Dé, Dudu, Ademir da Guia, Edu, Leivinha, César, Pio (Fedato) – Técnico: Mário Travaglini
    São Paulo (São Paulo/SP): Sérgio, Forlan, Jurandir, Arlindo, Gilberto, Édson, Gérson, Pedro Rocha (Carlos Alberto), Terto, Toninho Guerreiro, Paraná – Técnico: Osvaldo Brandão
    Cartões vermelhos: Fedato, Eurico (Palmeiras)
    Gol: Toninho Guerreiro (São Paulo), 6 min primeiro tempo

  15. Ricardo Lopes - Original

    O ùnico laudo feito, mostra que o gás não veio de fora.

    O resto é apenas um factoíde lançado pela mídia oficial do SP, o Díario Lance.

  16. Ricardo Lopes - Original

    Carla Dualib, quem ?????????????????????????????????

    “A crise existe, mas o momento de crise é de oportunidade para as grandes empresas crescerem e as pequenas caírem.

    O investimento no esporte faz parte da nossa política e no caso do Palmeiras é um investimento selecionado.

    É uma mídia espontânea que sempre colabora para nossa empresa”, discursou José Roberto Ferraz de Campos, vice-presidente executivo da Samsung no Brasil, que garante que o novo contrato não teve nenhum envolvimento de Carla Dualib, neta do ex-presidente corintiano Alberto Dualib.

    “Nem a conheço. E a Samsung negocia diretamente com o clube, sem intermediários”, assegurou.

    Cadê a Carla?????????? ninguém sabe, ninguém viu.

  17. peterson

    PLACAR GERAL DAS DECISÕES INDICA UMA GRANDE GOLEADA ALVIVERDE CONTRA O TIME DE JARDIM LEONOR – PALMEIRAS 6×3 SPFC

    Amigos blogonautas, tendo-se em vista que ” torcedores ” do time sem data de aniversário, a saber, o time dos vira-casacas ( conforme o livro Veneno remédio – o futebol e o Brasil – página 36 ), andam publicando, indevidamente, equivocado histórico das decisões entre o Palmeiras e tal agremiação obscura, venho, por meio desta mensagem, resgatar a verdade e a realidade histórica dos fatos.

    Ao longo da história, o Palmeiras e o time dos vira-casacas sem aniversário se enfrentaram em 9 jogos decisivos, ou seja, que decidiram títulos. Em outras palavras, em 9 oportunidades, os dois times se enfrentaram numa situação em que, ao final destas partidas, um dos dois se tornaria campeão. Abaixo, está a relação de todos eles, sendo que o Palmeiras ganhou 6 e a agremiação menor ganhou apenas 3 títulos após tais confrontos.

    1) Palestra Itália 1×0 SPFC – Campeonato Paulista de 1933

    2) Palestra Itália 4×1 SPFC – Campeonato Paulista de 1940

    3) Palmeiras 3×1 SPFC – Campeonato Paulista de 1942

    4) SPFC 1×0 Palmeiras – Campeonato Paulista de 1946

    5) Palmeiras 1×1 SPFC – Campeonato Paulista de 1950

    6) SPFC 1×0 Palmeiras – Campeonato Paulista de 1971

    7) Palmeiras 0×0 SPFC – Campeonato Paulista de 1972

    8 ) SPFC 2×1 Palmeiras – Campeonato Paulista de 1992

    9) Palmeiras 0×0 SPFC – Campeonato Brasileiro de 1973

    Em suma, o Palmeiras ganhou sobre o SPFC o Campeonato Brasileiro de 1973 e os Campeonatos Paulistas de 33, 40, 42, 50 e 72. O inverso aconteceu em 46, 71 e 92. Então, o placar geral das decisões indica uma boa goleada alviverde: Palmeiras 6×3 SPFC.

    É importante destacar duas decisões: 1971 e 1942. Em 1971, o SPFC ganhou graças a um gol legítimo que foi roubado do Palmeiras, tantas vezes comentado e reprisado nos programas esportivos. O título paulista de 1971 faz jus às tradições são paulinas de ganhar sempre com roubo e ajuda da arbitragem; portanto, podemos dizer que este de 1971 é o típico título são paulino. Por outro lado, a decisão do Paulista de 1942 foi a primeira partida em que o ex-Palestra Itália fez com o seu novo nome, Palmeiras. Nesta, o Palmeiras ganhava por 3 a 1 e poderia ampliar o placar, pois iria cobrar um pênalti. Foi quando o SPFC FUGIU de campo, pra evitar a humilhação de uma goleada. À época, a fuga covarde do time sem aniversário foi amplamente satirizada e, de forma bem humorada, relacionada ironicamente com a sua sigla, a qual, devido ao fato inusitado, passaria a significar “ Somos Pernetas Fugimos de Campo ”.

    Notamos, ao menos, uma melhora, ainda que precária, na condição moral desta agremiação. É que, em 16 de março de 2008, este mesmo time apanhou de 4 a 1 ( inclusive, com direito a sofrer gol de pênalti nos momentos finais ) deste mesmo Palmeiras e, mesmo levando baile e tomando “ olé ”, permaneceu em campo até o apito final.

    PS: E se aparecer alguém pra contestar as verdades históricas que estão relacionadas acima, fica registrado que as informações referentes aos confrontos decisivos Palmeiras x SPFC foram extraídas do livro “ A História do Campeonato Paulista ”, da Publifolha, cujos autores são Valmir Storti e André Fontenelle. Ou seja, está tudo comprovado documentalmente, segundo a melhor obra acerca do tema.

    ABAIXO, ESTÃO AS FICHAS DE ALGUMAS DESTAS FINAIS HISTÓRICAS, INCLUSIVE O JOGO ROUBADO DE 1971

    08/12/1940 – PALESTRA ITÁLIA 4 x 1 SÃO PAULO – CAMPEONATO PAULISTA
    Estádio Municipal Paulo Machado de Carvalho – Pacaembú – São Paulo / SP – Brasil
    Árbitro: Elpídio Fiorda
    Palestra Itália (São Paulo/SP): Gijo, Carnera, Junqueira, Carlos, Oliveira, Del Nero, Luizinho, Canhoto, Etchevarrieta, Lima, Pipi – Técnico: Caetano de Domênico
    São Paulo (São Paulo/SP): Pedroza, Juarez, Squarza, Felipelli, Lola, Orozimbo, Mendes, Jofre, Hemédio, Remo, Paulo
    Gols: Pipi (Palestra Itália), 13 min, Etchevarieta (Palestra Itália), 44 min primeiro tempo, 8 min, Luizinho (Palestra Itália), 31 min, Hemédio (São Paulo), 44 min segundo tempo

    20/09/1942 – PALMEIRAS 3 x 1 SÃO PAULO – CAMPEONATO PAULISTA
    Estádio Municipal Paulo Machado de Carvalho – Pacaembú – São Paulo / SP – Brasil – Público: 55.913 pagantes – Renda: 231:239$000
    Árbitro: Jaime Janeiro Rodrigues
    Palmeiras (São Paulo/SP): Oberdan, Junqueira, Begliomini, Zezé Procópio, Og Moreira, Del Nero, Cláudio, Waldemar Fiúme, Villadoniga, Lima, Echevarrieta – Técnico: Armando Del Debbio
    São Paulo (São Paulo/SP): Doutor, Piolin, Virgílio, Lola, Noronha, Silva, Luizinho, Waldemar de Brito, Leônidas, Remo, Pardal – Técnico: Vicente Feola
    Expulsão: Virgílio (São Paulo)
    Gols: Cláudio (Palmeiras), 19 min, Valdemar de Brito (São Paulo), 23 min, Virgílio (São Paulo) (contra), 43 min primeiro tempo, Echevarrieta (Palmeiras), 14 min segundo tempo

    27/06/1971 – PALMEIRAS 0 x 1 SÃO PAULO – CAMPEONATO PAULISTA
    Estádio Cícero Pompeu de Toledo – Morumbi – São Paulo / SP – Brasil – Horário: 16h00 – Público: 103.887 pagantes – Renda: Cr$ 913.196,00
    Árbitro: Armando Marques (SP)
    Palmeiras (São Paulo/SP): Leão, Eurico, Luís Pereira, Minuca, Dé, Dudu, Ademir da Guia, Edu, Leivinha, César, Pio (Fedato) – Técnico: Mário Travaglini
    São Paulo (São Paulo/SP): Sérgio, Forlan, Jurandir, Arlindo, Gilberto, Édson, Gérson, Pedro Rocha (Carlos Alberto), Terto, Toninho Guerreiro, Paraná – Técnico: Osvaldo Brandão
    Cartões vermelhos: Fedato, Eurico (Palmeiras)
    Gol: Toninho Guerreiro (São Paulo), 6 min primeiro tempo
    esse time tricolor so ganha com ajuda e vem falar dos outros o q eles qrem q eu me lembre o corinthians tem mais vitorias q eles mais ñ discuto mais fregues tem sempre razão

  18. peterson

    Por outro lado, a decisão do Paulista de 1942 foi a primeira partida em que o ex-Palestra Itália fez com o seu novo nome, Palmeiras. Nesta, o Palmeiras ganhava por 3 a 1 e poderia ampliar o placar, pois iria cobrar um pênalti. Foi quando o SPFC FUGIU de campo, pra evitar a humilhação de uma goleada. À época, a fuga covarde do time sem aniversário foi amplamente satirizada e, de forma bem humorada, relacionada ironicamente com a sua sigla, a qual, devido ao fato inusitado, passaria a significar “ Somos Pernetas Fugimos de Campo ”. muito boa essa

  19. O SOBERANO

    MARCOS, VOCÊ TEM FAMÍLIA ?
    CARA, VOCÊ É UMA GRANDE SOLIDÃO EM PESSOA.

    CALHORDA !!!

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: