Advertisements

Contra o “merchan” de cerveja.

Duas ousadias contra a propaganda de cerveja

Por Alberto Dines em 12/5/2008

Comentário para o programa OI no Rádio, no ar em 12/05/2008

 

Duas ousadias chamaram a atenção nas edições de jornais e revistas do último fim de semana. Ambas relacionadas com a proposta de restringir a propaganda de cerveja na televisão.

Contrariando a posição de outros grupos jornalísticos que não admitem qualquer tipo de regulação na mídia, a Folha de S.Paulo manifestou-se claramente a favor das restrições no editorial de ontem.

É verdade que a Folha não tem interesses no segmento de televisão e, portanto, não está preocupada com os prejuízos que rondam os grupos de mídia atuantes na TV. De qualquer forma, esta quebra na unanimidade deve ser saudada, porque abre caminho para a tão reclamada diversidade da mídia.

A outra ousadia, talvez ainda mais notável, foi assumida pelo jornalista Roberto Pompeu de Toleto, o articulista da última página da Veja. Seu artigo na última edição do semanário é arrasador: ataca os parlamentares que são empresários de TV – uma das maiores aberrações do Congresso – ataca os publicitários da Abap, que patrocinaram a campanha de anúncios para manter a cerveja na TV e ataca, sobretudo, o farisaísmo das corporações ligadas à mídia que fingem defender o “sagrado direito de informar” quando, na verdade, estão apenas defendendo sua irresponsável submissão aos interesses do mercado.

Os gestos de independência acontecem no momento em que nossa mídia é novamente criticada pela unissonância e falta de diversidade e servem para lembrar que os caminhos para o bem comum são necessariamente diferenciados e contraditórios.

Facebook Comments
Advertisements

6 comentários sobre “Contra o “merchan” de cerveja.

  1. Nego Braza

    Paulinho estamos no holocausto cara…

    E eu ainda to lendo aquela CPI que tu postou…

    é de fazer o quaixo cair…

    Bom trabalho!

    Abraço!

    Flavio Clesio

  2. Gubber Carvalho Bittencourt

    Acredito que existam outras regulamentaçoes sobre a impresa que são mais valorosas que esta. Não é possivel destruir uma carreira de uma pessoa com uma mentira e colocar uma revisão na pagina destina somente a este fim da qual niguem vai ver e ainda a pessoa que a pessoa que deferio a inverdades passar incolume. Retratação é claro que teria que ocupar o mesmo horario e durando o mesmo tempo , mesma pagina e do mesmo tamanho para fim de manter a mesma visibilidade. Acho que nenhuma taxação antes da públicação deve ser feita mais claro que tem que se criar métodos pós-publicação para que a mentira se torne inviavel financeiramente para o profissionais e para o meio.

  3. Denilson Martins

    Uma vergonha, proibir a propaganda de cigarro, e não proibir a de bebidas alcóolicas.

    O cigarro faz mal a quem fuma, já a bebida faz mal a quem bebe e também, indiretamente a quem não bebe, porque ninguém consegue beber e trabalhar, o que é possível fazer quando se fuma.

    Além disso uma boa parcela, das mortes no trânsito, está relacionada ao consumo de cerveja.

    E pior, o cara enche a cara de cerveja, sai dirigindo, e acaba tirando a vida de inocentes, que não bebem.

    Tem que proibir logo esta sacanagem.

  4. Luciana

    A primeira droga que se tem contato é o álcool. Não é o cigarro(salvo raríssimas exceções) muito menos a maconha, o crak, a cocaína.
    Já foram feitas pesquisas que comprovam que o álcool é um passaporte para outras drogas ilícitas. O cigarro, tirando seu cheiro irritante e insurportável e suas graves consequências para a saúde de quem fuma ou para quem, apesar de não fumar vira fumante passivo, não deixa o sujeito fora de si. O álcool é a desgraça da sociedade. Porque é UMA DROGA lícita e socialmente “aprovada”. O maconheiro, o viciado em crak, o “cheirador de farinha” esses são a ameaça. Mas o sujeito que toma uma cervejinha com os amigos é apenas descontração. Está matando sua sede. O que mata a sede até onde eu sei é água no máximo um suco ou refrigerante. E o problema é que não se toma “UMA” cervejinha. São várias! Já vi famílias inteiras destruidas pelo alcool. Homens que chegam em casa violentos. Espacam mulher e filhos quando não matam. Mulheres (mulheres também) que largam seus filhos pequenos sozinhos, tem o desempenho profissional prejudicado (já tive uma colega de trabalho que de vez em quando tomava uns “gorós”). Fora os acidentes de trânsito largamente divulgados. É PRECISO TOMAR PROVIDÊNCIAS. O ÁLCOOL TAMBÉM É DROGA! ACORDA BRASÍLIA! IIIhhh! me esqueci que nosso presidente também gosta de uns “gorozinhos”. Daí fica difícil…
    Um abraço.

  5. Amigão

    Paulinho, essa história de proibição da propaganda de cerveja está parecendo aquela história do marido traído que pegou a mulher transando no sofá de casa com o vizinho: ao invés de terminar com a mulher e mudar de casa, preferiu jogar o sofá no lixo. Uma miopia impressionante.

  6. Eliana Barrachi

    Quero deixar aqui o meu protesto devido o Ronaldo estar com sua imagem vinculada a uma propaganda de cerveja, não ficou legal a imagem do Ronaldo vinculada a cerveja não foi legal para nossos filhos que estão vendo o Ronaldo como símbolo de superação no futebol no Brasil sem contar que ele ficou muito artifical com aquele copo na mão não combinou esporte com cerveja fiquei muito decepcionada, meus filhos tem 10 e 13 anos e curtem muito futebol, isso é lamentável

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: