Advertisements
Blog do Paulinho

Coluna do Fiori

FUTEBOL: POLÍTICA, ARBITRAGEM E VERDADE

Fiori é ex-árbitro da Federação Paulista de Futebol, investigador de Polícia e autor do Livro “A República do Apito” onde relata a verdade sobre os bastidores do futebol paulista e nacional.

http://www.navegareditora.com.brEmail:caminhodasideias@superig.com.br

apito limpo

“Falta de caráter e desrespeito ao correto é predicado dos gananciosos”

Adágio de: Euclydes Zamperetti Fiori

————————-

A espantosa trajetória do ex-árbitro Wilson Seneme presidente da CA-CBF

Findando o curso de arbitragem na escola da Federação Paulista de Futebol no ano 1999, iniciou a caminhada nos campos do futebol profissional ano 2000.

Inacreditável

Que não tenha sido apadrinhado por ter sido integrado no quadro dos árbitros CBF no ano 2000, principiando no ano 2001, dando seguimento no seu caminhar;

Na

Condição de fenômeno do apito, no sexto ano (2006), Wilson Seneme foi premiado com o distintivo FIFA, tendo arbitrado 31 contendas.

Noto

Wilson Seneme foi pré-selecionado para representar o Brasil na Copa do Mundo 2014, todavia: reprovado nos testes físicos, foi substituído por Sandro Meira Ricci que: igual ao Seneme, corria e bem nos bastidores da politica e do futebol.

Ultima contenda

Arbitrada por Wilson Seneme ocorreu no dia 23/02/2014 na 2ª contenda Remo x Paysandu pelo campeonato Paraense

Um

Dia 24/02/2014 após apitar a final do primeiro turno Campeonato Paraense, entre Remo e Paysandu, Wilson Luiz Seneme anunciou sua aposentadoria como árbitro de futebol.

Robustecendo

Suas ligações com dirigentes, indicado por José Maria Marin, aceitou o convite para compor a Comissão de Arbitragem da CONMEBOL, onde permaneceu por seis anos, sendo um dos dez membros do Comitê de Arbitragem da FIFA.

Todo

Este curriculum fortalece a ingerência de Wilson Luiz Seneme em subordinados da CA-CBF, dentre estes: Regildenia de Holanda Moura e Roberto Perassi, mesmo que mudem algo, no frigir dos mesmos, sou convicto que darão continuidade ao malfadado:

Manda quem pode, obedece quem tem juízo

///   ///   ///   ///   ///   /// 

O

Medo de represálias que possam vir dos dirigentes, acocorava e acocora maioria dos associados e não associados SAFESP, somado e falta de comprometimento para com a coletividade é combustível para o encerramento da outrora cardinal entidade representativa dos árbitros estaduais deste amado Brasil, brasileiro.

Concluo

Mesmo na UTI, apesar de raro, há oxigênio; sendo assim, invoco para esquecer divergências,  apressar convocação de assembleia para destituir o petulante juris171consulto, sua vice e diretoria.

————————————

19ª Rodada da Série A do Brasileirão, Quartas de Finais da Copa do Brasil 2022 e Política

Sábado 23/07

São Paulo 3 x 3 Goiás

Árbitro: Caio Max Augusto Vieira (RN)

VAR

Daniel Nobre Bins (RS)

Item Técnico

Acertou ao marcar a penalidade máxima favoravel ao São Paulo, no instante que Matheus Sales defensor do Goiás tocou a mão na bola para desviar a trajetória da redonda chutada pelo oponente Calleri.

Item Disciplinar

Cartão Amarelo: 02 para equipe mandante e 05 para visitantes

Vermelho: Ednilson de Sena Góes: Preparador físico do Goiás

Domingo 24/07

Avaí 1 x 2 Flamengo

Árbitro: Raphael Claus (FIFA-SP)

VAR

Vinicius Furlan (SP)

Item Técnico

Raphael Claus estava bem colocado e domínio total do lance findado com toque de cabeça na bola efetuado por Potiker ultrapassar a linha da meta flamenguista e, no ato: esticou o braço direito apontando o meio de campo;

Entretanto

Atendendo indevida interferência do VAR, caminhou até o monitor, viu, reviu, vergonhosamente apontou inexistente falta de um defensor do Avaí no goleiro flamenguista,

Vez que

A imagem da TV mostrou claramente que foi o goleiro quem trombou com o oponente que estava de costas.

Conclusão

Fosse lance do ataque flamenguista o VAR não o chamaria e o gol seria regularizado

Item Disciplinar

Cartão Amarelo: 01 para defensor do Leão da Ilha e 01 para defensor Rubro-Negro

Palmeiras 2 x 1 Internacional

Árbitro: Bruno Arleu de Araújo (FIFA-RJ)

VAR

Pablo Ramon Goncalves Pinheiro (RN)

Item Técnico

Por volta do 41º minuto da etapa inicial árbitro ocorreu falta favorável à equipe palmeirense próxima da linha intermediaria da equipe gaúcha,

Gustavo Scarpa

Bateu, goleiro rebateu, e Murilo saindo na frente da linha formada por integrantes das duas equipes mandou à redonda profundo da rede;

De pronto

Bruno Arleu Araújo apontou o meio de campo, porém, o VAR traçando linhas nas cores azul e vermelha, lhe informou que Murilo estava milímetro à frente;

Pra mim

As linhas não expuseram definição, sendo assim, no lance final o árbitro deveria ter assumido o que houvera sinalizado.

Item Disciplinar

Cartão Amarelo: 02 para integrantes da equipe colorada, incluso técnico Luiz Antonio Venker Menezes.

Atlético-MG 1 x 2 Corinthians

Árbitro: Ramon Abatti Abel (SC)

VAR

Daniel Nobre Bins (RS)

Item Técnico

Ramon Abatti cumpriu a lei do jogo no momento que sinalizou a penalidade cometida pelo atleticano Junior Alonso no oponente Giovane;

Penalidade

Cobrada por Fabio Santos, transformada no tento da vitória.

Item Disciplinar

Cartão Amarelo: 02 para atleticanos e 01 para corintiano

Copa do Brasil – Quartas de Final

Quarta Feira 27/07

Atlético-GO 2 x 0 Corinthians

Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (CE)

VAR

Adriano Milczvski (PR)

Item Técnico

Não ocorreram lances duvidosos no interior das áreas, não houve influencia no resultado

Item Disciplinar

Cartão Amarelo: 01 para atleticano

Quinta Feira 28/07

São Paulo 1 x 0 América-MG

Árbitro: Wilton Pereira Sampaio (FIFA GO)

VAR

Rodrigo D Alonso Ferreira (SC)

Item Técnico

Apontou corretamente a marcada cal quando da falta cometida por Thiago Couto goleiro são-paulino no oponente Henrique Almeida.

Penalidade

Batida por Maidana defendida por Thiago Couto

Item Disciplinar

Cartão Amarelo: 05 para defensores do Tricolor do Morumbi e 02 para defensores da popular equipe do Coelho


Confira abaixo o programa “COLUNA DO FIORI”, desta semana.

Nele, o ex-árbitro comenta assuntos, por vezes, distintos do que são colocados nesta versão escrita

*Não serão liberados comentários na Coluna do Fiori devido a ataques gratuitos e pessoais de gente que se sente incomodada com as verdades colocadas pelo colunista, e sequer possuem coragem de se identificar, embora saibamos bem a quais grupos representam.

——————————-

Política

Rejeição, vírus mortal

A rejeição de Luiz Inácio e Jair Bolsonaro tem causas conhecidas

A rejeição a candidato pode ser fatal. E o pleito deste ano mostra que os dois candidatos com mais chance de chegar ao segundo turno – Lula e Bolsonaro – têm altos índices de rejeição, o petista em torno de 40% e o presidente perto de 60%. Pesquisa recente da Quaest.

Quando um candidato registra um índice de rejeição maior que a taxa de intenção de voto, é prudente providenciar a ambulância para entrar na UTI eleitoral. Caso contrário, morrerá nas primeiras semanas do 2º turno. A rejeição é uma predisposição negativa que o eleitor adquire e conserva em relação aos perfis.

Para compreendê-la, é compreender suas razões. A equação aceitação/ rejeição se fundamenta na reação emotiva de interesse/desinteresse, simpatia/antipatia, que Pavlov chama de reflexo de orientação. A rejeição tem uma intensidade que varia de candidato para candidato.

Em São Paulo, Paulo Maluf e Orestes Quércia são inseridos na moldura de alta rejeição, resultante do estigma de corrupção com que foram brindados ao longo de décadas. Quércia, em 1990, foi amarrado ao conceito: “quebramos o Banespa, mas elegeremos o Luiz Antônio Fleury.” Frase que ele e o próprio Fleury sempre negaram ter sido feita. Mas o lema pegou.

Maluf passou a administrar a rejeição depois de muito esforço. Tentou mudar comportamentos, tornou-se menos arrogante, deixou o nariz menos arrebitado, descendo-o para uma posição de humildade e começando a conversar humildemente com todos. Mas a voz anasalada o prendia na cadeia da antipatia.

Erros e rejeições de adversários contribuíram para atenuar a predisposição negativa contra ele, purgando-se, então, por pecados de outros. “Ruim por ruim, vou votar em mim”, lema de Tiririca (PL-SP) para agarrar os eleitores. Em regiões administradas pela velha política, a rejeição a determinados candidatos se soma ao familismo. Em alguns Estados, sobrenomes tradicionais acabam saturando perfis.

Em quase todas as regiões, há altos índices de rejeição, comprovando que os eleitores, mais racionais e críticos, querem passar uma borracha em domínios perpetuados. O voto, mesmo de maneira lenta, sobe do coração para a cabeça.

A rejeição pode ser atenuada, quando o candidato vai à fundo nas causas que corroem seu nome. Pesquisas qualitativas indicam certos fatores: atitudes, jeito de encarar o eleitor, oportunismo, mandonismo, orgulho, vaidade, arrogância, desleixo, compra do voto, história política negativa, envolvimento em escândalos, ausência de boas propostas, descompromisso com demandas sociais.

Não se equaciona a rejeição da noite para o dia. Quando o candidato demonstra muita pressa para diminuí-la ou entra na malha do populismo, a atitude será percebida. Nesse caso, pode ocorrer bumerangue, a ação se voltando contra o populista.  Ganha força a predisposição contra ele.

Trabalhar com a verdade, eis um ponto-chave para diminuir a rejeição. O eleitor distingue factoides de fatos políticos, boas de más intenções, propostas sérias de coisas mirabolantes.

A rejeição de Luiz Inácio e Jair Bolsonaro tem causas conhecidas. Lula leva consigo a imagem da divisão no País, pobres contra ricos, a luta de classes, Nós contra Eles. Por mais que tente escorregar, hoje, para chegar ao centro do corrimão, continua causando medo. O temor de que possa alterar as regras de nossa democracia. O petismo ainda não se livrou da carga pesada de ter erigido uma “catedral ética”, desmoronada com as águas da Operação Lava Jato.

Bolsonaro carrega a identidade da direita radical, ameaçando se escudar nas forças armadas para assegurar o poder por anos a fio. O autoritarismo por ele encarnado se faz presente na expressão virulenta com que atira contra adversários, manchando a liturgia governamental e emporcalhando a imagem das instituições. Exemplo foi esse encontro com embaixadores, no Palácio da Alvorada, para escrachar as urnas eletrônicas e denunciar, sem provas, a fraude nas eleições brasileiras. São ações destemperadas para mobilizar as bases.

Menos de 70 dias para o pleito serão suficientes para diminuir a rejeição? Um terceiro nome poderia se viabilizar? O eleitor deixará de votar ou votará em branco caso não tenha opção? P.S. É possível o registro de abstenção, votos brancos e nulos ultrapassando a casa dos 30%. A conferir.

Gaudêncio Torquato é escritor, jornalista, professor titular da USP e consultor político

————————

Finalizando

“Voto nulo também é posicionamento político, rejeição também faz parte da democracia”

Adágio do: Sr.nulo

————————

Chega de Corruptos e Corruptores

Se liga São Paulo

Acorda Brasil

SP-30/07/2022

Facebook Comments
Advertisements

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: