Advertisements

Empresa ligada a Adilson Monteiro Alves vitimou Corinthians, Santos e Palmeiras

Duilio e Adilson Monteiro Alves

Há tempos, desde quando se meteu num obscuro negócio de Bingo, ao lado filho Duílio – que hoje é presidente do Corinthians -, e foi acusado de traquinagens enquanto deputado estadual, Adilson Monteiro Alves nunca mais conseguiu recuperar a credibilidade, muito menos as finanças.

O cartola, frequentemente, é acionado na Justiça.

Algumas acusações remetem, inclusive, a supostos golpes em clientes e fornecedores.

Não à toa, somados, Adilson e Duílio devem, somente ao Fisco, mais de R$ 40 milhões, sem contar dezenas de ações trabalhistas que ocasionaram contas e bens bloqueados à dupla.

Até um carro perdeu, recentemente, deixado para conserto numa mecânica, abandonado por falta de pagamento do serviço.

Existe ainda a constrangedora acusação, oriunda do espólio da histórica ex-presidente do Corinthians, Marlene Matheus, de que antes de morrer ela teria cedido, em empréstimo, imóvel localizado às portas do Parque São Jorge para Adilson, que, beneficiando-se do falecimento, recusou-se a devolver.

O local foi utilizado por Duílio para propaganda ilegal nas recentes eleições alvinegras.

Por essa razão, muita gente acredita que o Corinthians, com três ‘Monteiros Alves’ em cargos importantes, será utilizado, indevidamente, para salvação da família.

Nesse contexto, o Blog do Paulinho descobriu uma movimentação comercial de empresas, ligadas a Adilson Monteiro Alves, que seria responsável por lesar diversos parceiros, entre os quais, o Corinthians, a quem o cartola estaria devendo, em tese, R$ 39.708,94.

O suposto golpe tomou R$ 19 milhões dos mais variados credores.

Além do Timão, dois outros clubes possuem créditos a receber: Santos (R$ 24,8 mil) e Palmeiras (R$ 11,3 mil).


O Imóvel no bairro do Aricanduva

No dia 26 de outubro de 2000, Adilson Monteiro Alves e alguns parentes herdaram um galpão, localizado à Avenida Mazzaropi nº 114 (antes Avenida José Saad), no bairro de Aricanduva, em São Paulo, por conta do falecimento de Orlando Monteiro Alves, histórico cartola do Corinthians.

Tratava-se, à ocasião, de imóvel com grande valor; hoje, porém, está absolutamente deteriorado, quase abandonado.

Apesar disso, Adilson, com a esperteza habitual, conseguiu se virar.


Adilson Monteiro Alves e as empresas falidas

No dia 25 de fevereiro de 2016, o cartola do Corinthians, com anuência de seus familiares, formalizou estranho acordo de arrendamento do imóvel com a ‘Dunga Produtos Alimentícios’, empresa que, desde 2013, estava em processo de falência.

O suposto proprietário é Egberto Peretti Junior, obscuro bolsominion da Zona Norte paulista.

Pode ser uma imagem de 1 pessoa

R$ 50 mil mensais em alugueis, com desconto de R$ 30 mil nos primeiros oito meses.

No contrato consta a ciência da situação pré-falimentar da ‘Dunga’ e a situação de inutilidade do imóvel.

Para tornar o negócio ainda mais surreal, o garantidor (fiador) do pagamento do contrato, e também, inacreditavelmente, de ações trabalhistas, foi o próprio Adilson Monteiro Alves, através da ‘Ippasa Industria Paulista de Produtos Alimentícios’, que, há quase uma década, não estava em operação.

Em 2009, Adilson tentou repassá-la, por R$ 500 mil, à empresária Marlene Mordiga, ocultando, porém, dívida que ultrapassava os R$ 7 milhões.

O caso foi parar na Justiça.

O dirigente alvinegro, em tese, repassou o imóvel caindo aos pedaços para uma empresa falida, com pagamento garantido por ele mesmo através de outro negócio recheado de problemas.

Tudo indicava tratar-se de golpe.

Em 30 de junho, pouco mais de quatro meses após, o contrato foi rompido com quitação plena entre as partes, apesar de, em planilhas de familiares de Adilson, às quais o Blog do Paulinho teve acesso, haver o apontamento de apenas uma parcela, oficialmente, quitada e pendência de R$ 127 mil em alugueis, R$ 61 mil em IPTU e R$ 47,3 mil na SABESP, sem conta de luz apurada, o que sugere a inexistência de ligação.

Obviamente, todas as operações comerciais, neste período, ocorreram, por falta de sede, apenas nos papeis.

Na última semana, o Diário Oficial de São Paulo publicou a falência oficial da ‘Dunga’, que utilizou-se de Adilson Monteiro Alves na condição de ‘fiador’, com a respectiva relação de credores.

Corinthians (R$ 39,7 mil), Santos (R$ 24,8 mil) e Palmeiras (R$ 11,3 mil), clientes próximos do cartola, estão entre as vítimas de um golpe que amealhou, na totalidade, mais de R$ 19 milhões, parte destes embolsados nos meses obscuros de ‘permanência’ no bairro Aricanduva.

Resta saber que tipo de serviços os clubes teriam oferecido a uma distribuidora de alimentos.

Mais provável que tenham adiantado algum dinheiro e não recebido, posteriormente, as mercadorias encomendadas.

Desde que os três familiares assumiram o poder no Corinthians, em cargos, oficialmente, não remunerados, o Blog do Paulinho tem questionado, principalmente ao presidente: do que vivem?

Ninguém conseguiu responder, nem mesmo os notórios apoiadores de suas campanhas.

Facebook Comments
Advertisements

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: