Advertisements

‘Feliz Ano Velho’

Da FOLHA

Por CRISTINA SERRA

O mundo todo enfrentou a mesma pandemia, mas não a mesma tragédia

A retrospectiva de 2020 pode ser escrita com as aspas expelidas de uma boca hedionda. O poder do vírus estava “superdimensionado”, sem motivo para “histeria’, “comoção” ou “pânico”. Tudo poderia ser resolvido com um “dia de jejum” do povo brasileiro. Se fosse contaminado, por seu “histórico de atleta”, o profeta da escuridão teria apenas um “resfriadinho” e seria curado por uma poção mágica, a cloroquina.

O vírus produziu um oceano de lágrimas, e o cronista do abismo arremessou palavras como pedras sobre a dor dos brasileiros: “Não sou coveiro”, “E daí?”, “Eu sou Messias, mas não faço milagre”. Incentivou aglomerações e a contaminação porque o vírus é como uma “chuva”, “vai atingir você” e “todos nós iremos morrer um dia”. “Tem que deixar de ser um país de maricas”.

Sob seu comando, o Ministério da Saúde foi incapaz de planejar ações preventivas ou campanhas educativas e alertar para a gravidade da doença. Desprezou o uso de máscara, não investiu na testagem em massa, fracassou na logística (quase 7 milhões de testes perderam a validade), sabotou os imensos esforços de cientistas, médicos e todos os profissionais de saúde, professores, mídia e autoridades locais para promover quarentenas que poderiam reduzir as infecções.

Não antecipou a compra de vacinas e fez vaticínios estapafúrdios sobre seus efeitos colaterais. Arrotou tanta ignorância que quase um quarto da população não quer se vacinar. Vamos fechar o ano perto dos 200 mil mortos, podendo ser até 230 mil, considerando a subnotificação.

O mundo todo enfrentou a mesma pandemia, mas não a mesma tragédia. A diferença está em como os governos lidaram com os instrumentos disponíveis para conter o vírus. Mas o semeador do caos e da desesperança não dá “bola” e nos arrasta para os confins da escala civilizatória. Nada indica que 2021 será diferente. Peço licença ao escritor Marcelo Rubens Paiva para receber o novo ano com a expressão pungente do título de um livro seu: “Feliz Ano Velho”.

Facebook Comments
Advertisements

Um comentário sobre “‘Feliz Ano Velho’

  1. Renato oliveira

    Bolsonaro é um lesa pátria. Bateu continência à bandeira americana, fez brincadeira com o pinto do japonês, queria construir um autódromo lá no Rio sem um pingo de necessidade, queria transferir a embaixada, em Israel, para Jerusalém, atraindo terrorista para o Brasil, desafiou a China e os EUA juntos, cria crise à toa. Bolsonaro é maluco e os generais também.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: