André Negão estava inelegível desde 2015, condenado por simular doação eleitoral

André Negão, Desembargador Ademir Benedito e Sergio Janikian

Ontem (25), o Blog do Paulinho revelou que a Justiça eleitoral indeferiu a candidatura de André Negão, diretor do Corinthians, a vereador de São Paulo.

Justiça eleitoral indefere registro de candidatura a vereador de André Negão

O cartola, apesar de cobrado, insistentemente, pelo Ministério Público, escondeu um processo, de 2014, pelo qual foi condenado, em 2015, por crime de simulação de doação eleitoral.

A ação, até então, tramitava em segredo de justiça.

Negão, à época das eleições de 2014, discriminou doação de R$ 12,1 mil da ‘André Luiz Participações S/S Ltda’, registrada em seu nome e no de sua esposa.

Porém, desconfiado, o MPE solicitou quebra de Sigilo Fiscal, contatando que não havia, na declaração de Imposto de Renda, nenhuma movimentação financeira registrada pela empresa, que seria utilizada apenas, em tese, como ‘fachada’.

Sem conseguir dar origem aos recursos, Negão foi condenado a pagar R$ 60,8 mil em multa (que parcelou em dez vezes) e a cinco anos de inelegibilidade.

Ficou impossibilitado, também, de participar de licitações ou celebrar contratos com o poder público.

Ao ser informado do indeferimento de sua recente candidatura após leitura do Blog do Paulinho, ontem mesmo Negão interpôs recurso de Embargos de Declaração, alegando, em síntese, que tratava-se de valor insignificante, inexistindo, portanto, efetiva vantagem eleitoral e que ele, pessoa física, não poderia ser apenado em crime cometido pela pessoa jurídica.

Nos próximos dias, teremos a decisão definitiva do TSE.

Vale lembrar que a ‘Andre Luiz Participações’ aparece, também, como doadora da campanha de Andres Sanches a deputado federal.

Facebook Comments
Advertisements

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.