Advertisements
Anúncios

O Capitão Corona sofre do mesmo narcisismo dos piores vilões

Da FOLHA

Por FLÁVIA BOGGIO

Sem o carisma de Lex Luthor e tão incompetente quanto o Esqueleto, de ‘He-Man’

Morava nos pântanos alagados da Barra da Tijuca uma das maiores ameaças de Tropicalópolis.

Essa mente malfeitora começou provocando danos isolados, como planejar explodir quartéis e ser um deputado insignificante. Mas os tropicalenses, impulsionados por um conservadorismo liberal sem sentido, o alçaram ao posto de presidente.

O que não poderia ficar pior ficou. A chegada de um vírus letal vindo da China transformou o ordinário ex-capitão em um dos maiores vilões já vistos, não só em Tropicalópolis, mas em todo o planeta Terra. Pelos grandes jornais, recebeu a alcunha de Capitão Corona.

Sem o carisma de Lex Luthor, tão incompetente quanto o Esqueleto, de “He-Man”, e mais imaturo que o Capitão Feio da “Turma da Mônica”, Capitão Corona sofre do mesmo narcisismo dos piores vilões.

Assim como a Rainha Má de “Branca de Neve”, ele se olha no espelho diariamente, se perguntando: “Existe alguém que manda mais do que eu?”. A resposta é sempre sim.

Como um flautista de Hamelin, esse mentecapto consegue hipnotizar hordas de seguidores com as ideias mais estapafúrdias. Ele já convenceu multidões a fazer jejum pelo fim da epidemia e que o coronavírus é uma arma chinesa para implantar o comunismo no mundo.

Direto do Gabinete do Ódio, seus filhos, versões do Robin do mal, disparam fake news e ofensas a desafetos. Até seu aliado, o ministro da Saúde, responsável por combater a epidemia, foi linchado por seus robôs digitais.

Outro superpoder é o da transformação. Ao seu lado, João Doria se torna um grande estadista, e Donald Trump se parece com Winston Churchill. Até o Capitão Daciolo vira uma opção viável perto do Capitão Corona.

Essa mente do mal também sabe criar situações cômicas involuntárias, como quando usou teleprompter para um pronunciamento sobre a epidemia. Sua performance robótica fez a rainha
Elizabeth, nos seus quase 94 anos, parecer William Bonner ao fazer o mesmo.

Mas, como todo vilão, o Capitão Corona tem um ponto fraco: a burrice. Foi só ele ouvir as palavras “ciência”, “disciplina” e “planejamento”, que apareceu com cara de criança que teve seu pirulito sabor cloroquina roubado. Depois se retirou, repetindo mentalmente o mantra dos mais patéticos vilões: “Eu voltarei”.

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

1 comentário em “O Capitão Corona sofre do mesmo narcisismo dos piores vilões”

  1. Tem gente que pensa que foi o PT quem inventou a corrupção. Mas na ditadura militar já tinha corrupção. De onde tiraram que Bolsonaro não é corrupto? Só porque militava contra a causa gay acharam que ele tinha capacidade pra ser presidente? Ontem de noite ele brincou com a gente de novo. Idiota.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: