Advertisements

Assim como Bolsonaro, seus apoiadores não temem o coronavírus

Da FOLHA

Por CLAUDIA TAJES

No Cercadinho da Cólera, a claque se acotovela para provar que está com o senhor presidente e não abre

Primeiro falou-se no Escritório do Crime, de onde teria partido o assassino de Marielle Franco e Anderson Gomes. Depois apontou-se o Gabinete do Ódio, de onde partiriam as mentiras que alimentam o WhatsApp e as redes sociais de certas pessoas. Parecem dependências do inferno, mas ficam bem mais perto.

Nessa linha, com um potencial de perigo zilhões de vezes menor, e mais para o lado bizarro, também dá para citar o Cercadinho da Cólera, aquele onde os apoiadores de Bolsonaro se acotovelam para provar: 1) que estão com o senhor presidente e não abrem, e 2) que não estão nem aí para o coronavírus.

Quando a Covid-19 não existia no horizonte, vá lá que esses patriotas se aglomerassem para aplaudir, segundo os próprios, o melhor governo que este país já teve. Mas hoje, desprezando as regras de proteção, eles continuam lá, verdade que em menor número. Dando plantão para receber algumas palavras e todos os perdigotos de seu mandatário. É que não há lugar melhor para presenciar, ao alcance de uma selfie, as bravatas de Bolsonaro, o primeiro. Infelizmente, não o único.

Para gáudio da claque, é no Cercadinho da Cólera que Bolsonaro brilha, investindo contra jornalistas e desafetos. Os cercadiners se limitavam a gritar “mito!”, até um ou outro “lindo!”. De uns dias para cá, a turma se empoderou. Passou a atacar também.

Celular na mão, fazendo lives ou gravando seus grandes momentos, eles agora deram para agredir a imprensa com impropérios bolsonescos. Um sujeito foi autorizado pelo presidente a vociferar contra os jornalistas —que se retiraram, aleluia, deixando tanto o descompensado que gritava quanto o descompensado que o liderava com caras de tacho.

A mulher que, em dia de pico no número de mortos da pandemia, exigiu o fim do isolamento, “coisa de vagabundo”, teve o seu vídeo compartilhado pelo Gabinete do Ódio. Se esse não é o ponto mais alto da carreira na vida de gado, é bem próximo.

O Cercadinho da Cólera é o repouso do guerreiro, onde Bolsonaro se refugia antes e depois de uma besteira. Talvez fosse interessante o Planalto distribuir máscaras verde e amarelas entre suas fileiras.

Cada vez mais sozinho, é de bom tom o presidente não se arriscar a perder nenhuma daquelas úteis e tolas almas.

Advertisements

Facebook Comments

3 comentários em “Assim como Bolsonaro, seus apoiadores não temem o coronavírus”

  1. O texto até que pegou leve, dada a perigosíssima insanidade coletiva que esse infeliz mandatário faz questão de fomentar.

  2. Bolsonaro é do tempo que qualquer animal estúpido de cabeça entrava como recruta e seguia carreira nas forças armadas. Sem as forças armadas ignorantes mau caráter como ele não seriam nada.

  3. Acredito que nada que cerca ações de bovinos e Pastores é por acaso. Ali tudo é muito bem organizado, com transporte gratuito, lanchinho e uns 100 reais pra levar pra casa. A imprensa divulga e o Bozo se mantém na mídia.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: