Advertisements
Anúncios

Deixar Bolsonaro falando sozinho

Da OMBUDSMAN DA FOLHA

Por FLAVIA LIMA

Diante das ofensas do presidente, leitores sugerem mudanças na cobertura

Imagine-se humilhado pelo anfitrião, mas, por questões alheias a sua vontade, não poder deixar de visitá-lo. Como agir?

Muitos leitores contestam o que entendem ser uma paralisia da imprensa diante dos ataques feitos pelo presidente da República e seu entorno.

Acreditam que a imprensa deveria ir além dos duros editoriais escritos recentemente e perguntam se não seria possível mudar a maneira como a cobertura jornalística é feita.

Isso para evitar os xingamentos vindos da mais alta autoridade da República e voltados a um grupo de profissionais (mas não só a esse grupo) cujo trabalho é fiscalizar e fazer perguntas.

“Por favor, não mandem jornalistas serem ofendidos no circo de Bolsonaro em Brasília”, pede um leitor.

É possível deixar o presidente da República falando sozinho?

A cobertura diária da Presidência parte da ideia de que o seu titular tem temas de relevância para tratar, medidas para anunciar e, sobretudo, contas a prestar à população.

Na maior parte das vezes, porém, as falas do presidente passam longe disso.

Para completar, praticamente o único lugar em que se dá o que deveria ser a relação profissional entre jornalistas e o presidente parece pensado para que o trabalho jornalístico não consiga ser feito.

O cercadinho construído em frente ao Palácio da Alvorada (a residência oficial) reúne em um mesmo espaço a imprensa e os apoiadores de Jair Bolsonaro, que, muitas vezes estimulados pelo próprio presidente, hostilizam os repórteres.

Nesse ambiente, é difícil fazer perguntas e, em meio aos gritos e risadas da claque, a sensação é que os repórteres se mantêm apáticos às declarações esdrúxulas e provocações.

Por isso, entre os próprios jornalistas, há quem sugira parar de cobrir o Alvorada.

Foi lá que, no episódio mais recente, Bolsonaro atacou a repórter da Folha Patrícia Campos Mello com insinuações de cunho sexual.

Mas essa não foi a primeira vez que ele fez algo desse tipo.

Um vídeo de 2014, que, vira e mexe, volta a circular nas redes sociais, lembra os ataques sofridos por uma jornalista à época da Rede TV!, no qual é chamada de ignorante e estúpida.

De modo sintomático, o alvo predileto do agora presidente são as mulheres e os homens que ele julga serem gays.

Tudo é historicamente inédito e é por isso que os veículos de comunicação parecem perdidos, sem saber como lidar com a situação.

Os próprios repórteres já cogitaram não fazer perguntas ou deixar o local em momentos de maior estresse ou quando a coisa descamba para a grosseria. Não sei quanto disso é factível.

Medidas como essas exigiriam coordenação, e o fato é que alguns veículos se sentem mais próximos do presidente.

Para o secretário de Redação Vinicius Mota, “a Folha tem a obrigação de cobrir o presidente da República, o posto político de maior responsabilidade do país, onde quer que ele se manifeste. Isso não anula a capacidade do jornal de reagir com proporcionalidade a ofensas contra seus profissionais, seja no plano jornalístico, seja no jurídico”.

Essa reação no plano jornalístico pode começar por entender que o comportamento agressivo do presidente é parte de uma tática, ao que parece, bastante eficaz.

Essa tática envolve um volume gigantesco de falas desencontradas, preconceitos, ofensas, acusações e mentiras.

É como uma bomba de fumaça lançada sobretudo quando os holofotes ameaçam iluminar algo que ele gostaria que ficasse nas sombras.

O método é conhecido como “firehosing” e consiste em desnortear o interlocutor com um intenso fluxo de declarações, semelhante à água que sai de uma mangueira de incêndio (“fire hose”, em inglês).

A reação passa também por ter clareza de que repercutir esses jorros custa tempo e recursos (humanos e materiais), que poderiam ser mais bem usados em investigações relevantes.

A saída não é deixar o presidente falando sozinho, mas gastar menos energia na repercussão e mais na contextualização dessas falas, como uma forma de interromper o fluxo de desinformação.

O respaldo dos veículos de comunicação a seus funcionários, assim como uma maior solidariedade entre eles, certamente contribuiria para que os repórteres se sentissem menos vulneráveis aos ataques.

Cada fala disparatada deveria ser disposta ao lado do assunto relevante que ela pretende encobrir, seja ele qual for: novas informações sobre a investigação das circunstâncias da morte do miliciano ligado à família Bolsonaro, as causas do nível persistentemente alto do desemprego ou a reação anêmica da economia.

O fato é que a imprensa ainda não tem clareza sobre como reagir a isso. Aos 99, a Folha (e os outros veículos) tem pela frente um baita desafio.

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

1 comentário em “Deixar Bolsonaro falando sozinho”

  1. Ele chama universitário de vagabundo. Chama uma pessoa ética de comunista. Ofuturo está batendo na porta e os militares não suportam isso. Essa é a mente inferior que está governando o Brasil.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
Powered by
%d blogueiros gostam disto: