Advertisements

No Brasil, a vida imita os filmes de Sandra Bullock e tem influência satânica

Da FOLHA

Por RICARDO ARAÚJO PEREIRA

Roberto Alvim estava tão bem da cabeça que o demônio resolveu entrar nela

Quem desdenha do raciocínio filosófico e do poder da dedução lógica, sente-se, preste atenção e se envergonhe.

Depois de Roberto Alvim ter tentado contratar a própria mulher, ter indicado para a presidência da Funarte um homem que acha que “o rock ativa a droga que ativa o sexo que ativa a indústria do aborto”, ter nomeado para a direção da Fundação Palmares o autor da frase “a escravidão foi terrível, mas benéfica para os descendentes”, e ter feito um vídeo em que explanava o seu projeto para a cultura brasileira com frases decalcadas de Goebbels e ao som de Wagner, o filósofo Olavo de Carvalho arriscou: “É cedo para julgar, mas o Roberto Alvim talvez não esteja muito bem da cabeça.”

Esta perspicácia, natural em quem é capaz de arrancar corolários cintilantes do silogismo mais intrincado, não está ao alcance de qualquer pensador. E mesmo os que, avaliando corretamente as premissas, pudessem ter chegado àquela conclusão, talvez se tivessem precipitado para um julgamento definitivo, quando o caso recomendava, evidentemente, a prudência de um “é cedo para julgar”, a dúvida de um “talvez”, a suavidade perifrástica de um “não esteja muito bem”.

Exigia-se cautela porque, durante alguns dias, foi sendo desenvolvida uma teoria segundo a qual um assessor infiltrado teria escrito o discurso e introduzido a frase de Goebbels, reproduzindo uma estratégia usada num filme com Sandra Bullock.

Eram cuidados justificados, uma vez que, se em outros países a vida imita a grande arte, o mais provável era que, no Brasil de Bolsonaro, a vida imitasse os filmes da Sandra Bullock.

Foi então que, finalmente, Roberto Alvim resolveu o mistério: tinha sido ele a escrever o texto, sem qualquer ajuda ou intervenção dos assessores. E terminava dizendo: “Estou orando sem parar, e começo a desconfiar não de uma ação humana, mas de uma ação satânica em toda essa horrível história”.

Subitamente, a política brasileira estava não sob a influência indireta de Sandra Bullock, mas sob a influência direta de Satanás.

Sem surpresa, o Capeta era bem mais pérfido do que a Sandra: introduzir sub-repticiamente uma frase no discurso seria apenas maldoso. Verdadeiramente perverso é lograr que o autor a escreva de sua livre vontade. Afinal, Alvim estava bem da cabeça. Tão bem que o demônio, provavelmente por achar o espaço amplo e arejado, resolveu entrar nela.

Advertisements

Facebook Comments

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: