Advertisements
Anúncios

Qual é o sentido de ‘Brasil acima de tudo, Deus acima de todos’?

Da FOLHA

Por CONTARDO CALLIGARIS

O brado nacionalista só serve como uma boa desculpa para não pensar com a cabeça que nos foi dada

Desde a campanha eleitoral de 2018, eu me pergunto qual é o sentido possível da divisa “Brasil acima de tudo, Deus acima de todos”.

“Deus acima de todos” só se entende se for completado assim: “…acima de todos os que acreditam nele”. Para os que não acreditam em Deus, Ele (ou Ela, se for mulher) não está acima de coisa alguma. Para os que acreditam num deus que não é o nosso, o deus acima de todos seria o deles, e, às vezes, os dois deuses pensam diferente.

O maior problema é que, mesmo que acreditemos todos no mesmo deus, nosso entendimento do que ele quer da gente é variado. A história nos presenteou com séculos de guerras pavorosas entre crentes do mesmo deus, cada um convencido de que o tal deus estava combatendo com ele. De fato, no caso, só Deus sabia de que lado estava (eu tendo a pensar que ele estivesse de folga).

Resumindo, para os crentes, a divisa é boa só sob a condição de que o governo que a adota acredita exatamente no mesmo deus deles. Para os não crentes, a divisa é ameaçadora, pois eles prefeririam que a autoridade do Estado fosse fundada na razão e na lei —não num deus que eles não reconhecem.

Mas vamos em frente. “Brasil acima de tudo” é mais estranho ainda. É uma retomada do primeiro verso do “Deutschlandlied”: “Deutschland über Alles”, Alemanha acima de tudo. As letras foram escritas em 1841, para lembrar que a urgência era a unificação da Alemanha (que era na época uma federação comercial de 35 monarquias e quatro cidades-Estado).

A primeira estrofe do canto se tornou o hino do nazismo, pois Hitler queria mesmo reunir todos os “alemães”, quer eles fossem austríacos ou vivessem como minorias, na Tchecoslováquia, na Polônia, na Alsácia etc. (foi com esse pretexto que ele começou a invasão da Europa). Enfim, a estrofe é hoje proibida na Alemanha, pois se verificou que pôr a nação “acima de tudo” acaba autorizando qualquer turpitude.

Então, qual sentido tem para nós a divisa “Brasil acima de tudo”? Duvido que alguém queira invadir o Paraguai porque há 300 mil brasileiros por lá.

Já me explicaram que “Brasil acima de tudo” é um brado dos paraquedistas, inventado no fim dos anos 1960 e adotado oficialmente nos 1980. Tudo bem, mas pergunto: os paraquedistas se inspiraram no quê e em quem? Não foi no começo do hino nazista?

A referência explícita ao nazismo voltou intencionalmente na patacoada do ex-secretário especial da Cultura. Paradoxal e comicamente, na hora de anunciar uma nova cultura “nacional”, ele escolheu a trilha sonora preferida de Hitler (Wagner), em vez de, sei lá, Carlos Gomes ou Villa-Lobos.

Mas façamos de conta que “Brasil acima de tudo” seja apenas a expressão de um nacionalismo genérico. Faz sentido?

Só à condição de completar imediatamente: Brasil acima de tudo, “contanto que ele tenha razão”.

“Brasil acima de tudo”, aliás, lembra-me o livro de um fascista italiano que reuniu seus escritos dos anos 1930 sob o título: “L’Italia Ha Sempre Ragione”, a Itália tem sempre razão  —frase bizarra hoje, e, na época, hilária.

Quando nasceu a paixão nacionalista, no século 19, havia mentecaptos para afirmar que a nação tinha alma eterna e infalível, mas, infelizmente, a nação só existe e se manifesta na história através de governos e povos concretos. E os governos e os povos são feitos de almas mortais —às vezes, tolas, outras vezes, sanguinárias.

Você perguntará: mas quem decide se o Brasil tem razão? Quem diz quando o Brasil está certo ou não?

Pois é, a resposta não está em nenhum livro de educação cívica. Quem decide é você, só você. Se errar, pelo menos será um erro seu, responsabilidade sua.

Em cada cidadão, a vontade e a capacidade de pensar e julgar está acima da nação. É difícil? Sim, mas durma com isso.

Se seu país amanhã decidir expulsar os judeus, como a Espanha em 1492, você dirá o quê? “Arriba, Espanha”? E se ele decidir prender os homossexuais, como Cuba desde os anos 1960, você dirá o quê?

“Viva la revolución”? E se seu país torturar e matar os dissidentes às escondidas, como a ditadura militar brasileira, você vai dizer o quê? “Brasil acima de tudo”?

O brado nacionalista, em todas as épocas e em todos os lugares, não é diferente dos outros convites a aderir a uma coletividade, que seja o partido, a torcida, a Igreja ou a gangue: ele só serve como uma boa desculpa para não pensar com a cabeça que nos foi dada —por Deus ou por Darwin.

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

1 comentário em “Qual é o sentido de ‘Brasil acima de tudo, Deus acima de todos’?”

  1. Lê salmo 82 e veja que Bolsonaro e os militares não são cristãos. Olha o caso de homicídio da flor de lis.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
Powered by
%d blogueiros gostam disto: