Advertisements
Anúncios

Os árbitros precisam padronizar o comportamento diante da má-educação dos jogadores

Com ou sem VAR, a cultura do jogador brasileiro é a mesma: reclamar, de maneira explícita e quase sempre desrespeitosa, de toda e qualquer marcação da arbitragem.

O comportamento torna o espetáculo chato para o público e dificulta o bom andamento da partida.

Boa parte disso é culpa dos próprios árbitros, não se sabe por orientação superior ou covardia, que deveriam impor limites ao relacionamento entre as partes dentro de campo.

Até no futebol de várzea a coisa é mais organizada: define-se, de cara, que somente o capitão da equipe pode reclamar com o juiz.

A necessidade de padronização dos árbitros com relação a esse tipo de situação, que tende a se agravar com o VAR, é evidente.

Definir um único interlocutor, de cada time, para diálogo durante o jogo, punindo com cartão qualquer outro que venha a “rodar a baiana” não é solução definitiva para o problema, mas certamente tratará de amenizá-lo.

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
Powered by
%d blogueiros gostam disto: