Advertisements

A história de 64, contada por um idiota

Da FOLHA

Por MARCELO COELHO

O mais ridículo do vídeo bolsonarista sobre o golpe é o fato de se julgar esperto

Coisa mais bizarra, esse vídeo divulgado pelo Palácio do Planalto e pelo deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), a propósito de 1964.

Um senhor desconhecido, cujo rosto lembra o de algum antigo comentarista de futebol do Paulistão de 30 anos atrás, apela para a experiência dos mais velhos.

“Se você tem a mesma idade que eu”, começa ele, “pouco mais, pouco menos” —note-se a liberalidade, o espírito de tolerância dessa concessão— “sabe que houve um tempo em que nosso céu não tinha mais estrelas”.

Sim, tenho aproximadamente a mesma idade do locutor. E me lembro de um tempo assim. “Um tempo de medo e ameaças”, continua ele. Em que as pessoas “prendiam e matavam seus próprios compatriotas”.

Tudo indica que ele está falando da ditadura militar. Mas não! É o contrário!

A loucura da iniciativa é descrever como um período de trevas a República democrática instituída a partir de 1945 —quando presidentes, governadores, prefeitos e parlamentares eram eleitos pelo voto popular.

Para o locutor bolsonarista, a intervenção militar de 31 de março não cassou parlamentares, não extinguiu partidos políticos, não fechou o Congresso, não tirou juízes e ministros do STF de suas funções, não matou ninguém, não censurou jornais, músicas e peças de teatro, não permitiu a tortura e a prisão indiscriminada de opositores do regime.

No raciocínio dele, isso tudo acontecia antes do golpe. Ou, pelo menos, constituía uma ameaça iminente, já que os comunistas —eles sim— fazem ditaduras. O Exército, a partir de 1964, trouxe a luz sobre a escuridão. O Exército (o Exército, o Exército!, repete o locutor) democratizou o país.

Tudo isso é de uma tamanha burrice, de uma tamanha ignorância, de uma tamanha desonestidade, que nem mesmo valeria a pena ser contestado.

O problema é que muitas pessoas, não digo de esquerda, mas com um mínimo de apreço à verdade e à democracia, parecem ter desistido há algum tempo de discutir esse tipo de coisa.

Estou entre os culpados. Não tenho ânimo nem personalidade para me engalfinhar com fanáticos.

O fato é que os absurdos vão crescendo, e seria preciso uma reação organizada, permanente e institucional de parte dos democratas e da esquerda para se contrapor à demência em curso.

A propaganda bolsonarista parece vir de outro planeta. É tão tosca e inacreditável que o mais interessante, acho, seria perguntar o que se passa na cabeça de quem a produziu.

Sem excluir as hipóteses óbvias —a loucura extremista e o hábito, comum entre as pessoas muito burras, de achar que os outros são mais burros ainda—, imagino que outro processo esteja em curso.

Não é impossível que o estrategista por trás dessa comédia tenha pensado mais ou menos assim.

“Os comunistas”, raciocina ele, “são mestres da propaganda mentirosa”. Martelam sem descanso suas teses na cabeça dos mais jovens, e com isso acabam conseguindo adeptos.

Nosso bolsonarista terá, talvez, lido um clássico do anti-stalinismo como a “Revolução dos Bichos” de George Orwell —e, sem dúvida, “1984”, do mesmo autor. Ali se denuncia a prática da “novilíngua”, empregada pelo “Grande Irmão” para impor sua tirania sobre as massas.

Na distopia de Orwell, o “Ministério da Paz” era quem cuidava da guerra, e o “Ministério da Verdade” cuidava da propaganda.

“Hum! É então assim que agem os comunas, hein?” pensou o bolsonarista. “Vamos vencê-los com uma dose do próprio remédio!” Ele faz uma breve pesquisa na internet. “Dizem que a Revolução de 64 impôs um período de trevas e que os militares acabaram com a democracia?”

Ele resolve ser esperto. “E se dissermos exatamente o contrário?” Pensa mais um pouco. “Afinal, os comunas não tem nada de democratas. Logo, quem acabou com a raça deles…”

“Claro!”, entusiasma-se um jovem discípulo. “Quem destruiu os comunas… será por definição um democrata!”

Portanto, “se derrubamos a esquerda com tanques, se fechamos o Congresso, se torturamos, se impedimos a realização de eleições…”.

O pensador bolsonarista triunfa: “instituímos, ‘ipso facto’, a democracia!” Um pouco de latim impressiona os incautos. “Quod erat demonstrandum”, acrescenta, com um risinho abafado.

É o mesmo processo que faz o fanático dizer que os nazistas eram de esquerda. “Não sabe que eles se diziam socialistas?” Sim. Do mesmo modo que você, bolsonarista, se diz democrata.

Advertisements

Facebook Comments

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
Powered by
%d blogueiros gostam disto: