Ex-secretário de Esportes diz que Raí quer concessão do Pacaembu para transformá-lo em “mini-arena” com hotel

Celso Jatene

(Discurso do vereador Celso Jatene (PR), em 22 de março, na Câmara Municipal)

Sr. Presidente e Srs. Vereadores, eu quero falar um pouquinho sobre o andamento da concessão do Pacaembu.

Depois os Vereadores vão falar para mim: “V.Exa. viu o aconteceu?”, porque ninguém está prestando atenção. Então eu preciso falar um pouco sobre isso.

Quando fui o Secretário de Esportes e cuidei da tentativa de concessão do Pacaembu, estabeleci um pré-requisito para apresentação dos projetos.

Existia um grupo, um consórcio, do qual faz parte, entre outras, a empresa do ex-jogador, atual diretor do São Paulo Futebol Clube, Raí, que durante todo o processo defendeu a tese de que não dava para fazer o projeto do Pacaembu com pré-requisitos, porque o Pacaembu precisava deixar de ser a praça esportiva importante, que é e sempre foi para a cidade de São Paulo, para ser uma miniarena; e que dentro dessa miniarena, com 22, 23 mil lugares no máximo, houvesse a possibilidade da construção de hotel, restaurante, salas de escritório etc.

Naquela época, o Presidente da SP Negócios era o atual Secretário de Desestatização, Sr. Wilson Poit; e o Presidente da SP Negócios, atual Secretário de Desestatização, Sr. Wilson Poit, durante um bom período fez gestões junto à Vice-Prefeita, na época, Sra. Nádia Campeão, a mim, Secretário de Esportes, e ao próprio Prefeito Fernando Haddad, dizendo que o projeto, a concessão, não podia ter pré-requisito, tinha que ser uma concessão aberta, porque senão a conta não fecharia.

Sinceramente não entendo essa história de a conta não fechar, porque a conta só fecha para quem tem interesse de ganhar dinheiro, e o Pacaembu não é e nunca foi lugar para empresário, mas parece que agora vai ser.

De repente, o Conpresp e o Condephaat, que sempre foram órgãos extremamente responsáveis em relação aos prédios tombados da Cidade, desclassificam quatro pré-projetos que foram presentados e classificaram apenas um projeto, exatamente aquele que o Secretário Wilson Poit tenta nos convencer de ser o melhor por permitir a construção de um hotel, de escritórios, de restaurante e de uma espécie de shopping, tudo dentro do Pacaembu.

A intenção é diminuir a quantidade de lugares para 23 mil para que o estádio não receba mais nenhum jogo importante, pois para isso é preciso, no mínimo, 30 mil lugares. Isso significa acabar com o querido e tradicional Pacaembu para poder, segundo diz o Secretário, fechar a conta.

É neste estágio que estamos: o Conpresp e o Condephaat apoiando esse pré-projeto do consórcio, que conta com a participação da empresa do ex-jogador Raí, que é, entre aspas, o seu principal garoto-propaganda.

Segundo o Conpresp, se tudo for feito de vidro e der visibilidade ao complexo esportivo, pode ser que seja possível fazer.

Sras. e Srs. Vereadores, população de São Paulo, atenção: estão vendendo a área do Pacaembu para a construção de hotel, de shopping, de restaurante etc. com a chancela do Conpresp e do Condephaat.

Isso é grave!

Isso é assunto para parar no Ministério Público. Isso não pode prosseguir do jeito que está, porque é muito danoso para a nossa Cidade.

Está feito o alerta, mas vou voltar mais tarde para dar mais detalhes.

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

Esta entrada foi publicada em Sem-categoria. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Uma resposta para Ex-secretário de Esportes diz que Raí quer concessão do Pacaembu para transformá-lo em “mini-arena” com hotel

  1. …Sinceramente não entendo essa história de a conta não fechar, porque a conta só fecha para quem tem interesse de ganhar dinheiro, e o Pacaembu não é e nunca foi lugar para empresário, mas parece que agora vai ser….
    Porque entao alguem investiria por lá?

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.