Advertisements

O equívoco de Dilma

(Trecho da Coluna de JUCA KFOURI, na “FOLHA”)

“A meta brasileira não pode ser ganhar medalhas e nem a de forçar a nossa natureza”

A PRESIDENTA Dilma Rousseff repetiu em Londres um erro comum de quem olha superficialmente para a atividade esportiva.

Em vez de olhar para o esporte como fator de saúde, a mais alta autoridade do país mirou-o apenas como fator de sucesso competitivo, jeito pobre de o conceber.

A preocupação de seu governo deve ser com a democratização do acesso à prática esportiva pela maioria dos brasileiros, e não, neste momento, com subidas ao pódio, por mais que as vitórias tenham o condão de estimular a atividade. Pensar assim, como a rainha da Inglaterra pode pensar há décadas, é botar a carruagem à frente dos corcéis. E tão ruim quanto é a recorrente conversa em estimular a adoção de esportes individuais como meio de acumular mais ouros, pratas e bronzes, num atentado à cultura esportiva nacional, muito mais próxima dos esportes coletivos.

Ora, o que temos a ver com badminton, esgrima, halterofilismo, tiro com arco etc, com todo respeito aos esportes citados e aos seus aficionados?

Alguém imagina o ginásio do Maracanãzinho num coro de “força!, força!” para um brutamontes patrício levantar 500 quilos entre o arranque e o arremesso? A antiga URSS fazia assim, como faz hoje a China e, francamente, eis aí métodos que não precisamos imitar. Muito melhor será ter política para massificar o esporte e da quantidade tirar qualidade, quase naturalmente. O PT mesmo tem quadros especializados que poderiam ampliar e oxigenar a visão da presidenta.

Advertisements

Facebook Comments

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: