Advertisements
Anúncios

Palmeiras não consegue se livrar, por política, da “estrela vermelha”

Homem com camisa verde

A nova camisa do Palmeiras, com alterações no tom de verde e a reinserção do símbolo do clube, que vinha sendo substituído por bonita homenagem às origens do “Palestra Itália”, é muito bonita, mas guarda, nos bastidores, decisões políticas subliminares.

O uniforme anterior era a marca (utilização do PI no peito) da gestão Paulo Nobre, concorrente ferrenho dos atuais gestores nas eleições que estão por vir.

Manter a ridícula “estrela vermelha” (do fictício Mundial de 1951), também.

A “homenagem” serve apenas para expor o clube ao deboche dos adversários.

Retirá-la do uniforme, porém, corresponderia a perder os votos do grupo liderado por Roberto Frizzo, idealizador do dossiê que tentou transformar a amistosa Copa Rio em taça da FIFA.

Maurício Galiotte precisa obedecer a Crefisa (o que faz sem constrangimento), torcer para que o clube consiga, ao menos, uma conquista no futebol e não brigar com os que possam lhe conseguir eleitores para chegar com chances de vencer Paulo Nobre, de gestão melhor avaliada, das poucas não ligadas a escândalos de corrupção no futebol brasileiro.

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

5 comentários em “Palmeiras não consegue se livrar, por política, da “estrela vermelha””

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
Powered by
%d blogueiros gostam disto: