Advertisements

Temer quer se reeleger, mas para isso é preciso já ter sido eleito antes

Da FOLHA

Por GREGÓRIO DUVIVIER

O presidente mais impopular do planeta evita o público por medo de vaia e o dia por medo do sol

As cabeças mais brilhantes do país estão por trás dessa intervenção federal no Rio. Carioca: não tem por que se preocupar.

Quando governou o Rio, Moreira Franco disse que ia acabar com a violência em seis meses. A violência não acabou, mas é preciso ser justo: ele acabou com todo o resto do estado em seis meses. Moreira nunca mais ganhou uma eleição majoritária —tampouco se deixou abalar pelas derrotas.

Participou, mesmo perdendo nas urnas, de todos os governos subsequentes, e nunca fez corpo mole: foi responsável direto pelo fracasso de todos eles. Exemplo de persistência, nunca deixou o fracasso subir à cabeça.

“O nome dele é Moreira”, dizia sua campanha, e até nisso mentia, já que seu nome é Wellington, e não há registro de que em algum momento da vida tenha sido Franco. Casado com a filha de Amaral Peixoto, que por sua vez era conhecido como “genro do Getúlio”, Moreira surgiu na política como “o genro do genro”.

Sua enteada veio a se casar com Rodrigo Maia, que então se tornou o genro do genro do genro, guardião da casa dos genros —até que sua filha se case com alguém em cujas mãos cairá a identidade de genro. O Brasil, a saber, é uma genrocracia.

Você já deve ter ouvido falar em Elsinho Mouco. Não, não se trata de um primo menos famoso do Elias Maluco. Elsinho tem nome de traficante mas é o grande marqueteiro do MDB, o gênio por trás daquele logo da gestão Temer, a enorme bola de demolição caindo sobre o país (“mas quem aprovou foi o Michelzinho”, disse, na época).

Mouco notabilizou-se por perder eleições mundo afora —tentou eleger Quércia, Maluf, Chalita, Roseana Sarney e até um general no Paraguai, todos sem sucesso. Descobriu que a única maneira de conseguir emprego seria se aliando a políticos que já tivessem sido eleitos. Ninguém quis. Acabou se aliando àqueles que nunca seriam eleitos individualmente, mas ainda assim governavam o país.

Por fim, Michel Temer, o presidente mais impopular do planeta, que não aparece há anos em público por medo de vaia, e nem à luz do sol por medo da luz do sol mesmo, tem pensado na reeleição —a hipótese, no entanto, é improvável, porque pra isso ele precisaria já ter sido eleito anteriormente.

Ou seja, como diz o mantra da auto-ajuda: já deu certo.

Advertisements

Facebook Comments

One Response to “Temer quer se reeleger, mas para isso é preciso já ter sido eleito antes”

  1. Radio70 (@Radio70online) Says:

    Não sei como este sujeito pode ter espaço na mídia. O Temer já faz melhor que Dilma.

Deixe uma resposta


%d blogueiros gostam disto: