Advertisements
Anúncios

No esporte, o machismo é campeão

Do ESTADÃO

Por NANA SOARES

O viral da vez nas redes sociais foi o resultado do campeonato Oi Park Jam, uma competição de skate em Santa Catarina que premiou a vencedora entre as mulheres com R$5.000. Nada mal, não fosse o fato de que o vencedor masculino levou R$17.000 para casa. Apenas 12 mil reais de diferença por ganhar uma mesma competição.

Merecidamente alvo de críticas, os organizadores alegam que a categoria feminina  tem menos competidores e com menos qualidade, já que não são atletas profissionais e sim amadoras. Pode até ser verdade, mas o problema só piora: afinal de contas, por que as mulheres não são profissionalizadas e os homens são? Por que o trabalho delas é tratado em uma categoria inferior?

A foto viraliza porque é um símbolo da desigualdade de salários entre homens e mulheres, das quais tanto falamos cotidianamente mas que raramente vemos exemplos concretos. Em parte porque salário é tabu e não conversamos sobre (o que só ajuda a ter desigualdade), em parte porque com a existência de leis e de um debate acalorado da sociedade, tendemos a acreditar que o machismo nunca vai ser explícito assim. Mas ele é, e no esporte ele se revela mais e mais a cada dia.

Falo, por exemplo, das inúmeras vezes em que as conquistas das irmãs Williams no tênis foram  apagadas para ressaltar o trabalho dos homens. Andy Murray (também tenista) precisou corrigir repórteres mais de uma vez quando atribuíam a ele recordes e conquistas já há muito alcançadas por Venus e Serena.

Falo do jogador sueco Zlatan Ibrahimovic, que ficou irritadíssimo ao ser comparado com a seleção feminina de seu país, uma das mais fortes do mundo. Como se fosse um demérito. E para coroar, Ibrahimovic ainda disse que “nem divertido era” e que as mulheres poderiam desistir. A resposta dos machistas que saíram em sua defesa, como não poderia deixar de ser, foi de que o futebol feminino não pode mesmo ser comparado ao masculino, já que atrai menos público e dinheiro, e por aí vai.

Esses defensores cuidadosamente “esquecem” que nos Estados Unidos a seleção feminina de futebol gera mais dinheiro e público do que a masculina. Lota estádios, ganha torneios. E ainda assim recebe quatro vezes menos do que os pares homens. Elas tiveram que ir na justiça lutar contra isso.

Quer mais exemplos? Nas olimpíadas do Rio de Janeiro os ingressos para os jogos coletivos de mulheres eram mais baratos do que as modalidades masculinas.

Quer falar de um esporte “feminino”? Quase duzentas mulheres (incluindo a mega campeã olímpica Simone Biles) acusam o ex-médico da equipe de Ginástica Artística dos EUA de abuso sexual. Ele foi condenado a 175 anos de prisão por seus crimes.

O recado é muito claro: esporte não é lugar de mulher. As que se aventurarem nele não serão tão respeitadas quanto os homens, a quem verdadeiramente pertence esse mundo. Desafio, conquista, testar os limites é trabalho para homem.

Como em todas as áreas das quais tenho notícia, a resistência no esporte também está crescendo. Na verdade é um contra-ataque em busca de virar um jogo que passou tempo demais sob regras injustas e juízes parciais. As denúncias de assédio das ginastas americanas, a ação em busca da equiparação de salários e o protesto da seleção feminina de futebol depois da demissão de Emily Lima são ações que demonstram isso.

Nós incomodamos mesmo. No esporte, no trabalho, dentro de casa, na rua, onde mais estivermos. Vamos continuar incomodando quem precisa ser incomodado. Como o campeonato de Santa Catarina deixou bem claro, temos 12 mil motivos para estar furiosas.

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

2 comentários sobre “No esporte, o machismo é campeão

  1. E depois uma xarope dessa quer ser levada a sério quando em 595 palavras não citou nenhuma sobre o problema de homens estarem ocupando as vaga das mulheres nos esportes!
    O problema das premiações é o patrocínio, e isso se chama mercado! E é ele que define o valor e preço dos produtos, citaram o tênis, mas não citaram que entre a primeira rodada de um torneio do grand slam e as finais se pagam umaa diferença de mais de 1000%!
    Mas as “jenias” feministas podem ficar tranquilas que em breve lugar de mulher será novamente em casa vivendo as custas dos homens.
    Enquanto a “manada” das mulheres não enxergarem que o movimento feminista nada mais é que um movimento para os responsáveis terem suas regalias e ganhar dinheiro, elas estão sendo massacradas!
    Apoiem as feministas que em breve estarão em casa arrumando a casa, lavanda e passando, e nem cozinhando por que isso é coisa de homem!

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

×
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: