Advertisements
Anúncios

Na surdina, Corinthians (sem anuência do Conselho) e Odebrecht aprovam acordo com a CAIXA e o BNDES

Na última quarta-feira (08), o Arena Fundo de Investimento Imobiliário – FII, gestor do estádio de Itaquera, aprovou, por unanimidade, novo acordo com a CAIXA, relativo ao repasse dos R$ 400 milhões (já efetuados) junto ao BNDES.

Diz a ata, registrada um dia depois (09), que houve comparecimento de todos os cotistas, ou seja, Corinthians, Odebrecht e Arena Itaquera S/A (BRL TRUST).

Recentemente, em reunião do Conselho Deliberativo, decidiu-se que o clube de Parque São Jorge não poderia assinar novos acordos relativos ao estádio sem conhecimento prévio e anuência do órgão.

A direção alvinegra, em clara afronta, ignorou.

Foram aprovados pelo FUNDO ARENA, segundo o documento de reunião:

“Os representantes dos cotistas deliberaram de forma unânime pela aprovação da assinatura dos instrumentos exigidos pelo financiador (CAIXA), incluindo o Contrato de Financiamento Mediante Repasse nº 417.355-11, contratado com o BNDES, entre a Arena Itaquera, a CAIXA e demais partes, bem como a assinatura dos demais contratos necessários (aditamentos), ao implemento das condições dispostas na Comunicação Eletrônica GECOA 6.2050/2016, enviada pela CAIXA no dia 29 de dezembro de 2016 (Comunicação CEF), condição de eficácia para a concessão de prazo de carência total (juros e amortizações) do serviço da dívida do Financiamento por seis meses, com início em 15 de novembro de 2016 e final em 15 de abril de 2017, inclusive, conforme também disposto na Comunicação CEF.”

“Deste modo fica a Administradora autorizada a realizar todos e quaisquer atos necessários para a implementação da matéria aprovada.”

Em resumo, o Corinthians e seus parceiros do estádio, estavam sem pagar o financiamento do estádio, desde antes da metade de 2016, e voltaram a fazê-lo a partir de novembro (em ato contínuo) com prazo final (para o calote) até abril de 2017 (próximo mês), mas somente na última semana, aprovaram, de fato, esta manobra.

Ampliou-se, por consequencia, o valor da dívida da Arena, com novas cobranças de juros e correções sobre o valor final contratado.

Uma atitude de pouca transparência, que dá margem à suspeita de ocultação de procedimentos, sabe-se lá por quais razões, aos órgãos de fiscalização dos envolvidos (no caso do clube, seu Conselho Deliberativo).

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

×
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: