Profissões em risco

robo

‘Outra profissão em risco é a de colunista de jornal. Não por falta de assunto, mas por falta de jornal’

Da FOLHA

Por RUY CASTRO

Um estudo da Universidade Oxford prevê que, em uma ou duas décadas, metade das ocupações atualmente em curso nos EUA será exercida por robôs. Quase ninguém mais discorda dessa afirmação, e a única dúvida é quanto ao tempo que isto levará. Por que uma ou duas décadas? Por que não um ou dois anos? Afinal, há não muito tempo, quem diria que segmentos tão tradicionais e queridos como os laboratórios de revelação fotográfica, as lojas de discos e as locadoras de vídeo seriam evaporados da economia?

Outro exemplo. A maior frota de táxis do mundo, o Uber, não tem um único táxi na garagem e, em breve, dispensará também os motoristas —porque os carros serão autônomos, rodarão sozinhos e pegarão os passageiros que os terão chamado por um aplicativo. É uma cadeia. Quando isso acontecer, ninguém mais precisará ter carro. Em consequência, os fabricantes reduzirão de tal forma sua produção que será melhor entregá-la de vez aos robôs.

O fim da mão de obra passa também pela impressão em 3D, a qual, pelo que ouço dizer, já produz de sapatos, móveis e casas inteiras a crânios, dentes e orelhas humanos. E isso é só o começo —espera-se para logo o lanche completo do McDonald’s, incluindo o milk shake de Ovomaltine, cruelmente tomado ao Bob’s. Tudo impresso em 3D. A grande pergunta, na verdade, é: o que caberá ao ser humano fazer no futuro próximo?

Neste momento, parece já não haver função humana que, um dia, não possa ser desempenhada por uma máquina. Nesse dia, talvez só nos restem aquelas que não interessarem aos robôs, como vender mate na praia, trabalhar como gandula em estádios de futebol, levar o cachorro para fazer pipi na rua, catar piolhos nos filhos ou ser lutador de MMA.

Outra profissão em risco é a de colunista de jornal. Não por falta de assunto, mas por falta de jornal.

Facebook Comments
Advertisements

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.