Dirigentes do Corinthians fazem “delação premiada” da Odebrecht para tentar escapar da degola

roberto da nova eleições

Nos últimos dias, sem o menor constrangimento, dois dos três últimos presidentes do Corinthians, Andres Sanches e Roberto “da Nova” Andrade, que, comprovadamente, em atos e assinaturas de contratos, trabalharam para facilitar a vida da Odebrecht nas obras do estádio, passaram a criticá-la.

Antes, timidamente, agora até por Nota Oficial.

A mudança de postura se dá pelas evidências demonstradas na “operação Lava-Jato”, as denúncias recentes da imprensa e o medo de impeachment que ronda o Parque São Jorge.

Uma espécie de “delação premiada” informal, valida apenas para salvar algumas cabeças dentro do clube, mas que, para alguns, como no caso do vice-presidente André Negão, em vias de ser encarcerado, pode servir de prévia para procedimentos semelhantes em depoimentos futuros ao implacável juiz Sergio Moro.

Facebook Comments
Advertisements

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.