Marco Polo Del Nero resistirá até quando no comando da CBF?

marin del nero

Da FOLHA

Por JUCA KFOURI

A resposta vale não um, mas 100 milhões de dólares, dinheiro que a Fifa retém em seu cofre e não repassa à CBF ainda por conta da Copa disputada no Brasil, legado para o desenvolvimento do futebol brasileiro.

Não repassa por motivo óbvio: desconfia da gestão atual da Casa Bandida do Futebol.

As melhores fontes da Fifa garantem que o presidente da CBF não entrará em 2017 no cargo, mas há quem não acredite, tanto tempo já passou e tantas oportunidades foram perdidas para despachá-lo.

O que mais impressiona na permanência do Marco Polo que não viaja é a complacência com que seus pares o tratam.

Pense em 100 milhões de dólares divididos pelas 26 federações estaduais (não são 27 porque a catarinense faz oposição) que suportam o cartola que não pode sair do país.

Dá quase 12 milhões de reais para cada federação, dinheiro grande até para a mais rica delas, a paulista.

Imagine para a maranhense, dirigida por aliado dos Sarney, para a piauiense, a acreana.

Pois mesmo em meio a essa gente que faz tudo por dinheiro, Del Nero sobrevive.

É de se tirar o chapéu para tamanha resistência e morrer de vergonha das autoridades brasileiras, passivamente à espera de que as providências venham de Zurique, mesmo depois da prisão de Eduardo Cunha, responsável pela indicação do diretor de ética da CBF, o deputado federal mineiro Marcelo Aro, aquele que andava com um boneco do Pixuleco nas sessões do impeachment. Mesmo com Fernando Sarney como vice-presidente da CBF. Um escárnio.

Porque da cartolagem das federações não há que se esperar nada mesmo, nem dos clubes, que desperdiçam faz meses a oportunidade de tomar o poder, pois nunca a correlação de forças lhes foi tão favorável.

Farinhas do mesmo saco, com as raras exceções de praxe, acovardadas em geral.

Não surpreende, portanto, que nada se resolva em nosso futebol.

Que a violência de torcedores e PMs siga como sempre.

Que os campeonatos continuem com médias de público ridículas.

Que ainda haja gramados abaixo da crítica.

Que as arbitragens sejam deploráveis.

Resta a seleção brasileira, tardiamente entregue às mãos certas, para dar alguma alegria.

É pouco, muito pouco. E não soluciona coisa alguma.

Facebook Comments
Advertisements

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.