Candidatura impugnada coloca em suspeita Diploma do 2º Grau de Vice-Presidente do Corinthians

andré negão

Publicamos, ontem, que a candidatura do vice-presidente do Corinthians, André Luiz de Oliveira, vulgo André Negão, foi impugnada a pedido do MPE-SP, sob diversas suspeitas de irregularidades.

O candidato não apresentou as certidões de “objeto e pé” de sua extensa ficha criminal (obrigatórias para a ratificação da chapa), existindo ainda suspeitas sobre a veracidade de um diploma que comprovaria a conclusão de 2º grau.

Candidatura de André Luiz de Oliveira, o André Negão, é impugnada pela Justiça Eleitoral

Negão não é obrigado a ser concluinte do curso (por lei, bastaria ser alfabetizado), mas responde por eventuais falsidades oriundas de documentações enviadas ao TSE.

Cabe recurso, que deve ser protocolado nas próximas horas na Justiça Eleitoral.

Vamos aos fatos:

O DIPLOMA

diploma andre negão

André Negão juntou nas documentações enviadas ao TSE um Diploma datado de 22 de julho de 1999, com assinatura do próprio (aluno), de representante da suposta instituição de ensino e do MEC (há suspeitas sobre a veracidade).

O certificado diz que André Luis de Oliveira concluiu, “com aproveitamento em 01/07/99, o curso de SUPLÊNCIA-ENSINO MÉDIO, modalidade ENSINO À DISTÂNCIA”, ou seja, não precisou, em tese, comparecer ao endereço da escola.

Por falar na localização do COLÉGIO PORTINARI, e também do CENTRO BRASILEIRO DE INFORMÁTICA (ambos aparecem no Diploma), o endereço à época dos estudos do dirigente alvinegro (grafado no certificado e confirmado na JUCESP, utilizado por ambas as instituições) era Via Anchieta 1507, local em que, se não houve, nas últimas décadas, nenhum desastre natural, indica jamais ter abrigado qualquer tipo de imóvel:

colégio mapa

O endereço mais recente, Rua Incique, nº 10, constando no Contrato Social do CBI (o Colégio Portinari foi cassado – explicaremos abaixo), parece também ser fajuto, já que no local existe apenas os muros de fundo da Escola Estadual Vital Fogaça de Almeida, situada, em verdade, na rua Malacacheta 118:

vital fogaça de almeida

Após centenas de denúncias de irregularidades, em 2007, o MP-SP iniciou, com ajuda da Secretaria de Estado da Educação, investigação sobre os desvios de conduta do Colégio Portinari, entre os quais a suspeita de vender diplomas de segundo grau.

portinari mp-sp 2008

Portaria da Coordenadoria de Ensino da Região Metropolitana da Grande São Paulo, datada de 15 de maio de 2008, cassou o Colégio Portinari, indicando em seu despacho: “irregularidades comprovadas” e a “necessidade de verificação da vida escolar dos alunos matriculados no referido Colégio”.

portinari cassação 15-05-2008

Recentemente, aluna que teria estudado no Colégio Portinari teve admissão em Faculdade do Mato Grosso do Sul negada por decisão do TRF-3, com a seguinte indicação na Sentença: “frequentou o ensino médio em outra instituição de ensino (Colégio Portinari) e juntou aos autos o respectivo Certificado de Conclusão. Verifica-se, entretanto, que o documento não se mostra apto a demonstrar efetivamente o término do 2º Grau, como alega o Centro Universitário.”

portinari trf-3

O CURSO DE GESTÃO ESPORTIVA NA FACULDADE DRUMMOND

Osmar Basilio e Andre Negão

Osmar Basilio e Andre Negão

Mesmo diante de indícios fortes de fraude em diploma de 2º grau, André Negão foi aceito como aluno do curso de Gestão Esportiva da Faculdade DRUMMOND, que tem como proprietário o empresário Osmar Basílio, presidente do CORI, do Corinthians, órgão que, por ironia, tem por função fiscalizar possíveis irregularidades do clube.

No Parque São Jorge e também em entrevistas, o vice-presidente do Timão sempre apresentou-se, quando questionado sobre escolaridade, como concluinte de “gestão esportiva”, o que, em verdade (com algumas ajudas), aconteceu.

Ocorre que, como verificado pela ausência da juntada do documento no TSE (a formação sequer foi mencionada), André Negão, em ditado popular: “estudou (?), mas não levou”.

Por lei, a Faculdade somente pode emitir o Diploma de conclusão do curso, ou seja, a comprovação da formação, se todos os documentos escolares anteriores forem, de fato, verdadeiros.

Até hoje, passados alguns anos, a DRUMMOND decidiu não correr esse risco.

Estranho é, porém, que mesmo sabedor desses pormenores, o empresário Osmar Basílio, proprietário da DRUMMOND, não tenha demonstrado constrangimento em continuar apoiando os projetos de André Negão, sejam os ligados ao Corinthians ou ao município de São Paulo.

Facebook Comments
Advertisements

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.