Advertisements

12 casos em que pessoas armadas impediram assassinatos em massa

murder

Por RAFAEL CURY

Esta semana o mundo se chocou com mais um assassinato em massa, dessa vez nos Estados Unidos, reacendendo o debate sobre a liberação, regulação ou proibição da posse e porte de armas. O que poucas pessoas pensam é que há diversos casos em que pessoas impediram que assassinatos em massa acontecessem por estarem armadas. Trazemos doze casos que aconteceram igualmente nos Estados Unidos, praticamente todos com algo em comum: aconteceram em locais onde a chance de alguém estar armado é menor (escolas, igrejas, hospitais, boates) e os assassinos foram mortos ou presos e condenados a dezenas de anos na cadeia ou prisão perpétua, sem qualquer possibilidade de redução posterior da pena.

1 – Escola de ensino médio em Pearl, Mississippi – 1° de outubro de 1997

Na pequena cidade de Pearl, Mississipi, Luke Woodham, de 16 anos, esfaqueou sua mãe até a morte antes de começar um tiroteio em sua escola, matando dois estudantes e ferindo outros sete. O ataque foi interrompido quando um funcionário da escola, Joel Myrick, buscou sua pistola .45 semi-automática em seu caminhão, trocou tiros com Woodham e o deteve até a polícia chegar.
A reação de Myrick impediu Woodham de invadir uma escola de ensino fundamental no outro lado da rua e transformar o ato em um massacre. Luke Woodham foi preso e condenado à prisão perpétua.

2 – Escola de ensino fundamental em Edinboro, Pennsylvania – 24 de abril de 1998

Um adolescente de 14 anos abriu fogo durante as aulas de dança em sua escola de ensino fundamental (Parker) usando uma pistola .25. Andrew Jerome matou um professor e feriu outro professor e dois alunos. Um massacre foi impedido quando James Strand, proprietário do salão aonde as aulas aconteciam, pegou sua espingarda pessoal e confrontou Andrew, mantendo-o sob a mira da espingarda por onze minutos até convencer James a se render e deitar no chão.
Andrew Jerome foi preso e condenado a 60 anos de prisão.

3 – Faculdade de Direito Appalachian, Grundy, Virginia – 16 de janeiro de 2002

Peter Odighizuwa, um imigrante nigeriano de 43 anos e ex-aluno, foi à Faculdade de Direito Appalachian armado com um revólver .380 ACP semi-automático e matou à queima-roupa o reitor Anthony Sutin e o professor Thomas Blackwell, posteriormente matando a estudante Angela Dales e deixando três pessoas feridas. Um massacre maior foi impedido quando os estudantes Tracy Bridges, ex-xerife, e Mikael Gross, policial à paisana, recuperaram suas armas pessoais em seus carros e impediram o massacre de continuar, rendendo o assassino.
Peter Odighizuwa foi preso e condenado à prisão perpétua.

4 – New Hope Church, Colorado Springs, Colorado – 9 de dezembro 2007

Um atirador identificado como Matthew Murray, de 24 anos, matou dois paroquianos e deixou três feridos com um AR-15 no estacionamento da New Hope Church (Igreja Nova Esperança). Ao ouvir os tiros, Jeanne Assam (foto acima), uma ex-policial, utilizou sua arma de fogo pessoal e confrontou o atirador, impedindo-o de entrar na igreja. Após uma intensa troca de tiros, Jeanne Assam matou Matthew Murray.
De acordo com o pastor da Igreja, Jeanne impediu que mais de 100 pessoas fossem mortas.

5 – Loja da AT&T em New York Mills, Nova Iorque – 27 de maio de 2010

Abraham Dickan, um homem de 79 anos de idade, entrou em uma loja da AT&T com um revólver Magnum .357 na mão e, no bolso, uma lista de seis empregados que planejava matar. Ao ouvir o primeiro tiro, Donald J. Moore, um policial à paisana, sacou sua arma pessoal e matou o atirador antes que ele pudesse completar seu plano. Um funcionário foi ferido no tiroteio.

6 – Escola de ensino médio em Sullivan, Tennessee – 30 de agosto de 2010

Quando um homem de 62 anos de idade armado com duas pistolas invadiu a Sullivan Central High School, em Tennessee, ele foi imediatamente confrontado pela agente de segurança da escola, Carolyn Gudger. Colocando-se na frente de um estudante para protegê-lo do atirador, ela ficou dez minutos trocando tiros com o invasor, movendo-o para uma área menos movimentada da escola. Quando os policiais chegaram ao local, uma breve troca de tiros ocorreu, terminado com o invasor morto.

7 – Igreja Batista Freewill, Boiling Springs, Pennsylvania – 25 de março de 2012

Aaron Guyton estava dentro do prédio de jogos da igreja de seu avô quando viu Jessie Gates, um membro da congregação, retirando uma espingarda de seu veículo. Aaron entrou em ação, trancando as portas da igreja onde um culto ocorria naquele momento. No momento em que Gates arrombou uma das portas laterais e apontou a espingarda para o pastor Henry Guyton e vários paroquianos, Aaron o colocou sob a mira de sua pistola e ordenou que se rendesse, o que efetivamente aconteceu. Ninguém ficou ferido.
Jessie Gates já havia sido condenado por outros crimes e impedido de possuir ou portar armas. Gates foi julgado mentalmente incapaz e sua irmã, que o ajudou no plano, foi condenada a um ano de prisão.

8 – Shopping Clackama Town Center, Portland, Oregon – 11 de dezembro de 2012

Duas pessoas morreram e um terceiro ficou gravemente ferido quando um atirador, Jacob Tyler Roberts, de 22 anos, armado com uma AR-15 roubada e usando uma máscara de hóquei invadiu o local e abriu fogo na praça de alimentação lotada, matando duas pessoas e ferindo uma terceira. Nick Meli, cliente do shopping, apontou uma Glock 22 pessoal contra o atirador quando percebeu que a AR-15 havia emperrado, fazendo com que o atirador imediatamente corresse para as escadas rolantes, descesse um andar e se matasse. Meli não efetuou disparos, mas as autoridades dizem que sua ação impediu que o atirador continuasse o ataque, levando-o ao suicídio. Jacob disparou um total de 17 balas, incluindo a que o matou, e tinha mais 128 balas a disposição de acordo com a polícia.
O Clackama Town Center é declaradamente uma “zona livre de armas”.

9 – Boate Mystic, Portland, Oregon – 11 de janeiro de 2014

Depois de ter sua entrada na boate negada por comportamento perigoso e comentários racistas no começo da noite, Thomas Elliott Hjelmeland voltou com um revólver e usando uma máscara de Halloween. Assim que entrou no Mystic, Hjelmeland abriu fogo, atingindo um segurança, o dono do local e uma garçonete. Outro segurança, Jonathan Baer, sacou sua arma e matou Hjelmeland.
Após o ataque, Baer postou no Facebook: “Fiz o que considerei certo para parar o atirador. Porto minha arma todos os dias e continuarei a fazê-lo com a esperança de que nunca tenha que usá-la novamente.”
Baer foi julgado pela justiça e considerado inocente por ter atuado de forma justificada em defesa dos presentes na boate.

10 – Canteiro de obras em Austin, Texas – 30 de abril de 2014
Jesus Delarca-Reyes, 20 anos, havia sido demitido há duas semanas de um canteiro de obras e retornou ao local para abrir fogo contra os ex-companheiros de trabalho. O mestre de obras sacou sua arma pessoal e trocou tiros com o atirador, ferindo ambos e impedindo que o ataque continuasse ou que qualquer outra pessoa se ferisse ou fosse morta. Outros trabalhadores da obra renderam Delarca-Reyes até que a polícia chegasse.
11 – Hospital de Cache Valley, North Logan, Utah  – 16 de maio de 2014
Armado com duas pistolas, Jason James Burr, 34 anos, invadiu a sala de emergência do hospital e começou a fazer exigências, por fim dizendo aos funcionários do hospital que “gente vai morrer hoje”. Enquanto um segurança do hospital tentava manter o foco do invasor, dois policiais à paisana que estavam no hospital se aproximaram do invasor em outra direção. O invasor levou três tiros e morreu na hora. Nenhuma outra pessoa se feriu.
12 – Hospital Mercy Fitzgerald, Darby, Pennsylvania  – 25 de julho de 2014
Um paciente da clínica psiquiátrica, Richard Plotts, de 53 anos, assassinou uma assistente social a queima-roupa e depois atirou diversas vezes contra seu médico, Lee Silverman. Antes que o atirador pudesse sair da seção psiquiátrica para continuar a matar, Silverman sacou sua arma pessoal e atirou três vezes contra o paciente, matando-o. A polícia afirmou posteriormente que Silverman era um herói que salvou a vida de dezenas de pessoas.
Advertisements

Facebook Comments

5 Responses to “12 casos em que pessoas armadas impediram assassinatos em massa”

  1. Agro Mecânica Tatui Says:

    É assustador as atitudes de seres humanos. Alguns comentaristas esportivos e pessoas envolvidas com a mídia tem usado a seguinte expressão ou algo parecido “Onde foi que erramos”. A única verdade é que a pseudo liberdade que o ser humano adquiriu sem levar em conta certos limites tem cobrado um preço muito alto e infelizmente não tem volta e estamos a cada dia caminhando para fim um fim devastador!

  2. Stephane Guilhermino (@superzeh) Says:

    É preciso entender que a relação da população americana com as armas é diferente de qualquer outro lugar no mundo… A constituição garante, em sua segunda emenda, o direito de se portar armas. Por quê? Por que na época em que foi escrita, os EUA estavam no meio da guerra de independência com a Inglaterra, e o direito de se ter armas era de defesa contra o inimigo externo que poderia a qualquer momento, tomar o país. Além disso, depois tivemos a Guerra Civil, onde estados do norte e do sul lutaram em cima da questão escravagista.

    O Brasil nunca passou por esse tipo de coisa. O máximo que tivemos foi uma Guerra do Paraguai, onde contamos com a ajuda de Argentina e Uruguai para fazer um verdadeiro massacre, matando, ao final, crianças e mulheres. Nunca tivemos um espírito belicoso, muito pelo contrário.

    Junte a isso o fato do povo brasileiro ser extremamente afeito aos direitos, mas nem tanto aos deveres. Dá pra se ter uma ideia do que deve acontecer não?

    As pessoas vão querer comprar armas simplesmente por que “tem o direito”, não por necessidade. E aí qualquer briga de trânsito, de bar, de casal com certeza vai terminar em tragédia, afinal de contas, quando se está com o “berro” na cintura, o sujeito é o cara mais macho do mundo.

    E não adianta argumentar “Ah, é só termos leis severas para se conseguir ter porte de arma”. Num país onde as leis “pegam”? Num país onde a corrupção e o jeitinho brasileiro imperam?

    Falar também que “o bandido vai pensar duas vezes antes de assaltar, pois não sabe se sua vítima está armada” é pura balela. O bandido sabe que sua vida não será longa, para ele matar ou morrer é uma questão de tempo… É claro que se você puxar a arma ele vai correr, ou trocar tiros, por que é do instinto humano. Mas dizer que ele vai pensar na possibilidade de sua vítima ter uma arma, e levar isso em conta pra saber se assalta ou não, é muita ingenuidade.

    Sinceramente, se já somos o país em que mais se mata com arma de fogo no mundo, tendo uma lei rígida sobre o controle de armas como temos, se liberarmos o porte, tenho certeza que viveremos um filme de bangue-bangue todos os dias, em qualquer lugar. E a maioria dos mortos não será quem defende o uso de armas. Será justamente quem é contra elas.

  3. Stephane Guilhermino (@superzeh) Says:

    É preciso entender que a relação da população americana com as armas é diferente de qualquer outro lugar no mundo… A constituição garante, em sua segunda emenda, o direito de se portar armas. Por quê? Por que na época em que foi escrita, os EUA estavam no meio da guerra de independência com a Inglaterra, e o direito de se ter armas era de defesa contra o inimigo externo que poderia a qualquer momento, tomar o país. Além disso, depois tivemos a Guerra Civil, onde estados do norte e do sul lutaram em cima da questão escravagista.

    O Brasil nunca passou por esse tipo de coisa. O máximo que tivemos foi uma Guerra do Paraguai, onde contamos com a ajuda de Argentina e Uruguai para fazer um verdadeiro massacre, matando, ao final, crianças e mulheres. Nunca tivemos um espírito belicoso, muito pelo contrário.

    Junte a isso o fato do povo brasileiro ser extremamente afeito aos direitos, mas nem tanto aos deveres. Dá pra se ter uma ideia do que deve acontecer não?

    As pessoas vão querer comprar armas simplesmente por que “tem o direito”, não por necessidade. E aí qualquer briga de trânsito, de bar, de casal com certeza vai terminar em tragédia, afinal de contas, quando se está com o “berro” na cintura, o sujeito é o cara mais macho do mundo.

    E não adianta argumentar “Ah, é só termos leis severas para se conseguir ter porte de arma”. Num país onde as leis “pegam”? Num país onde a corrupção e o jeitinho brasileiro imperam?

    Falar também que “o bandido vai pensar duas vezes antes de assaltar, pois não sabe se sua vítima está armada” é pura balela. O bandido sabe que sua vida não será longa, para ele matar ou morrer é uma questão de tempo… É claro que se você puxar a arma ele vai correr, ou trocar tiros, por que é do instinto humano. Mas dizer que ele vai pensar na possibilidade de sua vítima ter uma arma, e levar isso em conta pra saber se assalta ou não, é muita ingenuidade.

    Sinceramente, se já somos o país em que mais se mata com arma de fogo no mundo, tendo uma lei rígida sobre o controle de armas como temos, se liberarmos o porte, tenho certeza que viveremos um filme de bangue-bangue todos os dias, em qualquer lugar. E a maioria dos mortos não será quem defende o uso de armas. Será justamente de quem é contra elas.

  4. Alessandro H.R. Says:

    o problema não são as armas como a mídia por seus militontos esquerdistas querem passar, o problema é o q está segurando ela!

    o problema está no ser humano, por isso os esquerdopatas se aproveitam de alguns casos e usam como “causas” para ganhar multidões, e usa-los pra ganhar votos.

  5. André Brockhof (@brockhof) Says:

    Essas são noticias não são veiculadas por aqui apenas por uma razão, os meios de comunicação irresponsáveis infestados de equipes esquerdopatas e claro quando se tem governos canalhas como o que tínhamos voltados para o populismo esquerdóide dá na lavagem cerebral que temos em todos os lugares, nas escolas dede a infância eles ensinam que ser de direita é errado, que é a causa de todos os problemas e finaliza nos cursos superiores(que não tem nada de superiores) podres.
    Enquanto se usar um método de um esquerdopata como o paulo freire só vamos formar analfabetos, vergonha total, cada dia só vemos “profissionais” que aprenderam apenas o que o partido quis.
    braZil é a vergonha mundial, cada dia mais esta sendo tirado o véu que muitos tentavam manter para esconder as barbaridades que é esse país, prova é que somos o país com mais homicídios em todo o mundo! Países em guerra, dominas pelo terrorismo não conseguem bater a gente!!!
    De repente todos estão reclamando da quantidade de estupros que parece uma epidemia, mas vamos lembrar que os tais estupradores foram formados pelos esquerdopatas, e agora estão reclamando?
    Esse lixo de país já deu, se não tivermos vergonha na cara e não começarmos a fazer algo só vai piorar.

Deixe uma resposta


%d blogueiros gostam disto: