Advertisements

A ganância mortal de quem faz a Copa do Mundo no Brasil

morte

“Ele foi contratado como ajudante, não montador. Nem passou por um treinamento. Ele não tinha experiência para estar naquela altura”

“Nem o encarregado e nem o técnico de segurança estavam lá em cima para ver se estava tudo certinho”

“Ele trabalhava de segunda a sábado, 12 horas por dias, mas tinha dia que chegava a 13 horas e meia”

“Esta semana iria começar um novo esquema de segunda a segunda.”

Os depoimentos acima, publicados na FOLHA de hoje, são de um colega e da irmã do operário Fabio Hamilton da Cruz, morto, recentemente, nas obras do “Fielzão”

Facebook Comments
Advertisements

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: