Advertisements

WTORRE anuncia perda de registros importantes do ano em que iniciou conversas com o Palmeiras

wtorre

A WTORRE publicou, hoje, na página B9 do Estadão, um comunicado, em letras miúdas (ampliadas pelo blog), dando conta da perda de livros importantes de sua gestão.

Entre eles, o de Registro de Atas das Assembleias Gerais, das Reuniões do Conselho de Administração, de presença de Acionistas, e, o importantíssimo, que relata transferência de Ações.

Todos datados de 2006, período em que iniciou conversações com Della Mônica, presidente à época do Palmeiras, para a negociação da reforma da Arena Palestra, que, por sinal, até hoje, não foi finalizada.

Um descuido providencial, às vésperas da arbitragem que decidirá alguns termos do contrato, em que, certamente, documentos seriam analisados, além de demonstrar o nível de responsabilidade da empresa que deverá gerir o estádio palestrino, nos próximos anos.

wtorre livros

Advertisements

Facebook Comments

31 Responses to “WTORRE anuncia perda de registros importantes do ano em que iniciou conversas com o Palmeiras”

  1. Carlos Napolis Says:

    Porks, pronuncie-se Suíno Róseo.

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  2. Osvaldo SEP Says:

    Ali no texto diz que ele snão substituir com docs arquivados na JUCESP, mas ca pra nos, quem vai fazer a arbitragem, não lev aisso em conta ? Do tipo, voce não consegue nem guardar um livro ?

  3. Gustavo Leite Says:

    Melhor para o Palmeiras, pois se ele não tem registro das conversas, vale somente os documentos que o Paulo Nobre apresentar, claro, ganhando o Palmeiras …

  4. Fred - Corinthians Gaivotas Fiéis. A única torcida Gay do Brasil Says:

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    as porqueiretes irão comer o pão q o diabo amassou

    Aliás, amassou “in loco”, pelas mãos do proprio Walter Torre

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Essas portumeiretes são uma piada

    Enquanto isso, o playboyzinho pilotinho de rali deve estar preocupado em sua nova aquisição….seu novo brinquedinho pra ele pilotar

    clubezinho mediocre!! sem sal sem açucar!!

  5. Carlos Napolis Says:

    Que espetáculo, de uma das torcidas mais fanáticas do mundo. É uma pena que tenha tantos fans exageradamente moderados no futebol tupiniquim…

    http://www.youtube.com/watch?v=Lp22ziCYqfU

    Sobre o assunto do post, não surpreende. Bom que sirva para baixar a bola de alguns suínos rosinhas por aqui…

  6. Osvaldo SEP Says:

    “A psicologia afirma que o fanatismo surge a partir da necessidade de segurança que sentem as pessoas que são precisamente inseguras. Trata-se de uma espécie de compensação perante um sentimento de inferioridade.”

  7. Carlos Napolis Says:

    Moderados em excesso são covardes na essência.

    No futebol mais atraente do mundo, as torcidas são as mais fanáticas. Onde ocorrem os maiores espetáculos futebolísticos. Aliás, nos demais esportes também.

    Politicamente correto é atitude de fracos e medrosos sem firmes convicções.

    Todos têm suas inseguranças, afinal todos têm necessidades. Não existe nem um ser na face da Terra que não tenha necessidades e inseguranças.

    Ser fanático por futebol, por esportes, ser patriota. São fanatismos positivos da sociedade.

    Fanatismo no futebol é paixão, não doença.

  8. anti_corru_PT_os Says:

    o GOLPE do estádio! Wtorre segue ENCANTANDO a bugrinada Bi-rebaixada…

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  9. Richie Says:

    Verdade Napolis saBICHONA, vc p exemplo é o fanatico + imbecilizado q já vi
    KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

  10. Carlos Napolis Says:

    Calma Ricky………….kkkkkkk

    É você que vai cantar na abertura da copa no Gaivotão…….kkkkk

  11. Osvaldo SEP Says:

    Napolis, voce conhece areia movediça ? Quanto mais voce se mexe, mais voce afunda #FICADICA

  12. Says:

    Osvaldo SEP Disse:
    fevereiro 11, 2014 às 10:11 am
    “A psicologia afirma que o fanatismo surge a partir da necessidade de segurança que sentem as pessoas que são precisamente inseguras. Trata-se de uma espécie de compensação perante um sentimento de inferioridade.”

    Texto reflete muito desse povo desesperado para falar mal do palmeiras… Eu entendo essa noticia do paulinho como boa para nós, parece que gravaram essas reuniões

  13. Carlos Napolis Says:

    Osvaldo, SEP, você caiu na teia de sua própria contradição. Sem fanatismo não há torcida e sem torcida não há futebol.

    Experimente pesquisar quais são os torcedores mais fanáticos do mundo e verá o quão forte são os clubes para o qual eles torcem, mesmo que regionalmente.

    Você é torcedor de sofá, acomodado, ao estilo de mulheres quando torcem em períodos de Copa do Mundo. PASSIVO.

    Pastar bem!!!

  14. ITAQUERENSE Says:

    a Wtorre dando mais um golpe no timinho bi-rebaixado, isso não tenho duvidas! ela vai mostrar a que veio pra desespero pros doentes que acham que o timinho agora virou o barcelona mas convenhamos não passa de uma piada verde! pode até ganhar alguns joguinhos contra timinhos insignificantes, mas nao vai sair do ostracismo, pois nasceu para disputar a serie B e perde mais torcedores por ano que todos os times brasileiros!
    O estadio esse todos ja sabem que pertence a Wtorre e cada dia esse time se enrola mais ainda com essa construtora que por esses motivos vai se tornando cada vez mais dona do chiqueirão!

  15. Marcos Says:

    Que cara-de-pau dessa W Torre. Acham que ninguém vai suspeitar da tremenda “coincidência”.

  16. Marcos Says:

    E segundo o Carlos Napolis, “Fanatismo no futebol é paixão, não doença.”

    Fale isso para os parentes e as vítimas da “paixão” dentro e ao redor dos estádios, “paixão” nas estações de metrô, etc.

    Afinal, quando esses grupos de “apaixonados” se encontram, rola um “romance” danado, né?

  17. Jones 8-1-1 Says:

    mais uma evidência de que o Palmeiras tem razão nessa história

  18. Alviverde/SP Says:

    “Descuido” mais providencial, impossível…
    Mas nessa, a WTorre pode se dar mal.

  19. Jose Says:

    Esse Water Torre é uma piada mesmo…………..como que o Beluzzo foi se meter com esse tranbiqueiro?

  20. Osvaldo SEP Says:

    Napolis, não sei sua idade, mas voce deve ser bem cabacinho metido a intelectual, não cai em contradição nenhuma, voce que é doente,, voce que acha que DEVE existir fanatismo, e como sabemos FANATISMO é DOENÇA.

    Voce nem tem ideia de quantos jogos eu ja assisti no estadio, e deixei de ir porque LIXOS como voce que são fanaticos me deram motivos para não ir mais.

    Em bando são valentes, um a um, a merda escorre pelas pernas.

    LIXOS como voce defende são os maiores causadores de mortes e destruições em estadios, metrôs e confrontos marcados pela Internet.

    É sempre assim, o DOENTE nunca admite que é.

    E voce vomitando a seguinte frase só mostra o quanto é debilitado

    “Experimente pesquisar quais são os torcedores mais fanáticos do mundo e verá o quão forte são os clubes para o qual eles torcem, mesmo que regionalmente.”

    Eu sou de uma epoca onde torcedores estavam lado a lado, torciam, e não existiam agressões, só os bebados enchiam o saco mas logo tomavam borrachadas e ficavam na miuda.

    Tenho 49a. ja vi muitas coisas em estadio, voce é um cabação que se acha malandro sendo “FANATICO”, desculpe, voce é doente, volto a repetir o texto.

    “A psicologia afirma que o fanatismo surge a partir da necessidade de segurança que sentem as pessoas que são precisamente inseguras. Trata-se de uma espécie de compensação perante um sentimento de inferioridade.”

    Vai se tratar garoto, eu não vou ficar batendo palma para otario dançar.

  21. Carlos Napolis Says:

    Prezado Marcos. Há paixão e fanatismo na Europa sem violência. Falo disto, mas você deturpa completamente.

  22. Osvaldo SEP Says:

    E o ITAQUERENSE que é Tricoflor, allias, deve ser o FRED, colcoa no nome dele link de um Blog de fofoca de novela, e depois não quer ser zuado ?

    AHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHA

  23. Carlos Napolis Says:

    Osvaldo SEP, se partiu para ofensas, já perdeu completamente a razão e sinto-me a vontade para continuar mostrando como você caiu em sua própria contradição. Demonstra ser um fanático por convicções boçais. Você tem 49 anos, mas está na idade do pós coito em matéria de mentalidade. Agarrou-se a um conceito que leu em qualquer bloguezinho e está babando sujeiras através dos dedos em seu teclado.

    Na sua visão, os fanáticos por esporte, por futebol, por coisas boas, são os violentos, os assassinos, os criminosos. Que imaginação pobre, preconceituosa e LAMENTÁVEL. Nem de torcida organizada sou. Nunca fui, mas me considero um torcedor fanático, vou sempre a estádios e torço pra valer mesmo. Mas jamais praticaria violência contra alguém.

    No passado sempre houve fanáticos capazes de promoverem invasões de torcidas em outros estados. Sempre haverá fanáticos que promovam o espetáculo chamado futebol. É a paixão. Só para você se atualizar, os torcedores alemães, ingleses, italianos mais fanáticos são chamados ultra. É negativo? Claro que não. São violentos? Claro que não. São artistas do espetáculo? Claro que sim.

    Não cometa a falha de colocar tudo no mesmo caldo do caldeirão da generalização burra.

    Tinha você em outro conceito por aqui, mas após o que li em seu último comentário, francamente, demonstrou ser mais um LIMITADO BOÇAL.

    Pastar bem!!!

  24. Osvaldo SEP Says:

    Carlos Napolis, escreva o que quiser, caguei e andei para sua opinião, só que nenhum bosta vai me chamar de covarde sem me conhecer.

    Vai doente, vai se tratar

  25. Aaaaiii Corintiaaasss - grito dos Gaivotas Fieis Says:

    Me chamou de doente e inúmeros outros adjetivos. Então, foi chamado de COVARDE!

    Ok, passivo?

    Pastar bem!!!

  26. Osvaldo SEP Says:

    Discutir com FANÁTICOS é o mesmo que jogar xadrez com um pombo: ele defeca no tabuleiro, derruba as peças e sai voando cantando vitória.

  27. Thiagão Says:

    Esse sujeito tá nadando no dinheiro e ainda fica dando uma de João Sem Braço….

  28. Julio Botegli Says:

    Meu nome é Sociedade Esportiva Palmeiras, e estou celebrando meus 100 anos de idade no proximo dia 26 de Agosto. Nasci em 1914 , vinte e nove dias após o início da primeira guerra mundial. Devo dizer que nasci com a colher de ouro na boca, ao contrário dos meus pais. Sou filho de pais italianos que imigraram para o Brasil, no final do século XIX. Juntamente com minha mãe e avós um grande número de imigrantes italianos vieram para o Brasil para trabalhar na lavoura do café. Os imigrantes fugíam das guerras, perdas de propriedades em seu país de origem. Por aqui as coisas não foram nada diferentes para eles.

    Meu pai chegou ao Brasil sete anos antes de minha mãe. O sonho que ambos tinham de se reencontrarem e se casarem se concretizou somente na virada do século. No mesmo navio, em direção ao Brasil meu pai fez amizade com uma pessoa também do sul da Itália. Conversavam muito, falavam dos planos, dos sonhos que tinham entre mordidas no pão duro, no queijo ressaquido enquanto bebiam algum vinho. O porto de destino de ambos era Santos, porém teriam, que fazer uma parada para vistoria de carga no Rio de Janeiro. No desembarque, o pouco dinheiro e mercadoria que o amigo trazia para inicicar seus negócios desapareceram. Em Santos, meu pai e amigo se separaram. Meu pai ajudou o amigo com a passagem de trem e algumas provisões em direção ao interior de São Paulo, enquanto meu pai seguia para outra localidade.

    Como atrativo para os imigrantes italianos após a libertação dos escravos ,o governo brasileiro ofereceu pequenos pedaços de terra no interior do Estado de São Paulo. A terra foi oferecida aos escravos que haviam se tornado livres, porém os abolicionistas rejeitaram a oferta. Para eles, era algo indigno para os ex-escravos continuarem o mesmo tipo de trabalho braçal que fizeram durante três séculos. O Brasil ficou sem mão de obra para a lavoura da noite para o dia. Os recem libertos escravos batiam no peito e bebendo, cantavam cheios de júbilo a tão desejada e justa libertação. Porém, quando despertaram da longa euforia, eles não mais viviam nas senzalas ,mas em mocambos, em palafitas, em favelas e nos cortiços das grandes cidades.

    Tanto os negros, como os imigrantes italianos eram colocados em um mesmo patamar de inferioridade na época. Sinto orgulho das minhas origens. Eu não as escondo de ninguem, nem tampouco invento detalhes, e omito particularidades que foram muito além que simples reuniões sem caráter oficial no Bom Retiro para a formação de uma agremiação. Um pequeno grupo de italianos e espanhóis decidiu fundar uma equipe de futebol na primeira década do século XX em São Paulo. Houve uma série de discórdias nas reuniões, e meu pai e os amigos se retiraram e decidiram fundar uma outra equipe de futebol o mais distante do grupo de espanhóis o quanto possível. Meu pai e amigos tinham em mente uma equipe que representasse a colonia de imigrantes italianos que crescia vertiginosamente Meu pai trabalhava na época em uma empresa na Água Branca que pertencia ao amigo que conheceu no navio alguns anos antes. O amigo havia se tornado um próspero comerciante e ajudou meu pai e os três amigos a me trazerem ao mundo. Recebi na pia batismal o nome de Palestra Itália.

    O tempo foi passando e fui crescendo robusto e feliz. O meu padrinho de batismo, o próspero comerciante, bem como meu pai nunca deixaram por um só momento de ter o cuidado necessário para comigo. Meu padrinho me deu muitos presentes e dele recebi a construção do primeiro estádio de futebol com arquibancadas de concreto na América do Sul. Tanto a primeira como a segunda guerra mundial são marcos importantes na minha existência. As minhas vitórias foram conquistadas com trabalho, honestidade e suor e minhas conquistas despertaram a inveja e o ódio em muitos. Por causa da segunda guerra, tive que trocar o meu nome de Palestra Italia para Palmeiras. O nacionalismo geo-fágico embotava o raciocício lógico de alguns. O Decreto Lei partiu do Palácio do Catete, cujo chefe da nação e todo o seu ministério eram ferrenhos partidários do Nazi-Fascismo. A mudança de nome não alterou o meu destino. Mataram um lider, mas das suas cinzas nasceu um campeão.

    A mudança de nome era muito pouco para a sordidez do arianismo cabloco. As aves sarcófagas investiram contra mim e quizeram se apoderar de mim por inteiro. A troca de nome apenas, era muito pouco. Embora o meu padrinho já não mais vivesse o peso do seu nome manteve a rapinagem afastada, mas não a voracidade das suas investidas. O nacionalismo come terra partiu em direção ao leste da cidade , saqueou e se apodereu da propriedade do Germânia. Chorei muito a morte de irmãos, parentes e amigos e sucumbiram às balas alemãs nos campos italianos e foram sepultados em Pistoia. A tranquilidade somente voltou ao saber que seus corpos foram transladados e enterrados em terras brasileiras alguns anos mais tarde.

    Germanistas infestavam o Palácio do Catete. Dali, durante anos saiam interventores para todos os estados do Brasil. O Estado de S.Paulo tinha um desses interventores a comanda-lo. Para que se tenha idéia quem eram os verdadeiros Nazi/Fascistas, o antigo interventor e governador do estado, tinha uma Força Policial de quase 50.000 soldados sob seu comando.
    O interventor de outrora, se torna governador e elege o seu fantoche substituto para próximo quadriênio no estado. O mamulengo cede ao São Paulo algumas centenas de milhares de terra para a construção de um estádio de futebol no Jardim Leonor. Terras pertenciam ao antigo interventor e ex-governador.

    Dados que vem a seguir são estarrecedores e comprometedores. Foi iniciado o butim do Banco do Estado de São Paulo, o Banespa durante a gestão dos mesmos arianos caribocas que sequestraram o Germania. A pequena besta toma posse no governo do estado no dia 6 de 6 de 1966 às 6 horas da tarde. Todos sabemos quem veio para roubar, dilapidar,, enganar e mentir. Os embaixadores do diabo conhecem as Escrituras melhor que ninguem. Estava tudo muito claro, mas a cegueira tomou conta de todos.
    Foi o início da pilhagem ao tesouro do Banespa

    Estou fazendo cem anos de vida. Sempre gozei de muita saude e viverei eternamente. Claro que uma gripe ligeira aqui outra acolá me incomodam. Casos de homofobia são totalmente irrelevantes. Parece que alguns assumiram depois que foram para outros lugares. Aqui para nós, um ou outro caso em centenas de milhares de jogadores em 100 anos de existencia é muito pouco, não acham?
    Vou além, tive um jogador que me deu muitas alegrias, por haver feito um gol decisivo em uma Copa super importante. Pois bem, esse jogador, depois que passou por aqui, foi preso como receptador de mercadorias roubadas. Triste. Porém, que diferença há no crime cometido por ele, ou por aqueles que roubam da maioria dos seus adeptos que a verdadeira origem os empurra para as barrentas e fétidas margens do Tietê; que saquearam o maior Banco do Estado de S.Paulo, para construir um estádio; ou que se apropriaram indevidamente do escudo de uma equipe fundada vinte anos antes,

    Pesquisas são tendenciosas, momentânea e seguem uma vertente. Uma pesquisa agora não seria de bom grado para muitos. Quanto ao jogo em que eu poderia ter caido para a segunda no paulista, devo dizer que o Guarani fez de tudo para me derrotar. O jogo não valia nada para eles. Se fosse jogo facilitado o Bugre poderia ter escalado o roupeiro nas balizas. O jogo terminou empatado. Eles ainda estavam magoados por que o primeiro gol no Brinco de Ouro foi marcado por mim, quando da inauguração do estádio. Não houve penaltis escandalosamente marcados, ou deixados de ser consignados, gols em impedimento, jogador tirando a bola de dentro do gol, gols legitimos anulados de forma gritante, um governador de estado sentado no banco de reservas no meio dos jogadores, numa clara intimidação a um juiz totalmente desequilibrado, e outras coisas mais. Tudo o que foi mencionado com relação à partida, foi coisa da imprensa marrom.

    Sou rico, e nasci em berço esplêndido, graças aos meus paisanos que me ajudaram a crescer nesta vida. Nunca adquiri um só tijolo com dinheiro público. Nesses cem anos de vida tive alegrias e tristezas, mas tenham certeza que os momentos alegres suplantam em muito os momentos de mágoas.

    Assinado – porco, pork, periquito, hulk, e muitos outros mas acima de tudo para sempre Palmeiras

  29. Eduardo Benatti Says:

    O Palmeiras teria as reuniões gravadas. Sr Walter Torre quis dar de joão-sem-braço e agora vem com essa. Vamos entrar num acordo bom para ambas as partes, afinal, os rivais não vêm a hora de conhecer a Arena mais moderna do Brasil!

  30. Richie Says:

    Ow Napolis saBICHONA, td bom aí? Vc diz q eu q falo sobre boiolice, mas é vc q adoooora falar sobre isso, já percbeu nas suas respostas? KkkkkKKKKKKKKKK Q baitola imbecile!!

  31. Carlos Napolis Says:

    Palmeiras dá calote até em torcedores
    Jogadores, técnicos, empresários, investidores… A lista de credores do Palmeiras também inclui torcedores endinheirados e está causando dor de cabeça ao presidente, Paulo Nobre, apesar de a dívida ter sido feita na gestão de Luiz Gonzaga Belluzzo.

    É que 65 pessoas do Eternos Palestrinos, grupo de fãs palmeirenses, fez vaquinha e emprestou R$ 2,5 milhões ao clube em 2010, para a contratação de Valdivia.

    A promessa era de que o valor seria devolvido até agosto do ano passado, sob pena de o clube ter de destinar 30% das rendas de seus jogos até a quitação. Pelo menos metade dos palmeirenses ficou no prejuízo.

    Um deles cobra agora, na Justiça, os R$ 25 mil emprestados, acrescidos de juros e multa de 50% prevista no item 5.3 do contrato. Trata-se de Antonio Carbonari Netto, dono das Faculdades Anhanguera.

    A juíza Ana Lúcia Xavier Goldman deu três dias ao Palmeiras para quitar a pendência de R$ 65.039,83, sob pena de penhora de bens.

    http://blogdopaulinho.wordpress.com/2014/02/11/wtorre-anuncia-perda-de-registros-importantes-do-ano-em-que-iniciou-conversas-com-o-palmeiras/

Deixe uma resposta


%d blogueiros gostam disto: