Advertisements
Anúncios

Os PMs e a legítima defesa

pm rapaz baleado

Desde a divulgação do episódio de mais um confronto entre policiais militares e vândalos que se dizem manifestantes, em São Paulo, emiti opinião favorável à ação policial, que defendeu a população e agiu, rigorosamente, com os que se excederam.

Aliás, como deve ser.

Sou favorável às manifestações, e até participei de algumas – como as que pediam a queda de Ricardo Teixeira – mas absolutamente contrario aos excessos dos que se aproveitam da situação para, de maneira covarde, delinquir, roubar, etc.

Nenhum enfrentamento policial ocorreu até que patrimônio público (pontos de ônibus, etc,) , privado (um fusca velho, vejam só !), e população em geral fossem colocados em risco.

Tratei a postura como exemplar.

Fui enxovalhado por pseudos intelectuais, ativistas de cadeira e até alguns amigos que diziam: “exemplar ? e o rapaz que foi baleado ?”.

Pois é.

Eis que, felizmente, surgiu o vídeo que absolve, de maneira categórica, os PMs envolvidos no episódio.

O tal rapaz, com bomba na mochila e estilete na mão, corre da polícia, em determinado momento, para, dá a volta e claramente parte para cima de um dos policiais, que, caído no chão, seria vítima fácil para qualquer ação letal.

O parceiro do PM, sem pestanejar, tendo à sua frente um quadro de marginal atacando policial, com risco de, no mínimo, machucá-lo gravemente, atira, em legítima defesa, tomando o cuidado de não matá-lo.

No fim, em demonstração de honradez e humanidade, descumpre norma de sua própria corporação, e socorre o indivíduo, sendo que, muitas vezes, de maneira equivocada, ressalte-se, outros, na mesma situação, partiriam para a vingança.

Atacados por parte da população, influenciados, as vezes, pelos discursos de quem não entende a realidade das ruas, ou pretende levar alguma vantagem, seja politica ou ideológica com o episódio, os policiais deveriam ser condecorados.

Já o rapaz, que claramente utilizava-se da manifestação para possível prática de delinquência, tentando ainda reagir à prisão com ataque violento, deveria ser submetido a exame toxicológico, que talvez explicasse a insanidade de seu procedimento.

Ah ! Dirão alguns analistas, como um professor da FGV que desandou a dizer besteiras, ontem, na Globo News: “Foi desproporcional ! O garoto estava com um estilete, e os policiais com arma de fogo…”.

Como se estiletes na garganta não matassem…

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

×
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: