Advertisements

Rafinha não aceitou pagar comissão para jogar no Corinthians

Pró-Memória: o dia em que Mano Menezes fugiu do Blog do Paulinho

Estavam adiantadas, semanas atrás, as conversas para a contratação do lateral Rafinha, destaque no Bayern de Munique, pelo Corinthians.

Os dirigentes do clube tinham tanta certeza do “martelo batido”, que a voz do clube na imprensa foi acionada, e já dizia, em todos seus comentários, mesmo em pautas que não envolviam o Corinthians, que se tratava de um “baita” jogador.

De repente, o que estava certo se desacertou.

Rafinha renovou com a equipe alemã, mas desconversou sobre as tratativas com o clube de Parque São Jorge.

Nos bastidores, porém, deixou bem claro os motivos de sua decisão, dizendo o que, certamente, jamais confirmará publicamente:

“Os clubes se acertarem na comissão, tudo bem, agora tirar do meu (salário) para dividir com terceiros… não preciso disso…”

O desabafo do lateral ocorreu em recente conversa com gente ligada a negociadores do futebol.

Advertisements

Facebook Comments

33 Responses to “Rafinha não aceitou pagar comissão para jogar no Corinthians”

  1. Herbert Says:

    A famosa “taxinha” está de volta.

  2. ari Says:

    Paulinho: que opinião vc tem dos comentaristas da fox sports??? são confiáveis???? acho que tirando o PJ clermont e o rodrigo bueno o resto não presta!!!!! gostaria de seu comentário….continue Asim!!!!!

  3. MOSQUETEIRO Says:

    Tava demorando…

  4. Nuno Says:

    Bem-vindo, Mano. A gente sabe por que esse é o seu apelido. Coisa de mano, mesmo.

  5. Lucas yury Says:

    Responde ai Edu Gaspar,era vc que estava tratando da transferencia,e agora? fala presidente vc esta com a palavra.

  6. Claudio Maia Says:

    Não acredito nos tais negociadores do futebol, o fato é que trocar o Bayern de Munique clube campeão de tudo, um dos maiores da Europa o treinador é o melhor do mundo, o campeonato alemão é extremamente organizado além de tudo tem a champions league para disputar, o clube ofereceu ao atleta três anos de renovação contratual, ele não esta em final de carreira, a Alemanha é um pais maravilhoso, trocar tudo isso para voltar ao lixo do futebol brasileiro, seja por qualquer clube, para jogar um campeonato falido em todos os aspectos, isso se o campeonato brasileiro for em frente devido a processos na justiça comum, somente um surto lunático para o jogador trocar diamante por latão. Portanto os negociadores do futebol não precisam usar a teoria da conspiração nesse caso.

  7. ROBERTO MANDROVANNI Says:

    Seja lá o motivo, foi um bom reforço a sua “não” contratação.

  8. Casoares Says:

    Desejo muito boa sorte ao Corinthians, com esse treinador, certamente o clube vai precisar de toda a ajuda possível dos Deuses.

  9. Fred - Corinthians Gaivotas Fiéis. A unica torcida Gay do Brasil. Says:

    Roubar o clube das Gaivotas beijoqueiras, td bem…

    Agora querer roubar o jogador???

    Bixarada extrapolando seus limites

    Assim não da

  10. Jorge Says:

    Paulinho, antes de mais nada Feliz Natal a voce e seus leitores. A MSI santista do Renato Duprat (e quem sabe o Kia?) , tal de Doyen Sports, que comprou Damião e colocou na manjuba da baixada ofereceu primeiro o negócio ao Corinthians e São Paulo antes de oferecer para a sardinhada.
    O Blog http://memorias-sonhos-reflexoes.blogspot.com.br/ está explicando a operação que parece que foi descoberta pelo Perrone. Incrivel a falta de vergonha da manjuba do litoral. Que peixinho pequeno essa manjubinha ein? Venderam a alma ao diabo pra escaparem de vexames. Mas não vão escapar!

  11. Helvio Says:

    Mano Menezes já começou a trabalhar duro…

  12. compranatv Says:

    VC ACHA QUE MANO TA ERRADO? HOMEM DE ESQUEMA, ESTA NOS ESQUEMA DE TUDO. AGORA SEGUIR ANDRÊS E CORINTHIANS É O MESMO DEFENDER OS MAFIOSOS DO PT. OU MELHOR TUDO ISSO É O MESMO ESQUEMA. SE O POVO BRASILEIRO VOTA NESSA CAMBADA, E SUSTENTA ESSA CORRUPÇÃO. QUEM TA ERRADO É O POVO DO BRASIL.

  13. Marcos Says:

    Copa no Brasil? No, thanks…:

    American warns World Cup fans about Brazil police
    By JENNY BARCHFIELD

    The Associated Press

    RIO DE JANEIRO —
    Six years ago, Elizabeth Martin’s nephew Joseph was shot and killed by an off-duty police officer while out celebrating his 30th birthday in Rio de Janeiro. Now, Martin has a message for the hordes of foreigners set to descend on Brazil for next year’s World Cup: The next Joseph Martin could be you.

    Within Brazil, police have long been notorious for their links to organized crime, use of heavy-handed tactics including torture and even summary executions. Citizens often approach officers warily if at all, put off by the violent behavior of some police.

    Martin, whose nephew was gunned down following an altercation with police over a stolen purse, worries that foreigners oblivious to Brazilian officers’ reputation could unwittingly stumble into the kind of scuffle that cost Joseph his life. Although police violence in Brazil overwhelmingly targets the country’s poor and rarely affects foreigners, Martin has launched a campaign, “Don’t Kill for Me: Safe Games for All,” aimed at raising international public awareness of the issue — especially ahead of the wave of foreign visitors expected for the World Cup and the 2016 Olympics.

    “I think of police brutality as Brazil’s dirty little secret,” Martin said in a phone interview from her home in Massachusetts, where she stays in close contact with Brazil-based human rights campaigners and organizations representing the families of those killed by police. “People outside of Brazil have drunk the Kool-Aid of Brazil being this economic success story with beautiful beaches and bikinis and this side of it just isn’t discussed, it isn’t known.”

    Human rights campaigners and international organizations alike have long condemned Brazil’s police for routinely carrying out summary executions — often officially explained away as suspects “killed while resisting arrest.” A 2009 report by the U.S.-based group Human Rights Watch estimated police killed about 11,000 people in Brazil’s two largest cities, Rio and Sao Paulo, from 2003 to 2009, far more than the number of non-fatal civilian injuries and police fatalities in those same areas of operation. A damning 2008 United Nations report blamed police for a “significant portion” of the country’s approximately 48,000 annual slayings the year before.

    During protests over the past months, the U.S. Embassy issued travel advisories warning visitors to avoid demonstrations because of possible violence between police and demonstrators. The British government also warned of violence at demonstrations.

    Law enforcement authorities insist they’ve made great strides in reining in rogue officers, and indeed, Rio and other metropolises have seen a significant decline both in overall murder rates and “acts of resistance,” or people killed by police while allegedly resisting arrest. In Rio state alone, acts of resistance fell from their peak of 1,330 in 2007 to 415 last year, according to the state’s Institute of Public Security statistics agency, though some critics contend police are “disappearing” victims by hiding their bodies. That happened in a recent high-profile case involving a slum dweller whose apparent torture and killing by police sparked protests.

    Roberto Alzir Dias Chaves, a state sub-secretary for mega-events, says there’s been a sea change in police tactics, which he credits for reducing the number of police shooting cases.

    “Our numbers are still high, without a doubt,” acknowledged Alzir. “We could like to see much lower numbers, but we have to understand that this is part of a process. . These are the first steps, we’re still at the beginning of this process, but we’ve made great strides.”

    While officers used to be rewarded for using lethal force, earning cash bonuses for killing suspects as recently as around a decade ago, a quotas system put in place in 2009 now gives bonuses to the units with the lowest lethality rates. Earlier this month, Rio state shelled out nearly $26 million in bonuses to units that registered the biggest fall in police killings as well as a range of crime statistics in the first half of the year.

    Joseph Martin was plunged headlong into Brazil’s police brutality drama in May 2007, when an off-duty officer, Joao Vicente Oliveira, detained a boy who’d snatched a purse belonging to one of Martin’s friends, who were out celebrating his birthday at a popular Rio nightspot.

    The American, who had been living in Brazil for about two years and supported himself by teaching English, intervened, but the boy ran away. Witnesses said Martin was arguing with Oliveira when the officer fired three shots at the American. The officer would later allege he fired in self-defense after Martin tried to grab his weapon, but the prosecutor in the case, Viviane Tavares Henriques, said Martin “never went after the police officer’s gun or in any way threatened him.”

    Critics contend that despite the recent changes, the police’s culture of impunity remains intact.

    “The logic of the police hasn’t changed,” said Alexandre Ciconello, a public security specialist at Amnesty International’s Rio chapter, adding that changes in the way the statistics are compiled could be partly behind the downward trend. “It’s still based on repression, on this idea of combatting an enemy, and executions and torture still remain part of the police’s modus operandi.”

    Elizabeth Martin agreed that much remains to be done to root out impunity and corruption in Brazil’s police force, and pointed to the 2010 acquittal of the officer who shot Joseph in a nine-hour-long trial that the Martin family alleged was riddled with anomalies. The officer was himself gunned down by unidentified assailants several months after the trial, according to news reports.

    Since her nephew’s killing, Martin has made the plight of a country thousands of miles away her personal cause. She quit her full-time job as a Harvard University director of administration to devote herself to her campaign. She’s travelled to Rio and participated in meetings, conferences, marches and other demonstrations with groups representing the mothers of those killed by police, determined to use her nephew’s death to make a difference.

    Among the demands in an online petition she launched last month is giving officers in all 12 World Cup host cities training in low-lethal policing techniques.

    “My goal is to get international pressure to get some real and lasting changes,” Martin said. “I want to keep other families from having to go through what our family has been through.”

    Copyright The Associated Press

  14. Luiz Says:

    Claudio Maia, sem contar que agora ele está sendo titular, uma vez que o Guardiola deslocou o Lahm (capitão do Bayern e titular da seleção alemã) para o meio-campo. Seria de uma burrice terrível o Rafinha voltar para o Brasil neste momento.

  15. Cida Says:

    Sinceramente, não acredito nisso não. Não que não role as famosas taxinhas, mas que realmente tinha um fundo de verdade nessa história do Rafinha. Para mim, aconteceu o que acontece na maioria das vezes: o Corinthians sondou e o empresário e seu jogador viu nessa sondagem uma oportunidade de fazer uma ”pressão” em relação ao clube alemão. Ver se realmente eles gostariam de continuar com o jogador ou não. Caso não houvesse interesse, o empresário iria prontamente procurar algum clube na Europa e já conhecemos o final da história.

  16. Alex Franco Says:

    Quem é Rafinha ???

  17. Walter Camargo Says:

    Desde o início dessa estória já parecia estranhíssimo que um jogador titular do Bayern preferisse voltar ao decadente futebol sul-americano…

  18. EU - ABSOLUTIS VERITAS Says:

    Que todos os jogadores de futebol tenham este comportamento.

    Vai ter muito clube “silencioso” sem jogador, tanto quanto o Timão.

    Nem assumiram a direção técnica e já tem “uns trocos” de pedida?

  19. Brigadeiro Says:

    Caro Jorge, caso você não saiba, o Perrone é pago pelo Marcelo Teixeira para falar mal do Odílio e do comitê de gestão.

  20. anti_corru_PT_os Says:

    Rumo ao Bi-rebaixamento das Bitocas!

    #TimeGrandeNãoCai

  21. Papai Noel Says:

    taxinha no SCCP???
    isso não existe

    mas em mim vcs podem acreditar, ho ho ho ho …

    feliz natal !!

  22. Marcos Says:

    Dois meses para ele voltar a reserva do reserva do Bayern, pois é isso que o clube de munique deseja, um bom reserva.

  23. Carlos Says:

    jogador comum, desde os tempos de Londrina e Coritiba.

  24. Seixas Says:

    Ahh sim..
    Jogador comum, joga num time pequeno, o técnico não entende nada e não foi campão do mundo..

    Como tem babaca neste mundo….

    Ouviram o Roberto Funcionário Da Band dando entrevista hoje e saem replicando… Falta de inteligência total..

  25. Sou Curintiano Corrupto e Pilantra Says:

    kkkk, os curicanos desdenhando Rafinha, levaram um pe na bunda
    eh mais facil perguntar que esses idiotas que estao desdenhando.

  26. Sou Curintiano Corrupto e Pilantra Says:

    Pensaram que o Bayern eh o Barcelona de Sandro Rossell.

  27. José Carlos Cataldo Says:

    Caramba!!! Ver determinados comentários julgando a atitude do atleta de não aceitar jogar no Corinthians é brincadeira não! Pois o jogador não tem obrigação de bancar RATOS do Corinthians que só querem sugar o clube e não satisfeito somente com o que tiram do clube, partem também para pedir parte do salário do atleta para jogar no Corinthians. Vão se catar seus otários.

  28. Leandro Says:

    kkk! Paulinho, quando você escreveu “baita” jogador, já até sei quem foi a voz do clube que disse isso.

    Entendedores entenderão…

  29. Roberto Says:

    Estava demorando para começar a farra do Boi.
    Mano Menezes, é um treinador venal, de esquema, que não tem talento e nem vergonha na cara.
    Tem junto o Edu Gaspar, moleque de recado do Cara de Areia Mijada.
    A farra começou, quem quiser jogar no clube vai ter que pagar a taxa de comissão para Carlos Leite, mais a taxa de administração do Clube para o Taxinha Andres………
    Pobre Corinthians, Carlos Leite, Edu Gaspar, Mano Menezes, Andres Sanchez, fazendo esquema para ganhar dinheiro ilícito e o clube indo a falência…..
    CLUBE QUE TEM DIRETORIA VENAL TEM QUE FECHAR….
    VÃO ROUBAR MUITO POIS ESSE CONSELHO SÓ TEM IDIOTAS.
    O ANDRES CAGA NA CABEÇA DE TODOS OS CONSELHEIROS

  30. Carlitus Says:

    O mais sintomático de tudo isso é que os acusados não se defendem. Por que será?

  31. Wilbar Says:

    A quadrilha está reunida novamente… Vai ser a farra do boi…

  32. Thiago Says:

    O CORINTHIANS FATURA 4 VEZES MAIS QUE O FLAMENGO,20X MAIS QUE O VASCO,E MESMO ASSIM FALTA DINHEIRO,A DIVISÃO DE BASE NÃO EXISTE,TAMBÉM UM CLUBE CHEIO DE CONSELHEIROS CRIMINOSOS,DA PAVILÃO 9 (CARA FURADA) GAVIÕES E ALGUNS INTEGRANTES DO PCC (INDIRETAMENTE,NA GAVIÕES E DIRETAMENTE E SÓ VER QUE O GAECO E O DEIC INVESTIGAM,E JÁ PRENDERAM VÁRIOS DESTA TORCIDA DE (ASSASSINOS E SEQUESTRADORES) VAI FAZER O QUÊ,MANO REPRESENTA TOTALMENTE ESTE CLUBE,FORMADO E SUA PIRÂMIDE DE EX ASSALARIADOS,EX DETENTOS,EX PISTOLEIROS NÃO TEM EX-MINISTRO,EX MÉDICO,EX DESEMBARGADOR PORQUE SERÁ O MÁXIMO QUE CONSEGUEM É UM DLEGADO QUE NÃO CONSEGUE SE APOSENTARKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

  33. Claudio Marques Says:

    Só quando a gente conhece as pessoas é que pode perceber a quanto chega a maldade humana!
    Conheço a família do Rafinha e não existiu nada disso! Rafinha negociou com o Corinthians sim, mas desde o início esse acerto estava condicionado à eventual falta de interesse do Bayern em renovar o seu contrato.
    O blogueiro quer nos convencer que o Rafinha só renovou com o supertime do Bayern por quatro anos por causa de uma suposta taxa!
    Ah, faça-me o favor!

Deixe uma resposta


%d blogueiros gostam disto: