Advertisements
Anúncios

Do começo ao fim, caso Vilson é pura malandragem

luxemburgo

Desde o princípio, a contratação do zagueiro Vilson pelo Palmeiras, como contrapeso na “estranha” saída de Barcos para o Grêmio, nada mais foi do que uma ação entre amigos de José Carlos Brunoro para beneficiar o “sócio” V(W)anderlei(y) Luxemburgo, a quem faz força para reconduzir ao Parque Antártica.

Tanto que, sabedores que somos de que o ex-dirigente da Parmalat de bobo não tem nada, fica claro a “facilitação” à comercialização do zagueiro ao estipular seus direitos em R$ 700 mil.

A grande verdade é que o negócio já estava engatilhado, e intermediado pelo empresário Eduardo Uran antes mesmo da saída do Grêmio, razão pela qual a fixação da rescisão em valores tão diminutos.

O que vem pegando no negócio, e está melando a negociação, é que além dos R$ 700 mil a serem pagos “oficialmente” ao Palmeiras, a turma de Brunoro e Luxemburgo estaria exigindo, por fora, comissionamento, ou, digamos, ajustamento de preço, que fecharia o montante em R$ 1 milhão.

Ou seja, R$ 300 mil por fora.

Quase 50% de ágio.

Os alemães não querem pagar, e, para fazê-lo, exigem que o deposito seja feito na conta do clube, sendo então a referida “comissão” paga pelo Palmeiras.

Mas como explicar, sem dar bandeira, um montante de comissionamento tão elevado ?

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

×
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: