Advertisements
Anúncios

Sobre a saída de Márcio Fortes da Autoridade Pública Olímpica

Por JOSÉ CRUZ*

O quem tem por trás desse pedido de demissão é fácil de entender.

Prefeito e governador do RJ não querem se sujeitar à autoridade maior para coordenar um trabalho que tem participação das três esferas de governo.

Além disso, o Ministério do Esporte, conforme a matéria, criou o Geolimpíada (Grupo Executivo da Olímpiada), para organizar o trabalho de ministros rumo aos Jogos Olímpicos.

É muito cacique.

E, ao tirar o poder central da APO (de um especialista em gestão pública – conheci o trabalho dele no Rio) fica instalada a desordem política, justamente o que interessa principalmente ao prefeito e governador do Rio, tal qual ocorreu no Pan 2007.

Sem comando, ninguém toma providência e a conta vem parar na mesa do Palácio do Planalto.

Já vimos este filme.

Observem que ainda não temos orçamento dos Jogos 2016!!!

E não temos a matriz de responsabilidade, isto é, quem faz e quem paga o quê!!!

Não se assustem, nada é sem objetivo, faz parte do jogo dos espertos, pois quanto maior a esculhambação (desculpem, mas é isso mesmo) o superfaturamento é mais fácil, a contratação apressada será inevitável, o roubo e o saque estarão garantidos.

*Analise publicada por pelo jornalista JOSÉ CRUZ, em seu facebook.

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: