Advertisements
Anúncios

Com ajuda do Governo, gestores do “Fielzão” manobram para viabilizar calote em repasse do BNDES

Recentemente, os responsáveis pela obra do “Fielzão” reuniram-se para definir estratégias e rumos a serem tomados pelo projeto.

Na pauta estava a intermediação da CAIXA para viabilizar o empréstimo do BNDES.

Ao observarmos os itens descritos em Ata de Reunião da Arena Itaquera S/A um parágrafo chamou muito nossa atenção.

(…) votar favoravelmente à aprovação da contratação da CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, instituição financeira sob a forma de Empresa Pública, regendo-se pelo Estatuto aprovado pelo Decreto n.º 7.973, de 28 de março de 2013, com sede em Brasília, Distrito Federal (…)”

Diz a referida Lei:

Art. 5º

XXII – realizar aplicações não reembolsáveis ou parcialmente reembolsáveis, na forma fixada pelo Conselho Diretor e aprovada pelo Conselho de Administração da CEF, destinadas especificamente a apoiar projetos e investimentos de caráter socioambiental, que se enquadrem em seus programas e ações, que beneficiem prioritariamente a população de baixa renda, e principalmente nas áreas de habitação de interesse social, saneamento ambiental, gestão ambiental, geração de trabalho e renda, saúde, educação, desportos, cultura, justiça, alimentação, desenvolvimento institucional, desenvolvimento rural, e outras vinculadas ao desenvolvimento sustentável.

Ou seja, os gestores do estádio, que o Corinthians acredita ser dele, encontraram nesse estranho decreto, datado de 28 de março de 2013, e que entrou em vigor no dia 1º de abril, pouco antes do início da negociação entre as partes, caminhos para não ter que quitar futuras pendências com o a CAIXA.

O que seriam as tais “aplicações não reembolsáveis ou parcialmente reembolsáveis” ?

Quais os critérios ?

E pior, não há sequer um limite, um teto fixado, para essas tais aplicações, possibilitando qualquer tipo de manobra lesiva aos cofres públicos.

Vale lembrar que a CAIXA, pelo acordo, assumirá a responsabilidade pelo dinheiro do BNDES, para depois repassá-lo, como novo empréstimo, aos gestores do estádio.

Segundo o texto da Lei, os recursos, quer dizer, nosso dinheiro, seriam aplicados no apoio de “projetos e investimentos de caráter sócio-ambiental”, o que, claramente não é o caso, e que “beneficiem prioritariamente a população de baixa renda.”

Essa nova manobra dos verdadeiros donos do “Fielzão”, assessorada claramente pelo Governo, é, sem dúvida, mais um motivo para o Ministério Público de São Paulo solicitar explicações e, se possível, impedir que novos danos sejam ocasionados ao bolso dos contribuintes.

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

×
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: