Advertisements

Condenação absurda de Andrew Jennings escancara judiciário brasileiro facilitando a vida dos corruptos

Em cinco de dezembro de 2012, publicamos o absurdo cometido pela Justiça Brasileira ao condenar o jornalista britânico Andrew Jennnings, à revelia, por falar verdades sobre Ricardo Teixeira.

R$ 10 mil por danos morais.

http://blogdopaulinho.com.br/2012/12/05/dois-pesos-duas-medidas-justica-da-barra-da-tijuca-condena-andrew-jennings-a-revelia-por-falar-a-verdade-sobre-ricardo-teixeira/

Na última semana, o Jornal do Brasil repercutiu a informação, conversando com Jennings e também com o senador Álvaro Dias (PSDB).

“Se o Ricardo Teixeira não é corrupto, o sol não existe. A corrupção praticada pelo Ricardo Teixeira está provada e é tão visível como o sol em céu de brigadeiro. Esta sentença é um absurdo, uma inversão de valores. Desestimula o combate à corrupção”, declarou indignado, o senador.

Dias desmente ainda qualquer possibilidade do jornalista ter sido intimado:

“Me lembro que no dia do depoimento havia notícias de que estava ali uma Oficial de Justiça, mas ele chegou ao Senado e, comigo, foi para o meu gabinete. Dali saímos juntos para a Comissão. O Jennings prestou seu depoimento e depois nós almoçamos juntos, antes dele ir embora. Não há hipótese dele ter sido intimado, ou ter recebido a intimação. A Oficial de Justiça não chegou perto dele”.

Fato confirmado pelo próprio Jennings:

“É um absurdo, não faz o menor sentido, eu nem sabia que tinha esta acusação formal contra mim”

Pois é.

Este é o Brasil, em que a Justiça sempre encontra meios para defender os corruptos e seus parceiros, enquanto condena, mesmo que de maneira absurda, os que lutam e se expõem contra a corrupção.

Advertisements

Facebook Comments

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: