Advertisements

Giulite Coutinho e a Seleção de 1982

Por CASSIANO RICARDO, jornalista

Caro Paulinho,

Antes de mais nada, parabéns pelo seu caráter, coragem, independência, espírito republicano e democrático na acepção do termo.

Acompanho sua luta, diariamente, e quero dizer com o maior reconhecimento, que você é um digno (e indignado) representante do que há de melhor no jornalismo esportivo deste país, onde destaco atuação modelar de Juca Kfouri e, sem destacar nomes, o exemplo de modernidade e integridade das equipes da radio ESTADÃO/ESPN e da ESPN.

O Jornalismo investigativo (esportivo ou de outra área) independente, destemido e incansável é uma das grandes medidas da civilidade republicana de um país, dado que só uma imprensa livre e vigilante pode jogar luz sobre os caminhos obscuros por onde transitam determinadas figuras públicas e causar o desmascaramento daqueles que não respeitam limites éticos, morais, nada e ninguém, por suas ambições e ganâncias.

O bom jornalista denuncia mesmo, ás vezes arriscando sua própria segurança e integridade física, mas, corajoso e idealista, enfrenta as piores adversidades em busca da verdade, colocando acima de sua individualidade, uma causa.

Desgraçadamente, existem vários bajuladores na grande imprensa (na esportiva eles se multiplicam, impressionante!), que acobertam os bandidos que chafurdam na lama e dessa imundície se locupletam, tornando-se cúmplices da sujeirada.

Gente pequena, vendida.

Quanto à seleção de 82, Paulinho, ela é a prova provada de que quando o futebol brasileiro é conduzido de maneira limpa, desprendida, honesta, visando, unicamente, montar uma seleção que represente o nosso melhor – a nossa arte e talento inconfundíveis, num ambiente sincero, livre de vaidades estúpidas e formada por homens íntegros, dentro e fora das quatro linhas, só pode resultar nisso que tivemos o privilégio de ver na Copa de 82 na Espanha.

Uma das últimas seleções que tiveram identificação com o povo e que nos emocionaram.

Quando olhávamos nos olhos de cada um deles – de Giulite Coutinho até o roupeiro, passando pelos craques e por Telê, sentíamos que todos, indistintamente, traziam dentro de si a pureza e o desprendimento de quem faz as coisas por amor ao que faz, por respeito a quem deles espera um conforto, um gesto, uma atitude e sem nenhum interesse, que não aquele de fazer o melhor pelo melhor caminho e através de meios limpos!

A saudosa CBF DE 82 era limpa, íntegra, comandada pelo saudoso Giulite Coutinho de quem guardo um troféu de valor intangível! explico:

Era a noite daquele domingo fatídico do vexame da eliminação da “seleção-gangue” do Sr. Ricardo Teixeira na copa de 2006.

Lá estava eu, na bancada do programa do Avallone (então na Band), desfiando meu corolário de verdades sobre aquela corja que fazia suas ricas malas na Alemanha, quando um colega, num aparte, colocava TODOS OS DIRIGENTES DA HISTÓRIA DA CBF como gente de caráter questionável.

PERA LÁÁÁ!, respondi, e fiz justiça ao Dr. Giulite Coutinho, presidente da CBF em 1982 , a quem, como brasileiro, agradeci, publicamente, como a exceção de integridade, dignidade e grandeza, e que não enriqueceu – nem com o futebol, nem em sua limpa vida pessoal e que, lindamente, num momento, não nos esqueçamos, em que o Brasil ainda vivia sob um regime autoritário e intervencionista,montou aquela equipe de trabalho sob a égide da honestidade, transparência e isenção e a seleção de 82, saiu de cena com o mundo inteiro a aplaudi-la de pé e até hoje é reverenciada por quem gosta do futebol jogado com alegria e leveza – de toques, de dribles, gols e de espírito.

No dia seguinte, logo pela manhã, toca meu celular e eu atendo:

– Alô?

– é o Sr. Cassiano Ricardo?

– Pois não, é ele mesmo.

– Bom dia, desculpe pelo incômodo, aqui é a secretária do Dr. Giulite Coutinho, e ele gostaria de dar uma palavrinha com o senhor. O senhor. pode atendê-lo?

Meu coração disparou….

– c…claro que sim, meu Deus!

– Olá, Cassiano, desculpe incomodá-lo, logo pela manhã, é Giulite que está falando, como vai?

– (quase mudo)

– Eu assisti o programa em que você estava ontem e gostaria de lhe agradecer demais a sua lembrança da seleção de 82 e pelas suas palavras elogiosas àquela seleção e à minha pessoa.

Fiquei emocionado e não sei se mereço tanta homenagem de sua parte.

Mas, fiquei muito feliz e até meio sem jeito, confesso, por alguém lembrar do meu nome e quero muito te conhecer.

Quando você vier ao Rio, por favor, me ligue.

Venha ao meu escritório pra eu te dar um abraço, viu?

Bem…nosso diálogo, óbvio, seguiu por mais alguns minutos, onde Dr. Giulite Coutinho deixou clara sua indignação com o estado de coisas do atual futebol brasileiro (2006!) e com as pessoas que o comandam (até hoje…).

Bem, só sei dizer que não contive minha emoção durante nossa conversa (como agora) não pelo orgulho tolo por EU ter recebido um telefonema do Dr. Giulite, mas, pelo gesto desse homem, que foi tão importante, ter se dignado a conseguir com alguém o número do meu telefone e me ligar pra me agradecer (ele nunca, sequer, soubera de mim, antes de ver aquele programa na noite anterior), simplesmente por eu ter me lembrado dele e da seleção de 82 (às vezes, tão injustiçada – geralmente, por aqueles que, exigem de um time a conquista de um campeonato, não importando os meios).

Quanta grandeza e humildade nesse homem.

Dr. Giulite foi um grande exemplo da diferença entre ser “famoso” e ser importante… de como se pode fazer futebol com honestidade e pureza de propósitos e, no dia da sua morte chorei de revolta pelo “quase nada” de reconhecimento e homenagens que Dr. Giulite teve em vida e pelas punhaladas que tomou dos bandidos que tomaram de assalto a CBF, pouco tempo depois da copa de 82 – de nabis a teixeiras, passando por otávios “piteiras”…(a quadrilha é histórica e atravessa eras, desde a pré-história, lááá na “era Havelangeozóica”, que parece não terminar, nunca…)

Seleção de 82, Dr. Sócrates, Telê e Dr. Giulite Coutinho:

E(ternamente) em nossa mais linda caixa de boas recordações desta vida de quem ama o bom futebol e sua gente boa…

Um forte abraço, Paulinho e me perdoe pelo tamanho do comentário, mas, não pude me conter, tal a emoção que me acometeu, assistindo esse vídeo, pelas lembranças que ele me suscitou.

http://blogdopaulinho.com.br/2011/12/12/a-magnifica-orquestra-de-1982/#comments

CASSIANO RICARDO

Facebook Comments
Advertisements

5 comentários sobre “Giulite Coutinho e a Seleção de 1982

  1. Fernanda Salgado

    Cassiano Ricardo é um ator e jornalista da mais alta credibilidade e competência, honesto e trabalhador como poucos. Talvez, exatamente por isso, esteja hoje fora do ar, como tantos outros que têm história semelhante. Enquanto isso nossos meios de comunicação estão tomados por gente incompetente e venal, cujos nomes e as canalhices que praticam desfilam por aqui quase todos os dias. Parabéns, Paulinho, por dar voz a uma pessoa dessa estirpe.

  2. André (@Megalodon_br)

    Pera ai naquela época ja existia algumas mutretas lá dentro. Hoje muitos esquecem e fazem questão de esquecer.

    Zico & Coca Cola contra Serginho. O Zico ou a seleção (não lembro) era patrocinada pela Coca e exigia que o Zico fizesse os gols e comemorasse em frente as placas de publicidade dela! Tanto é que o Serginho teve problemas dentro da seleção exatamente por esse problema, ele era o melhor atacante na epoca no país e foi boicotado durante a copa por que ele não queria fazer propaganda desse jeito.

    Tem muito mais história só que hoje os jogadores de 82 viraram ícones da “perfeição”, que não eram! Vamos parar de ser hipócritas por favor.

  3. cassiano ricardo mendes paiva

    Obrigado, Fernanda, por suas palavras.
    Não sei se mereço tantos elogios. Em todo caso, prefiro confiar em sua sensibilidade, inteligência. Você, como dizia Lulu Santos em uma de suas canções, é gente, fina, elegante, sincera. Eu, de minha parte, tento, apenas, ser justo e ter uma ótima relação com minha consciência e respeitar meus melhores sentimentos.

  4. Curicano Ladrão, um pleonasmo

    Concordo plenamente com você. Como pode uma pessoa da mais alta estirpe, honesta e grande comunicador não estar na midia? Inclusive comentei ontem isso no post dele.
    Enquanto somos infelicitados com figuras como Neto, Osmar de Oliveira, Chico Lang, Datena, entre outros, pessoas como Cassiano Ricardo e o Paulinho não tem uma oportunidade de mostrar seu trabalho.
    Como fazia tempo que não tinha noticias do Cassiano, gostaria se possivel de saber se ele tem algum blog, pois sou muito fã desse cara desde os tempos de Enigma na TV Cultura.

    ps- O nick é uma brincadeira Cassiano.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: