Advertisements

Getúlio Vargas e o Comitê Olímpico Brasileiro

Por ALBERTO MURRAY NETO

www.espn.com.br/albertomurrayneto

No final da década de trinta o então Governado Ademar de Barros chamou nosso Atleta de maior expressão no exterior, Capitão Sylvio de Magalhães Padilha, nascido no Estado do Rio de Janeiro, que figurava entre os três primeiros no ranking mundial nos 400 metros sobre barreiras, para fincar as bases do esporte em São Paulo.

Padilha criou o Departamento de Esportes e Educação Física do Estado de São Paulo. E daí surgiram as primeiras leis que regulamentaram a atividade esportiva e da prática profissional da educação física no Brasil.

Antes disso não havia rigorosamente nada.

Apareceram as competições de massa, tais como Jogos Abertos do Interior, Jogos Colegiais, Jogos Regionais, Troféu Brasil de Atletismo (antes denominado Troféu Governador Ademar de Barros), Jogos Intercoloniais, Troféu Bandeirantes, Turmas Volantes no Interior do Estado e tantas outras. Fizeram-se os primeiros complexos poli esportivos de São Paulo e do País, com o intuito primordial de tornar o esporte acessível para todos.

Anos mais tarde, o ditador Getúlio Vargas resolveu criar leis federais para regulamentar a atividade esportiva na Federação. Vivía-se o Estado Novo, mais um período sombrio da política nacional. Vargas impingiu as leis federais do esporte a seu modo.

Fez tudo de forma que a mão forte do Estado controlasse as Confederações Desportivas.

No frigir dos ovos, a União Federal, leia-se Getúlio Vargas, o déspota, tinha poder pessoal sobre tudo.  A legislação autoritária de Getúlio Vargas perdurou até a edição da Lei Zico. No meio do caminho houve vários projetos para alterá-la. Mas como os governos sempre trataram o esporte amador com desídea, o Congresso Nacional engavetava, deixava para lá, tudo que dizia respeito à criação de uma política esportiva de massa para o esporte do Brasil.

O Capitão Padilha deu uma entrevista de repercussão nacional, criticando severamente a forma como Vargas, onipotente, outorgara a sua legislação nada democrática. Como retaliação, Vargas transferiu o Capitão Padilha, o grande Atleta de sua geração, para Passo Fundo, no Rio Grande do Sul, aonde não havia água quente, nem luz elétrica.

O Capitão, perseguido pela ditadura Vargas, deixaria o exército brasileiro um ano depois, como Major. E dedicou toda sua vida ao esporte.

Lí na Folha de São Paulo que o Comitê Olímpico Brasileiro (“COB”) ficou irritado com uma reunião havida pelas Confederações, feita sem o conhecimento prévio da entidade. As Confederações queriam discutir formas alternativas de captação de recursos, articularem-se de forma a dirigirem-se diretamente ao Ministério do Esporte em busca de dinheiro e, dentre outros, utilizar em Jogos Sul Americanos, Pan Americanos e Olímpicos, os uniformes de seus próprios patrocinadores.

A reação do COB, descrita pela Folha, lembrou-me os anos da ditadura getulista, em que as reuniões de segmentos da sociedade que não ocorressem sob o beneplácito do Estado Novo eram vistas como subversivas.

Por que não podem as Confederações reunirem-se quando quiserem?

Por que o COB reage negativamente quando as Confederações, por iniciativa própria, decidem encontrar-se para tentar buscar novos rumos para o olimpismo nacional?

Por que o COB repudia a idéia de que as Confederações possam contactar diretamente o Ministério do Esporte, para discutir com o Ministro, sem intermediários, as suas necessidades?

A resposta reside no fato de que o COB quer que todas as ações de suas filiadas estejam sob seu controle. Assim como Getúlio também desejava que todos os segmentos sociais, dos partidos políticos aos sindicatos, dependessem de sua pessoa.

Essa mentalidade do COB prejudica o esporte nacional e vai de encontro aos princípios democráticos.

Outra atitude ditatorial que atrapalha – e muito – a vida das Confederações é a inexplicável exigência de que todas as modalidades apresentem-se em Jogos Sul Americanos, Pan Americanos e Olímpicos com as indumentárias do patrocinador oficial do COB.

É tão difícil às Confederações arranjarem patrocínios próprios que essa medida impositiva do COB apenas torna a tarefa de cada modalidade ainda mais árdua. Ora, se os respectivos patrocinadores de cada modalidade não poderão expor suas marcas nos momentos de maior visibilidade, o interesse das empresas em investir no esporte diminui bastante.

Os valores diminuem muito. E desse jeito, as Confederações ficam de mãos atadas e cada vez mais dependentes do COB.

Talvez dar maior liberdade de ação às Confederações desportivas olímpicas, cause calafrios no COB.

Fosse eu o responsável por esse assunto, daria às Confederações a possibilidade de usar as roupas do patrocinador oficial do COB. Mas também deixaria cada modalidade absolutamente livre para, caso preferissem, usar os uniformes de seus próprios patrocinadores. A única coisa que tem que observar – e isso é fácil de resolver – é que haja uma padronização no desenho e na confecção dos uniformes, independentemente de quem seja o fornecedor do material esportivo.

Que se dê mais liberdade de ação a todas as Confederações Olímpicas.

Facebook Comments
Advertisements

5 comentários sobre “Getúlio Vargas e o Comitê Olímpico Brasileiro

  1. Francisco Terra

    Este texto mostra que a 60 anos atrás, o Brasil tinha um ditador do bem.
    Getulio Vargas era acima de tudo um visionário. Quem imaginaria que somente a Lei Zico nos anos 90 viria a aperfeiçoar o modelo lançado por Getulio ?
    O esporte era desorganizado a nivel nacional. Era somente um hobbie. Essa é a verdade.
    O Brasil teve vários governantes, nenhum com a glória de Getulio Vargas, um imortal.
    E em nome de todos no Blog do Paulinho: Obrigado Getulio Vargas !!!

    FRANCISCO TERRA. BRAÇO FORTE. MÃO AMIGA.

  2. albertomurray

    Caro Francisco, não existe um “ditador do bem”. Getúlio governo debaixo de vara. de forma sangrenta, com,o são todos os ditadores. Obrigado.

  3. timao2010

    GETÚLIO FEZ COISAS BOAS, IMPULSIONOU A INDÚSTRIA, CRIOU A PETROBRAS, CSN.
    MAS COMO TODO DITADOR, FOI CRUEL.
    A pior democracia ainda é melhor que qqer ditadura

  4. Julio Cesar Reis

    Algumas pessoas falam da(s) ditadura(s) com uma espécie de saudosismo, esquecendo-se que o importante não é o que foi feito quando dessa época, mas sim o que deixou de ser feito.

    Ditaduras só servem bem em livros de história, para lembrar-nos de não mais cometermos os erros do passado.

    []´s

  5. ANDRADE NETO

    ANDRADE NETO SUBSCREVE TUDO O QUE FRANCISCO TERRA SUPRA DECLAROU.

    GETÚLIO NOS DEIXOU MUITAS SAUDADES E SEDE DE NOVAS REALIZAÇÕES NACIONALISTAS.

    CREIO QUE UM GOVERNO FORTE DO BEM POSSA SIM SANAR AS IMORALIDADES LATENTES E PULSANTES QUE VEMOS HOJE EM DIA EM TODOS OS ÂMBITOS.

    LOAS A GETÚLIO!

    LOAS AO BRASIL!

    ASSINA ANDRADE NETO, VERITAS ODIUM PARIT.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: