Advertisements

Cada um na sua

Do MÍDIA SEM MÉDIA

Por VLADIR LEMOS

http://www.midiasemmedia.com.br/colunistas/vladirlemos/6039-Cada-sua.html

Não sou velho, mas sou do tempo em o que repórter que cobria um clube de futebol tinha o direito de acompanhar os treinos da beirada do gramado, podia escolher o jogador que queria ouvir e, muitas vezes, fazia isso dentro do vestiário.

Naqueles dias, quando os leitores abriam o jornal no dia seguinte, ou ligavam a TV, ou procuravam a companhia do rádio, encontravam o universo do futebol captado de maneira mais rica, fruto de possibilidades que não existem mais.

Mesmo sem se dar conta, partilhavam de uma liberdade que silenciosamente foi acabando. Os tempos mudam, os veículos de comunicação se multiplicam, quem não é capaz de entender essa realidade?

Mas não se trata apenas disso. Pouco a pouco os homens que comandam o futebol foram nos impondo regras para exercer o ofício, e nesse processo de transformação muita gente mudou de lado.

O pior de tudo é que essa transformação se deu sem o mínimo de contestação por parte da imprensa, e não pode haver sintoma pior para a saúde da imprensa do que a falta de contestação.

Já o espaço que só pertence aos jornalistas está longe de receber tamanha proteção. Dias atrás, ao ler uma reportagem intitulada ” Luxa quer a imprensa jogando junto”, percebi que não se tratava apenas de uma impressão.

A matéria falava sobre as andanças do treinador santista pelas redações da baixada. De cara fiquei tentando imaginar o que alguém que ocupa essa posição poderia dizer a um monte de jornalistas ao entrar numa editoria de esportes.

Tudo bem, aceitou um convite cordial. Sem problemas.

Mas o desdobramento foi previsível.

Dias depois, o comandante santista usaria o seu blog para atacar jornalistas que teriam se sentido indignados com a visita. Ora, prestigiados é que não poderiam ter se sentido. A imprensa que não se incomoda é que preocupa.

Estranho nessa história toda é notar, no geral, visões e atitudes tão diferentes na hora de tratar o espaço de cada um. Se já não podemos escolher o melhor ângulo para fazer as imagens de um treino, e muitas vezes nem mesmo acompanhá-los, se algumas vezes somos obrigados a ficar na porta esperando a permissão para entrar, porque deveríamos aceitar, sem questionar, essa proximidade repentina justamente dentro do nosso vestiário?

Não há exagero nenhum em dizer que hoje em dia, se um jornalista percebe uma história interessante e diferente para ser contada sobre determinado jogador, precisa cruzar os dedos para que ele seja o escolhido para falar naquele dia, porque de outro modo terá que jogar a pauta no lixo, ou torcer para que ela ainda tenha validade num futuro breve.

E mais, o caminho da imprensa esportiva está marcado, cada vez mais, por uma incomoda bifurcação que nos separa em duas categorias, a dos que estão, e a dos que não estão à serviço de quem tem os direitos de transmissão.

Enquanto o direito à informação, que deveria estar acima de tudo isso, fica cada vez mais fora do jogo. Perdem todos, porque diante dessa realidade você muda de canal, de jornal, de rádio, e encontra praticamente as mesmas declarações. E nós, jornalistas, porque temos que se virar com essa liberdade distorcida.

Advertisements

Facebook Comments

10 comentários em “Cada um na sua”

  1. VCS MERECEM QUE ACONTECA ISSO..A IMPRENSA É O CANCER DO FUTEBOL, SÓ ATRAPALHAM, SUA OPONIÃO PESSOAL NÃO INTERESSA…EU NÃO PRECISO DE INTERMEDIARIOS PARA SABER DO MEU CLUBE DO CORAÇÃO

  2. A imprensa, grosso modo, é um lixo: tendenciosa, interessada, parcial, conivente com certos interesses. Quando chega na tal imprensa “esportiva” a coisa fica pior ainda. Na maioria das vezes, tocada por gente sem a menor qualificação, sem caráter etc.

    O que o autor do texto sugere? Que o jogador, diretor, profissional da área médica fique à disposição de toda essa gente? Se o jogador for atender todo mundo, não sobrará tempo para fazer mais nada da vida, nem treinar, nem jogar bola.

    Tostão não vai a treinos, não frequenta os ambientes dos clubes. No entanto, seus textos são o que há de melhor sobre o assunto futebol e as coisas que orbitam o esporte.

    Bem, mas fica difícil exigir que “jornalistas esportivos” sejam iguais ao Tostão.

  3. A imprensa está totalmente distorcida daquilo que prega o jornalismo.
    Deveriam ter vergonha e seguir os exemplos de Paulinho, um questionador.
    Este sim, merece todos os aplausos. O que ele fez com o Luxa naquela coletiva, eu nunca vi ninguém fazer.
    Só assim, para os corruptos sentirem que tem gente que se incomoda.
    Naquele momento o Paulinho lhe disse algo que o santista e o palmeirense gostariam demais de ouvir.

    FRANCISCO TERRA. BRAÇO FORTE. MÃO AMIGA.

  4. ISSO MESMO, AMIGO FRANCISCO.

    CONTINUE EM SUA CAMINHADA. A VERDADE E A JUSTIÇA DEVEM SEMPRE NORTEAR OS NOSSOS PENSAMENTOS.

    ANDRADE NETO. VERITAS. VINCIT.

  5. A resposta está no post acima….jornalistas esportivos são impedidos de trabalhar nos clubes porque pedem propina pra falar bem do clube, técnico e jogadores, isso é velho, muito velho. Os clubes estão certos, não há honestidade nas coberturas esportivas no Brasil.

  6. Não tenho nada contra o Vladir Lemos. Acho-o um tanto devagar, mas tudo bem, é o estilo de cada um. Mas precisa dar uma boa melhorada no português, hein? Nunca tinha lido nada dele, mas a primeira impressão não foi boa não. Abraço!

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
Powered by
%d blogueiros gostam disto: