Advertisements

A farra da Casa Bandida

baraomunchausen

Da FOLHA DE SÃO PAULO

CBF abre caixa para rincões da política

Entidade doa R$ 345 mil para 12 candidatos nas eleições municipais, a maioria de cidades nanicas e pobres do interior

Políticos dizem que fizeram pedido de verba à entidade diretamente e foram logo atendidos; confederação não comenta o caso

 

Além da pobreza e da pequena população (variam de 8.700 a 32,7 mil habitantes), a CBF, a Confederação Brasileira de Futebol, une os municípios de Cocos, no oeste baiano, Comercinho, no Vale do Jequitinhonha mineiro, e São José do Belmonte, no sertão pernambucano.

Todas essas cidades tiveram nas eleições municipais de outubro passado candidatos a prefeito que receberam doações, em dinheiro, da CBF.

Segundo dados do TSE, o Tribunal Superior Eleitoral, a confederação tirou R$ 345 mil de seus cofres para financiar políticos no pleito municipal.

O que surpreende é o tamanho político dos candidatos, e de suas cidades, agraciados com as verbas da CBF.

A entidade que cuida do futebol nacional financiou candidatos em 11 cidades. Com exceção de Teresina e Uberlândia (onde só apoiou quem tentou uma vaga como vereador), nenhuma tem mais de 77 mil habitantes.

Foram, por exemplo, R$ 10 mil repassados a Charles Ferraz, candidato do PT à Prefeitura de Itinga, cidade mineira com 14,6 mil moradores.

A insignificância política dos beneficiados pela CBF é tamanha que a entidade foi, na maioria dos casos, a principal financiadora desses candidatos.

Dos 12 que receberam dinheiro da confederação, 8 ficaram nessa situação. Em três casos, a CBF dividiu com alguém o recorde de doação. Em São José do Belmonte (PE), ficou em segundo lugar nas doações a Vital Maria dos Santos, do PTB.

O valor oferecido pela CBF respondeu, no mínimo, por 22% do dinheiro arrecadado por seus candidatos, caso de José Barreira de Alencar Filho, de Caetité, na Bahia.

Em alguns casos, a participação foi muito maior, como em Lagoa Grande, Minas Gerais, onde os R$ 10 mil recebidos por Edson Sabino de Lima, do PMDB, responderam por 77% de todo o dinheiro arrecadado por sua candidatura.

Procurada pela Folha desde anteontem, a assessoria de imprensa da CBF informou que Ricardo Teixeira, o presidente da entidade, está no Japão em eventos da Fifa e não conseguiu fazer contato com ele para falar sobre a política de doações da confederação.

Já os candidatos que a reportagem conseguiu ouvir tiveram respostas simplórias para explicar como receberam verbas para a eleição da CBF.

“Nós pedimos dinheiro em vários lugares. A federação mineira e a CBF, por exemplo. Só a CBF nos atendeu, mas eu não conheço ninguém lá dentro”, diz Rogério Rocha Rafael, candidato do PT em Comercinho agraciado com R$ 30 mil.

“Teve um pessoal que tratou da parte financeira na campanha. Eu não posso te dizer como veio porque eu não sei. Só sei que recebemos o dinheiro”, falou José Barreira de Alencar Filho, candidato do PSB à Prefeitura de Caetité, na Bahia. Ele recebeu R$ 30 mil da CBF.

“O dinheiro chegou certinho aqui pra mim. Eu recebi porque fui candidato a prefeito. Eu mesmo fiz o pedido”, explica Vital Maria dos Santos, de São José do Belmonte.

Explicação mais plausível tem Junior Carlos Piaia, candidato do PC do B à Prefeitura de Ijuí, no interior gaúcho.

Sobre a doação que recebeu (R$ 50 mil), Piaia cita Emídio Perondi como intermediário da solicitação junto à CBF. “Acredito que tenha sido ele, que nos ajudou bastante na campanha e tem relação com o futebol”, declarou. Perondi é ex-presidente da federação gaúcha e um dos maiores aliados de Ricardo Teixeira.

Bom relacionamento é mesmo um caminho para explicar escolhas da CBF nas eleições municipais de outubro.

Cocos, onde Alexnaldo Correia Moreira, do PR, recebeu R$ 20 mil, faz parte da base política de José Rocha, deputado federal do mesmo PR que é hoje o parlamentar mais atuante pelos interesses dos cartolas.

O candidato recordista em verbas recebidas pela CBF é o peemedebista Arthur Henrique Gonçalves. Na sua candidatura à reeleição em Piraí, no Estado do Rio, ele recebeu R$ 100 mil da confederação.

Piraí é a cidade onde Ricardo Teixeira tem uma fazenda, na qual costuma passar férias.

Facebook Comments
Advertisements

6 comentários sobre “A farra da Casa Bandida

  1. Virgilio

    Sou a favor do diz o Juca Kifouri,
    “vamos omar um chá de cadeira esperando a queda do ricardo teixeira”

  2. Pingback: Sul 21 » FGF começa a formar bancada da bola gaúcha

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: