Advertisements

Esse é o preço

Por Vladir Lemos

http://blogdovladir.blogspot.com/

Dias atrás, acordei no meio da noite com o coro de uma torcida.

Mesmo sendo vizinho do Parque Antártica, não conseguia entender de onde poderia surgir aquele barulho, uma hora daquelas, num dia daqueles.

Era a madrugada de segunda para terça-feira.

Um ginásio?

Uma quadra qualquer vivendo um momento festivo?

Um bar?

As perguntas foram se sucedendo no quarto escuro.

Será que o silêncio, sempre tão desejado nessa metrópole em que vivo, por uma intrincada soma de fatores teria repentinamente sido possível?

E o efeito colateral seria esse, passar a ouvir sons de paragens mais distantes?

Inimagináveis?

Não era um coro qualquer, era um senhor coro soando na noite de modo insistente.

Cheguei a imaginar que alguém tivesse gravado aquilo, e agora, tomado por uma insônia tivesse resolvido ouvi-lo, alto, para ameaçar o sono dos que tinham tido o dom de adormecer.

A curiosidade venceu.

Fui até a janela intrigado.

E pelo vão entre dois edifícios que, recentemente, roubaram parte do meu horizonte, desvendei o mistério.

Divisei ao redor da praça, junto às grades do clube, uma pequena multidão, agitada.

Em fila.

Uma enorme fila, que se não foi suficiente para me roubar o sono, foi tumultuada o bastante para virar pesadelo quase doze horas depois, no início da tarde do dia que estava a caminho, e por um motivo claro: os cerca de quinze mil ingressos para a final entre Palmeiras e Ponte Preta, tão desejados, sumiram das bilheterias em pouco mais de duas horas.

Com três guichês capazes de negociar, cada um, cerca de 100 ingressos por minuto, estaríamos sem dúvida diante de uma invejável prova de eficiência.

No entanto, todos sabemos que não foi esse o caso.

A fila, que pouco andou, terminou em pancadaria, com gente ferida, passando mal.

Nos dias que se seguiram, os decididos a acompanhar o confronto final do Campeonato Paulista, precisaram bolar táticas mirabolantes, acionar conhecidos influentes e se sujeitar a aceitar um ágio de respeito para, finalmente, ter direito a um ingresso.

Não foi muito diferente no Rio ou em Minas.

O futebol brasileiro é um só.

Por isso, esta semana um “ingresso para final estadual” valorizou mais do que as ações da Petrobras, mais do que ouro, do que o euro… mais do que o petróleo.

Os ingressos sumiram, os responsáveis também, e o torcedor segue como sempre: sendo o principal credor desse nosso futebol cada vez mais devedor.

Em todos os sentidos.

O fato merece ser relembrado toda vez que um senhor elegante, trajando terno e gravata, voltar a dizer que estamos a caminho de um futebol de primeiro mundo.

Não, não estamos.

Facebook Comments
Advertisements

Um comentário sobre “Esse é o preço

  1. wilson zamora brum

    Aqui em Porto Alegre aconteceu algo parecido,só que com mais civilidade.
    Como se sabe o Inter hoje tem 68 mil associados e previlegiou seu associado em detrimento do torcedor mais comum .
    Sobraram 3 mil ingressos que seriam disputados pelo comprador Via Intenet e o torcedor comum . Advinhe quem ganhou ? Ganhou aquele que tem Internet, claro…
    Então, pela primeira vez , acredito que em todo o Brasil , não se terá ingresso vendido na bilheteira

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: