Advertisements

Conflito de interesses na candidatura de Leila no Palmeiras é óbvio

Da FOLHA

Por PVC

A presidente da Crefisa poderá executar uma dívida do clube com sua empresa?

O lançamento oficial da candidatura de Leila Pereira à presidência do Palmeiras escancara um conflito de interesses e reabre o debate sobre mecenatos nos times brasileiros. É completamente diferente a relação da presidente da Crefisa com o clube que patrocina do que era a de Paulo Nobre.

Há oito anos, Nobre foi ao mercado e captou empréstimo em seu nome, para cobrir a dívida do Palmeiras. Logo depois, levou o caso ao Conselho Deliberativo e pediu que votassem as condições da devolução do dinheiro.

Paulo Nobre pode até ser chamado de “mecenas”, mas sua relação com os poderes foi exemplar. Principalmente num país em que o Executivo não respeita o Judiciário e faz acordo com o centrão no Legislativo.

O conflito de interesses Crefisa x Palmeiras é de outra ordem. A patrocinadora colocou perto de R$ 170 milhões no clube, em troca da exploração dos direitos de imagem dos jogadores que comprava.

Instigada pela Receita Federal, a Crefisa transformou as operações em empréstimos.

O exemplo de Borja ajuda a entender. Com dinheiro da Crefisa, o Palmeiras fez sua maior contratação da história por R$ 33 milhões. Até a intervenção da Receita, o Palmeiras não teria risco e, se Borja não fosse vendido antes do fim do contrato, o prejuízo seria da patrocinadora.

Com a transformação em empréstimo, o Palmeiras é obrigado a devolver os R$ 33 milhões à Crefisa em até dois anos após o final do contrato.

O presidente do Palmeiras, Maurício Galiotte, diz que aceitou a transformação das operações em empréstimos por entender que o pedido do aporte foi feito pelo Palmeiras, que agora deve aproximadamente R$ 160 milhões à Crefisa –já quitou cerca de R$ 10 milhões.

O conflito de interesses é óbvio: a presidente da Crefisa poderá executar uma dívida do Palmeiras? Ou a presidente do Palmeiras olhará no espelho e sugerirá renegociação do débito?

O conflito não é só palmeirense e já houve em outros lugares do mundo. No final dos anos 1980, o Milan estampava no peito o símbolo da seguradora Mediolanum, de propriedade de Silvio Berlusconi, também dono do clube. A diferença era que Berlusconi era o proprietário do time, não apenas o mandatário de uma associação desportiva.

Outro tipo de mecenas foi Marcelo Teixeira. Depois de perder o poder no Santos para Luis Alvaro, Teixeira pediu a penhora de valores próximos dos R$ 40 milhões que tinha investido no clube. Por decisão da então nova diretoria, de Luis Alvaro, a Vila Belmiro foi posta como garantia.

Enquanto a relação era boa, Teixeira colocava dinheiro no Santos, que disputava títulos. Quando a oposição chegou ao poder, a Vila Belmiro ficou sob ameaça.

Há um ano, o empresário Rubens Menin, dono da MRV, afirmou que colocará dinheiro para contratar jogadores no Atlético-MG e só receberá de volta o valor principal investido. O lucro será atleticano.

Na época, perguntei a Menin: “E se a oposição ganhar eleições?”. Sua resposta foi: “O Atlético é um clube coeso”.

Semanas depois, o presidente Sergio Sette Camara, que já havia anunciado sua candidatura à reeleição, retirou-se da disputa. Estava no meio do fogo cruzado. Menin e Ricardo Guimarães de um lado, Alexandre Kalil do outro.

O Galo terá um novo estádio graças ao investimento das empresas de Menin e Guimarães. Já foi batizado de Arena MRV. Mas o prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil, diz: “O nome oficial do estádio será Elias Kalil”. É o nome de seu pai, presidente do Galo na década de 1980.

Diferentemente do Milan, os clubes brasileiros não têm donos.

Não têm?

Facebook Comments
Advertisements

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: