Advertisements

Inquérito do MPF investiga compra de magistrados por cartolas do Corinthians

A coluna Radar Econômico, de VEJA, em sua edição de ontem, revelou que o MPF abriu Inquérito Civil Público para investigar a participação de cartolas do Corinthians em compra de sentença de juízes.

Corinthians está em inquérito civil do MPF no caso do ‘juiz dos ingleses’ | VEJA (abril.com.br)

O clube, em nota, negou qualquer irregularidade.

“(…) Corinthians reitera que não compactua com atos de corrupção e se coloca inteiramente à disposição das autoridades”, diz trecho do comunicado.

Os fatos parecem divergir da manifestação alvinegra.

O novo Inquérito é desdobramento da ‘Operação Westminster’, conhecida do leitor do Blog do Paulinho.

As investigações comprometem bastante o atual Presidente do Conselho Deliberativo, Alexandre Husni, que, à época, era vice-presidente de Andres Sanches, também citado pelo MPF.

Apesar das denúncias, gravíssimas, os cartolas seguem prestigiados num clube que diz ‘não compactuar com corrupção’ e que, recentemente, contratou escritório de compliance.

Em 05 de agosto, o Ministério Público Federal denunciou o Juiz Federal Leonardo Safi de Melo, da 21ª Vara Cível Federal, por cobrar propinas em troca de decisões favoráveis em diversas ações, entre as quais as de crimes fiscais.

O inquérito era o de nº 5006468-69.2020.4.03.0000.


Abaixo é possível conferir a íntegra do documento:

Clique para acessar o Den%C3%BAncia-MPF-compra-de-senten%C3%A7a-Corinthians.pdf


As acusações são de corrupção passiva, peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Segundo o MPF, integravam a quadrilha o Diretor de Secretaria da 21ª Vara, Devannir Ribeiro Barile, além doutros seis advogados e peritos.

O juiz Leonardo chegou a ser preso, mas depois liberado, em decisão do STJ, encontrando-se, neste momento, em liberdade monitorada.

À ocasião, o magistrado tentou ‘dispensar’ dois celulares pela privada, mas se deu mal:

Dentre os ‘clientes’ do esquema estariam o presidente do Corinthians, Andres Sanches e seu vice, Alexandre Husni.

Recentemente, a dupla prestou depoimento, acompanhada do então diretor jurídico alvinegro, Fábio Trubilhano, e do advogado Juliano Di Pietro, ocasião em que confessaram a ‘solicitação de vantagem’ (em tese, corrupção ativa), mas negaram a efetivação do pagamento.

O objetivo era obstar a execução fiscal nº 5014599-48.2019.4.03.6182.

Em 06 de agosto de 2019, coincidentemente, o processo foi julgado extinto.

Husni, porém, confessou pagamento de propina noutro caso, em que atuou como advogado de Luiz Phelipe Rezende Cintra, em ação de despejo contra os Correios:

A Justiça Federal parece não ter acreditado, inteiramente, no teor das oitivas de Andres Sanches e Alexandre Husni e, por conta disso, ambos seguiram investigados, assim como o Corinthians.

Não se trata da primeira menção de comportamento incorreto do cartola junto a magistrados.

Há mais de uma década, grampos da PF, em meio ao caso MSI-Corinthians, trouxeram o ex-presidente Alberto Dualib falando que Husni era seu operador junto ao TJ-SP, na condição de corruptor de juizes.

No momento em que os cartolas alvinegros se movimentam para expulsar do clube conselheiros que opinaram contra a gestão, notórios corruptos do Parque São Jorge, alguns deles confessos, além de intocados, detém poder para prejudicar, com gravidade, a vida do Timão.


  

Facebook Comments
Advertisements

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: