Advertisements

A estranha contratação de Hernán Crespo pelo São Paulo

Hernán Crespo

O São Paulo investirá R$ 1 milhão mensal para ter o argentino Hernán Crespo como treinador em 2021.

Porém, logo no anúncio, a diretoria mentiu aos torcedores:

“(Crespo é) dono de um dos currículos mais respeitados do futebol”

Crespo, em verdade, é um iniciante com resultados, até a conquista da fraquíssima Copa Sulamericana (único título de sua carreira), que não o habilitam, num contexto de seriedade no futebol, a dirigir um clube com o tamanho e história do São Paulo.

Eis a ponto: a diretoria do Tricolor parece ser tão ‘esperta’ quantos as anteriores, no pior sentido da comparação.

Mas antes de falar dessa gente, vamos aos números de Crespo:

  • Parma (sub-19): 14 vitórias, 7 empates e 10 derrotas;
  • Modena: 11 vitórias, 5 empates e 19 derrotas;
  • Banfield: 4 vitórias, 6 empates e 8 derrotas
  • Defensa y Justicia: 13 vitórias, 10 empates e 9 derrotas

No total: 42 vitórias, 28 empates e 46 derrotas.

Ou seja, Crespo perdeu mais do que ganhou em toda a carreira como treinador.

Talvez seja mais fácil justificar a loucura de pagar R$ 1 milhão para um grupo de pessoas que engatinha na profissão, num contexto em que, por vezes, treinadores e jogadores de futebol costumam remunerar, extraoficialmente, seus contratantes com parte dos vencimentos declarados.

Alguns fatos não podem ser descartados.

O diretor de futebol do São Paulo, Rui Costa, é ligado a agentes de jogadores.

Bruno Paiva, dono da OTB, que trabalha com intermediação de atletas, sentou na mesa de reuniões do São Paulo e indicou o nome de Crespo, que chegou ao clube com ajuda de Régis Marques, especialista em negócios futebolísticos no continente sulamericano, próximo do ex-presidente do Corinthians, Andres Sanches, a quem aluga imóvel no Rio de Janeiro.

O desenho do que está acontecendo parece claro, para quem estiver disposto a enxergar.

Dos envolvidos, o único que tem prestígio a perder é Muricy Ramalho, que esteve sentando, também, com Paiva numa dessas reuniões – embora, nesse dia, não se tenha falado, por razões óbvias, em fatores extra-campo.

O mesmo não se pode dizer do presidente Casares, que abandonou a Record, emissora que lhe pagava quase dez vezes mais, em salários, do que recebe como gestor do Tricolor.

Facebook Comments
Advertisements

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: