Advertisements

O último latido de Marcio Guedes

Márcio Guedes e uma carreira jogada no lixo, por José Trajano - Ultrajano
Latido
substantivo masculino
  1. 1.
    ação de latir, de ladrar.
  2. 2.
    FIGURADO (SENTIDO)FIGURADAMENTE
    voz interior que traduz um sentimento; apelo, grito

Desde os tempos de TV Manchete, sempre achei Marcio Guedes um tanto quanto presunçoso, beirando a arrogância, visão apenas de quem, como telespectador, o acompanhava, pouco, à distância, até pelo fato dele comentar mais sobre os campeonatos do Rio de Janeiro e eu, torcedor do Corinthians, dar mais atenção aos acontecimentos de São Paulo.

Décadas se passaram e o jornalismo ingressou na minha vida.

Com visão mais crítica, voltei a acompanhar Marcio Guedes por conta de sua participação no ‘Linha de Passe’, da ESPN Brasil, que tinha na configuração da mesa de debates Juca Kfouri e José Trajano, a quem, desde sempre, interessei-me em assistir.

Confesso que, apesar de divergências de opiniões, passei a achá-lo mais simpático, talvez pelos comentários de cinema que trazia ao programa.

Sempre gostei da sétima arte.

Com as mudanças da ESPN Brasil, novamente distanciei-me de Marcio Guedes, até anteontem (13), quando fui surpreendido – certamente por conhecê-lo superficialmente – com sua bajulação, explícita, ao genocida que ocupa a cadeira de Presidente da República.

Senti nojo.

No dia seguinte, deparei-me com a óbvia repercussão negativa da parte séria da imprensa, inclusive de ex-colegas de Guedes, das quais concordei com praticamente todas.

Principalmente com a precisa avaliação de José Trajano:

“O jornalismo esportivo se despediu ontem de André Marques, narrador, e do vetusto comentarista Márcio Guedes, que conheço desde a infância”

“Depois de anos trabalhando juntos ou nos cruzando por aí, registro com pesar que Márcio deixa a profissão saindo pela porta dos fundos”

“Sua pusilanimidade na transmissão do jogo de ontem (aliás, quanto pagaram e quem pagou pela transmissão?) ao passar pano para o Capitão Corona dizendo com satisfação e orgulho os times pelos quais o tresloucado torce me enojou”

Hoje, o quadro ficou ainda pior.

Logo pela manhã, ao ler a Folha, deparei-me com a seguinte declaração, em meio a outras, do agora, em meu conceito, ex-jornalista em atividade:

“Cada pessoa revela o seu caráter numa hora dessa. Estou pouco me lixando, sei o que o sou, tenho 51 anos de jornalismo esportivo com comportamento ético irrepreensível. Deixe os cães ladrarem, é só isso”

Infelizmente, os únicos cães, nitidamente puxados pelas coleiras, que latiram nesse episódio, foram os que, a troca sabe-se lá do que ou talvez apenas pela concordância de atos e aproximação de princípios, protagonizaram a transmissão do jogo da Seleção Brasileira, lembrados que serão, inevitavelmente, pelos livros de história.

Facebook Comments
Advertisements

Um comentário sobre “O último latido de Marcio Guedes

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: