Advertisements

‘Santo’ no Futebol, Marcos demonstra-se abjeto nas mídias sociais. Mas há quem aplauda

São Marcos de Palestra Itália sempre foi um bom goleiro, apesar de nunca ter figurado como melhor do Brasil (mas sempre entre os melhores), nem mesmo quando assumiu a titularidade da Seleção Brasileira numa Copa do Mundo, mais por amizade com o treinador Felipão do que por ser melhor do que Dida, seu reserva imediato.

Tanto que virou ídolo palmeirense, mas nunca é lembrado nas diversas listas de melhores goleiros da história do escrete nacional.

Até mesmo no Verdão, jogou menos do que muitos, entre os quais Emerson Leão, para ficar num exemplo mais conhecido, e assistido, pelos ainda vivos.

Sua fama se deu por conta dos méritos de atuações notáveis em duas eliminatórias de Libertadores da América contra o Corinthians, apesar de, no Mundial de Clubes, ter cometido falha expressiva que contribuiu para que o Palmeiras, até os dias atuais, seja o único time grande de São Paulo sem essa honraria na sala de troféus.

Se a carreira de Marcos é fácil de ser resumida, diante de fatos amplamente documentados, pouco se sabia, até o advento das mídias sociais, sobre o ser-humano, excetuando-se os momentos em que se apresentava, sempre com simpatia e cordialidade, nas entrevistas, fossem elas exclusivas ou coletivas.

É triste constatar a realidade, expressada pelo próprio, em divulgações públicas pelo Instragram.

Marcos é incrivelmente limitado.

Para piorar o quadro, quase sempre, diante das mais abjetas postagens – que ele efetua com notável frequência – em vez de confrontado, é aplaudido, inclusive por jornalistas, num ciclo de puxasaquismo ruim para todos os envolvidos.

Advertisements

Facebook Comments

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: