Advertisements

Um ensaio de golpe

De O GLOBO

Por ZUENIR VENTURA

Bolsonaro disse coisas que não se deve esquecer

É possível que ainda não tenha sido uma tentativa de golpe, mas um ensaio, um teste para saber até onde poderia avançar uma ação contra a democracia. Não por acaso, aconteceu diante do Quartel-General do Exército, em Brasília, à frente de uma aglomeração de fanáticos golpistas que com gritos e faixas pediam intervenção militar, o fechamento do Congresso Nacional e do Supremo Tribunal Federal e a volta do AI-5.

No seu discurso em tom de campanha, Bolsonaro disse coisas que não se deve esquecer porque não são arroubos passageiros, são ideias, algumas fixas: “Acabou a época da patifaria. É agora o povo no poder. Mais do que direito, vocês têm obrigação de lutar (…). Contem com seu presidente para fazer tudo aquilo que for necessário para manter a nossa democracia (…). Nós não queremos negociar nada, nós queremos é ação pelo Brasil”.

O repúdio à participação do presidente foi geral, incluindo todas as instituições, até mesmo uma da qual o capitão esperava, se não apoio, pelo menos tolerância: os militares. No dia seguinte ao ato contra a democracia, o ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, divulgou uma nota afirmando que as Forças Armadas trabalham “sempre obedientes à Constituição”. Antes, ele se reuniu com os comandantes do Exército, da Aeronáutica e da Marinha.

Também o presidente do STF, ministro Dias Toffolli, que não havia se pronunciado antes, somou-se ao repúdio de seus colegas, ministros Luís Roberto Barroso, Marco Aurélio Mello e Gilmar Mendes, e afirmou que não é possível admitir qualquer “solução que não seja dentro da institucionalidade”. Diante de tantas opiniões, Bolsonaro mudou o tom de um dia para o outro: usando sua costumeira tática de avançar e recuar, de desdizer o que disse antes, de morder e assoprar, passou a defender, quem diria, “Congresso aberto e Supremo aberto”. Só manteve firme sua convicção, ou melhor, sua megalomania: “A Constituição sou eu”.

O que será que pensa o novo e silencioso ministro da Saúde sobre esse episódio, que contém alguns ingredientes que ajudaram a derrubar o antecessor?

Advertisements

Facebook Comments

1 comentário em “Um ensaio de golpe”

  1. O Bolsonaro tem ódio do Fernando Henrique Cardoso porque acabou com a hiperinflação, tem ódio do Lula porque deu bolsa família e minha casa minha vida. A ditadura militar odeia todos quem fazem o país andar pra frente. Eles querem um país atrasado.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: