Advertisements
Anúncios

Chegou a hora de pôr fim à angústia de Bolsonaro e de lhe dar o impeachment

Da FOLHA

Por REINALDO AZEVEDO

É uma ilusão tola apostar que o presidente vai parar, ele não vai

O presidente Jair Bolsonaro busca desesperadamente o impeachment. Nem ele sabe disso. Já escrevi a respeito no meu blog. Trata-se de uma fantasia narcísica da qual, obviamente, ele não tem consciência.

Quer ser mártir de um delírio compartilhado com um país mental que chamo “Bolsolavistão”. Se e quando cair, e tudo indica que vai, poderá, então, se oferecer como a verdade sacrificada pelos homens maus. No terreno pessoal, só isso explica o seu comportamento.

Um dado puramente técnico: na minha conta, ele já cometeu 10 crimes de responsabilidade, com 15 agressões à lei 1.079. Na leitura desta Folha, foram 15 crimes autônomos. Tanto faz. Para sustentar uma denúncia, basta um. O único seguro do governante, nesse caso, é impedir que se forme uma maioria qualificada de dois terços da Câmara em favor do impeachment. Com 342 deputados, já era! Não será o Senado a segurá-lo.

As ruas decidirão a sorte de Bolsonaro, mesmo essas enclausuradas nas sacadas e janelas. A canção de resistência do Brasil, a “Bella Ciao” destas plagas, entre 20h e 20h30, tem outro refrão: “Fora Bolsonaro”, sem vírgula. O comportamento do presidente na crise do coronavírus está transformando essas duas palavras numa divisa civilizatória. A economia pode fazer o resto.

Crime de responsabilidade, crise econômica, uma maioria de insatisfeitos e presidente alheio à realidade são os elementos que levam à formação daqueles dois terços. A conversa de que impeachment é golpe, cumpridos os requisitos legais, é coisa de acólitos e de beneficiários do governo de turno. Quando se estabelece a certeza de que, diante da devastação, o líder não mudará a sua conduta, mostrando-se disposto a confundir a sua pantomima pessoal com os destinos da nação, então é hora de mandá-lo para casa.

É uma ilusão tola apostar que Bolsonaro vai parar. Não vai. Alimentou-se por aqui a bobagem de que ele poderia adequar-se aos limites e exigências do cargo. Ora, minhas caras, meus caros, o poder é um péssimo educador. Na origem da palavra “educar” está o verbo latino “duco”, que quer dizer “conduzir”, “guiar” por um caminho. Palácios são lugares em que se conjuga a antítese: “seduzir” —de “seduco”, cujo significado é “afastar do caminho”. Acreditem em protetor solar, em quarentena e em etimologia.

Bolsonaro está, de resto, muito mal assessorado. Com ele, ascenderam ao, por assim dizer, poder intelectual alguns empresários de porte médio que não têm tempo para a empatia e a compaixão. Sopram aos ouvidos do líder: “Que importa que morram alguns milhares de velhos? A crise econômica matará muito mais”.

Nessa formulação cafajeste, há a suposição de que quarentena é um estado permanente e de que será exclusivamente ela a responder pela recessão, que já está contratada. Temos a única elite do mundo —vá lá: parte dela— a contestar hoje a eficácia do isolamento social. Não se trata de um procedimento para pôr fim ao troço. É só uma medida que busca evitar o caos na Saúde, hipótese em que aos mortos da Covid-19 outros tantos se juntariam, vítimas de moléstias diversas, mas igualmente sem um leito nos hospitais.

Ficássemos à mercê do nosso governante deseducado, o PIB igualmente mergulharia no escuro da desilusão, mas com caminhões do Exército a carregar corpos para cremação, como se vê na Itália, que experimentou as medidas sugeridas por alguns sábios daqui: retardou as medidas de isolamento social para não prejudicar a economia. Escolheu as mortes para manter o crescimento. Não terá o crescimento agora nem tem onde enterrar seus mortos.

O Brasil precisa realizar a fantasia de Bolsonaro para pôr fim à sua angústia. Tão logo se volte a ter um funcionamento regular dos Poderes.


Nota: lágrimas para todos os mortos. Em especial para a maestrina Naomi Munakata, 64, e para o maestro Martinho Lutero Galati, 67, vítimas ambos da Covid-19. Dirão alguns: “Tinham doenças pré-existentes e já eram velhos”. Regina Duarte, secretária de Cultura, foi às redes sociais cobrar o fim do isolamento social. É a lírica do pum do palhaço.

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

1 comentário em “Chegou a hora de pôr fim à angústia de Bolsonaro e de lhe dar o impeachment”

  1. Totalmente de acordo com o texto. Quem não sabe nem ler (como admitem os que comentam ai acima via Facebook), muito menos o que é um curva exponencial deveriam ficar quietos num tema complexo como esse.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: