Advertisements

Caso ‘compra de votos’: documento desmente presidente da Comissão de Ética do Corinthians

O Blog do Paulinho revelou, dias atrás, que o candidato a Presidente do Corinthians, Paulo Garcia, dono da Kalunga e irmão do agente de jogadores Fernando Garcia, está, desde 2017 (antes das eleições alvinegras), aguardando julgamento, pela Comissão de Ética e Disciplina, acusado de compra de votos no Parque São Jorge.

Se condenado, poderá ficar de fora do próximo pleito, marcado para o final de 2020.

A pressão política pela definição do caso é grande nos bastidores alvinegros.

Desde o encaminhamento do parecer sobre as irregularidades nas eleições de 2018, efetivado pela Comissão Eleitoral, até os dias atuais, dois conselheiros presidiram a Comissão de Ética: o advogado Sérgio Alvarenga, do grupo ‘Corinthians Grande’, ex-“Obsessivos”, e, o atual, desembargador Ademir Benedito.

Mesmo diante de farto material comprobatório (áudios, canhotos de cartão, etc), nenhum deles colocou o assunto em pauta para julgamento.

Quais serão as razões para tamanho descaso?

Pior: ontem (03), Ademir Benedito, em resposta a questionamento do associado Rolando Wholers, popular Ciborg, sobre o assunto, respondeu:

“Boa tarde Ciborg! Realmente, o sr. Paulo Garcia não está entre os representados no referido procedimento. Abraço. Ademir”

Não é verdade.

O Blog do Paulinho teve acesso ao documento, protocolado pela Comissão Eleitoral junto à Comissão de Ética, datado de 22 de janeiro de 2018, reiterado, meses atrás, à atual presidência do Conselho Deliberativo (com pedido de providências) pelo Desembargador Miguel Marques e Silva, que contém o nome dos seguintes indiciados:

  • Antonio Rachid (coordenador da campanha de Paulo Garcia);
  • Paulo Garcia (candidato);
  • Eduardo Caggiano (a serviço de Andres Sanches);
  • Eduardo ‘Gaguinho’ Ferreira (atual diretor de futebol)
  • Roberto Andrade (ex-presidente)

Diante desse contexto, dúvidas precisa ser esclarecidas:

  • Ademir Benedito, presidente da Comissão de Ética, mentiu ao associado Ciborg sobre a não indiciamento de Paulo Garcia ou apenas se enganou ao responder?
  • Teria sido o nome de Paulo Garcia retirado do processo por decisão unilateral do desembargador?
  • Se sim, porque o procedimento, de extrema relevância, nunca foi divulgado?

As respostas, para não atrapalhar o período eleitoral do Corinthians, precisam vir à tona com brevidade.

Advertisements

Facebook Comments

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: